O sistema de saúde cuida das mulheres negras?

Mulher negra, Elis, 38, passou anos até conseguir um diagnóstico sobre os problemas de saúde que afetaram sua vida pessoal e profissional. Ela se afastou do trabalho como advogada por falta de memória; desistiu do artesanato, uma das suas paixões, por coordenação motora debilitada; sentia dor na cabeça, fraqueza nas pernas e nos braços, fadiga, dificuldades na visão e espasmos musculares.

Em três anos, nenhum médico ouviu de fato todos os seus sintomas, e outros tentaram justificar o problema como algo psicológico, já que ela havia passado por um divórcio. “Nunca foi frescura, nunca foi histeria como já ouvi em tantos consultórios”, diz.

A história de Elis é relatada pela médica de família e colunista de Ecoa Júlia Rocha, que, após uma escuta qualificada e alguns exames, a diagnosticou com esclerose múltipla. “Quando se é uma mulher negra, as chances de ser deslegitimada e invalidada ao compartilhar suas dores dentro de um consultório aumentam muito”, explica a médica.

Estudos mostram que o racismo e a desigualdade social são barreiras que dificultam o acesso a tratamentos de qualidade e medicamentos, o que afeta diretamente as condições de saúde dos negros no Brasil. Implantada em 2009 com o intuito de combater o racismo institucional no SUS (Sistema Único de Saúde), por exemplo, a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra mostra que 11,9% dos negros já se sentiram discriminados em um serviço de saúde no país.

É preciso questionar os sistemas de saúde que permitem que algo assim aconteça. Ao redor do mundo a ciência já comprovou que a melhor porta de entrada para os sistemas públicos ou privados precisa ser a atenção primária e o trabalho da equipe multidisciplinar a qual o paciente deve se vincular

Júlia Rocha, médica e colunista de Ecoa

+ sobre o tema

Estudo indica que DSTs atingem mais os homens negros no Brasil

Fonte: Diário de Pernambuco - O total de homens negros...

Dennis de Oliveira: O plebiscito, os médicos e a contradição entre Casa Grande e Senzala

A presidenta Dilma Rousseff buscou retomar a iniciativa política...

Promotoras Legais Populares do Geledés recebem netos de Nelson Mandela em atividade de prevenção a AIDS

   Por: Nilza Iraci Fotos: Renato Oliveira As Promotoras Legais Populares do...

Irmãos albinos relembram momentos ao lado de fotógrafo Alexandre Severo

Amanda Miranda Kauan, hoje aos 10 anos, não se esquece...

para lembrar

Guerreiro Ramos, pioneiro nos estudos do racismo no Brasil

Não foram poucas as controvérsias protagonizadas, em vida, pelo...

Na Feira do Livro, Sueli Carneiro escancara racismo que ainda divide o Brasil

"Eu vivo num país racialmente apartado", afirma a filósofa Sueli...

“Mesmo com vice negra, somos oprimidas”, diz escritora colombiana

A escritora e jornalista colombiana Edna Liliana Valencia, de...

Em Moçambique, Anielle Franco assina acordo de combate ao racismo

Com agenda intensa em na África do Sul, a...
spot_imgspot_img

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que a liberdade proporcionaria uma gradual convergência nos indicadores socioeconômicos entre brancos e negros. Porém essa...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...

‘Questão do racismo tem a ver com a sobrevivência do capitalismo’, diz Diva Moreira, intelectual negra de MG

"A despeito da rigidez da estrutura de dominação, eu sou uma mulher de muita esperança." É assim que a jornalista, cientista política, ativista e...
-+=