Em meio à alta de casos de Covid, apenas 5,5% das crianças de 3 a 4 anos tomaram duas doses da vacina, diz Fiocruz

Enviado por / FontePor Marina Pagno, do G1

Faixa etária pode ser vacinada com a Coronavac desde julho, quando a Anvisa aprovou o uso emergencial do imunizante. Em quatro meses, vacinação infantil chegou a ser suspensa em alguns municípios por causa da falta de doses.

Apenas 5,5% das crianças de 3 a 4 anos receberam as duas doses da vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (16) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A faixa etária começou a ser vacinada no Brasil em julho, quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial da Coronavac para o público acima dos 3 anos.

Em quatro meses, 938.411 crianças de 3 e 4 anos tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid, e 323.965 tomaram as duas doses do imunizante, completando o esquema vacinal do imunizante. O Brasil possui hoje cerca de 5,9 milhões de crianças dentro dessa faixa etária.

Os números foram levantados pelo grupo Observa Infância (Fiocruz/Unifase) com base nos dados de vacinação do sistema do Ministério da Saúde, e chegam em um momento em que o País voltou a registrar um aumento de casos de Covid por conta do avanço de novas subvariantes da ômicron. Especialistas apontam a vacina como um dos meios para evitar hospitalizações e mortes pela doença.

“O atraso na vacinação infantil é preocupante, uma vez que, até junho de 2022, o Brasil registrava uma média de 2 mortes diárias por Covid-19 entre crianças menores de 5 anos”, afirmou a coordenadora do Observa Infância, Patricia Boccolini.

Um dos motivos para a lentidão da vacinação infantil está na escassez de doses. Desde a disponibilização da Coronavac para crianças de 3 a 4 anos, estados vêm recebendo o imunizante a conta-gotas pelo Ministério da Saúde.

Vários municípios já reclamaram de falta de Coronavac e alguns chegaram a suspender a imunização dos pequenos por não terem a vacina nos estoques. O último caso aconteceu no Rio de Janeiro.

Neste mês, o Ministério da Saúde comprou um lote com 1 milhão de doses da Coronavac junto ao Instituto Butantan, produtor da vacina no Brasil. A quantidade é considerada insuficiente já que, no momento, esse é o único imunizante distribuído pelo governo federal para crianças de 3 a 4 anos.

Mas essa não é a única vacina disponível no País para a faixa etária. Há também a chamada Pfizer baby, destinada para bebês e que também pode ser usada em crianças de até 4 anos. Porém, o Ministério da Saúde decidiu destinar o primeiro lote do imunizante, com 1 milhão de doses, apenas para os pequenos de 6 meses a 2 anos e 11 meses de idade com comorbidade. Ainda não há previsão de ampliação da vacina para o restante do público.

“Desde a aprovação da Pfizer pediátrica pela Anvisa, em 16 de setembro, 26 crianças menores de 5 anos já morreram em decorrência da doença, o equivalente a dois óbitos a cada três dias”, completou Patricia Boccolini.

+ sobre o tema

Missão Terra Indígena Maró

Relatoria participa de audiência pública sobre Terra Indígena Maró,...

Marcelo Semer: ….a justiça que não queremos….

Não queremos uma justiça desumana, fria, de olhos e...

A culpa dos jornalistas nesse show de horrores sobre os médicos cubanos – Sakamoto

Parte dos jornalistas passou dias dizendo o que...

Lázaro Ramos: entenda os sintomas da estafa, condição que fez ator ser levado ao hospital

Na última sexta-feira, o ator Lázaro Ramos passou mal dentro de...

para lembrar

Haitianos: Brasil esconde emergência humanitária no Acre

Campo de 'refugiados' abriga mais de 800 haitianos em...

Mais de 12 mil queixas de violação de crianças foram registradas em 2013

Os registros do primeiro quadrimestre representam 35% de todas...

O encarceramento das mulheres negras em debate

No dia 28 de setembro, sexta-feira, das 9 às...

Vida é luta!: Nota da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil

Lutamos com nossas rezas e cantos. Os nossos escudos...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=