As Negas de lá

‘How to get away with murder’, nova série de Shonda Rhimes com Viola Davis, estreia lá fora

Assistimos ao primeiro episódio da atração, que só chega em 2015 ao Brasil, e avisamos: parece ser um programaço

POR THAÍS BRITTO

Infelizmente, “How to get away with murder” só chega ao Brasil em 2015, segundo o canal Sony, que exibirá a série aqui. Mas quando a nova produção estrear nos EUA no próximo dia 25 — e Shonda Rhimes mandar um beijinho no ombro para as inimigas sendo a única produtora executiva a contar com um horário nobre só seu, toda quinta, com o trio “Grey’s anatomy”, “Scandal” e “HTGAWM” — temos certeza que você não vai escapar de ouvir os comentários sobre a série, desde já uma das mais aguardadas da nova temporada.

Assistimos ao primeiro episódio da série na última TCA Press Tour, em Los Angeles, evento em que os canais apresentam aos jornalistas suas novidades, e a trama promete! Viola Davis é a protagonista Annalise Keating, uma professora de Direito que apelida o curso ministrado por ela de “how to get away with murder” (algo na linha de “como cometer assassinato e ficar livre”). Na estreia, vemos a mestra recrutando um time de alunos para trabalhar na firma de advocacia que ela mantém. Mas os jovens vão se meter numa enrascada e precisar realmente se livrar de uma acusação de assassinato.

O episódio é sofisticado, cheio de idas e vindas no tempo, nem sempre nos apresentando os personagens de forma mastigadinha. Demanda atenção, mas oferece qualidade em troca. O criador da série é Peter Nowalk, parceiro de Shonda de longa data. O elenco jovem dá conta do recado direitinho e, além de nomes menos conhecidos tem, por exemplo, Liza Weil (a eterna Paris Geller de “Gilmore girls”) como uma assistente de Annalise, e Katie Findlay (de “The killing” e “Carrie diaries”) como a vizinha gótica de um dos alunos.

O modelo novelão de “Scandal” está lá, mas o suspense e as reviravoltas parecem apimentar bem mais esta produção. E, além do mais, convenhamos, Viola Davis está alguns degraus acima de Kerry Washington… A tendência é ser um programaço.

 

Leia também:

“Aquelas negas” de Sueli Carneiro

Empregada, não! Viola Davis protesta: ‘Cansei de fazer domésticas’

Indicado ao Oscar, Histórias Cruzadas é exibido em pré-estreia neste sábado

Fonte: O Globo

+ sobre o tema

11 coisas bem simples que os homens podem fazer pelo feminismo

Por Beatriz Serrano Do Buzz Feed OK, você leu alguns posts...

Mães não precisam só de autocuidado, mas sim de alguém que cuide delas, diz pesquisadora

Uma metáfora comumente ouvida por mães sobrecarregadas é de...

para lembrar

Quantas autoras negras você já leu?

Em tempos de quarentena, por que não aproveitar para...

Duas visões: o horror do estupro coletivo

A antropóloga Alba Zaluar e a professora Barbara Nascimento,...

Mulheres Negras em luta lançam Manifesto

Do Site da Uneafro-Brasil com fotos de João Novaes No Negro...

Aos 76, artista trans veterana relembra camarins separados para negros

Divina Aloma rejeita a linguagem atual, prefere ser chamada...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=