Nadine Gasman sobre aborto: ‘O Congresso é responsável por garantir os direitos das mulheres’

Desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu descriminalizar o aborto até o terceiro mês de gestação em um caso específico na última semana, o tema voltou à discussão.

Por Luiza Belloni, do HuffPost Brasil

A legalização ou não do aborto virou pauta principalmente na Câmara dos Deputados, na qual o presidente Rodrigo Maia já criou uma comissão especial que pode incluir na Constituição uma regra clara sobre o aborto. No caso, tornar mais rígida a legislação sobre a interrupção de gravidez, contrariando a decisão do STF.

 

BRASÍLIA, DF, BRASIL, 14-04-2015, 09h30: Nadine Gasman, representante do escritório da ONU Mulheres no Brasil, durante o painel Pequim+20: Mais Mulheres na Política. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Nadine Gasman(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Hoje, o aborto no Brasil é considerado crime. Pelo Código Penal, a mulher só pode interromper a gravidez em caso de estupro ou quando corre o risco de morte.

Criminalizar o aborto, porém, é algo criticado por médicos e especialistas em direitos humanos, uma vez que a lei não impede a realização dos procedimentos — apenas deixa-os ainda mais perigosos.

Sem assistência médica, muitas mulheres recorrem às clinicas clandestinas e medicamentos abortivos, medidas que colocam sua saúde em risco. Uma pesquisa realizada pelo Anis, Instituto de Bioética, e divulgada pelo Fantástico no último domingo (4), por exemplo, mostra que uma em cada cinco mulheres com até 40 anos já realizou um aborto inseguro no Brasil.

O descriminalização do aborto também é um tema defendido e debatido pela ONU Mulheres, órgão da Organização das Nações Unidas especializado no direito e defesa da mulher. “A ONU Mulheres entende que os direitos das mulheres não são divisíveis, ou seja, os direitos sexuais e reprodutivos são parte disso”, disse a Dra. Nadine Gasman, que é médica, doutora em Políticas da Saúde e representante da ONU Mulheres no Brasil.

Para Nadine, o posicionamento do STF foi de encontro com o que organismos internacionais têm debatido no sentido de revisar leis para garantir que as mulheres tenham o direito de decidir sobre sua própria gestação.

Questionada sobre a reação da Câmara em relação à decisão histórica do Supremo, Gasman afirma que a grande responsabilidade dos congressistas é não interferir no direito das mulheres.

“Acredito que o Congresso Nacional tem uma responsabilidade muito grande de não tirar direitos das mulheres”, disse a representante da ONU.

“A gente tem que pensar que há uma proposta em que o Tribunal está fazendo seu trabalho, que parte de suas obrigações, e está respondendo o Habeas corpus que, primeiro, está no direito das mulheres e, segundo, vai de encontro com acordos internacionais.”

Responsabilidade social da reprodução

Assim como o aborto, Nadine acredita que o papel do homem e da sociedade na criação dos filhos também deve ser debatido:

“Reprodução não é apenas questão das mulheres, é uma questão da sociedade. A sociedade tem que criar uma educação que faça com que o homem, desde criança, entenda que ele faz parte da reprodução não só biológica, mas também social”

Segundo ela, também é preciso pensar em políticas públicas que supram as necessidade dos pais e das mães que trabalham e que precisa ter uma vida tranquila. “O que não vemos hoje. As mulheres trabalham muito mais horas que os homens, porque elas acumulam o trabalho doméstico.”

Um estudo divulgado pelo IBGE na última sexta-feira revelou que as mulheres brasileiras trabalham, em média, cinco horas a mais que os homens (somando o trabalho em casa), mas recebem 24% menos que eles.

Segundo Gasman, a sociedade brasileira ainda é extremamente machista e conservadora, e a classe política é um reflexo disto. Dados do TSE mostram que apenas 10% das cadeiras da Câmara dos Deputados são ocupadas por mulheres.

“O machismo no Brasil independe de classe e educação”, disse Nadine, ressaltando que o único jeito de mudar isto é a desconstrução do que é percebido como “normal” por muitas mulheres e homens. “Temos um grande movimento de mulheres que estão indo para as ruas e redes sociais, e você tem que ser parte disso.”

“Tem que ter consciência que isso não é normal, que você não pode aceitar o machismo, o sexismo e o racismo como uma questão natural. Os Os números falam para você que você tem que mudar. O discurso que estamos construindo, com a ONU Mulheres e movimentos das mulheres, é para você.”

+ sobre o tema

Sororidade: o valor da aliança entre as mulheres

Sororidade é um pacto social, ético e emocional construído...

As cenas de sexo que ‘ninguém quer ver’

Um casal prestes a comemorar um importante aniversário de...

Pornografia de vingança

No fim da tarde de sexta-feira , o vice-presidente...

para lembrar

Tornar-se uma mulher negra: uma identidade em processo – Por: Fernanda Souza

Para Mayara e Odara, as pretas da minha vida "(...)...

Estudante de medicina em Belém customiza receita para paciente analfabeto lembrar horários de remédios

Paciente com hipertensão e diabetes foi atendido pela estagiária...

‘Tenho dois pais’, diz menino de três anos adotado por casal homoafetivo

João Vitor, de apenas três anos, mora com os...

Profissionais de saúde sempre emprestaram suas vozes para a defesa de temas controversos

Vozes renovadas no O Globo Na virada do ano, médicos americanos...
spot_imgspot_img

Saúde: 307 crianças ianomâmis desnutridas foram resgatadas em 2023

Ao longo do ano de 2023, 307 crianças ianomâmis diagnosticadas com desnutrição grave ou moderada foram resgatadas e recuperadas, segundo o Ministério da Saúde. Há quase...

Anvisa cancela registro de mais de 1,2 mil pomadas de modelar cabelos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cancelou nesta sexta-feira (29) os registros de 1.266 pomadas sem enxágue, ceras e sprays para modelar, trançar ou...

É a pré-campanha eleitoral

A compulsão eleitoral moveu o prefeito do Rio de Janeiro a tornar pública, em rede social, o plano de internar compulsoriamente “usuários de drogas”...
-+=