“O feminismo branco foi construído em cima da precarização do trabalho da mulher negra”, diz Ana Maria Gonçalves

Enviado por / FonteCultura

Autora da obra 'Um Defeito de Cor' defendeu a manutenção de cotas raciais e de gênero na política

O Roda Viva recebe nesta segunda-feira (17) a escritora Ana Maria Gonçalves, autora do premiado livro ‘Um Defeito de Cor’.

Durante a entrevista, a autora defende a manutenção de cotas raciais e de gênero na política e em outras instituições, além de criticar a não contemplação da mulher negra no início do movimento feminista.

“O papel (das mulheres negras), acho que nunca foi valorizado na sociedade brasileira. Como eu disse, por exemplo, quando a gente começou a falar de feminismo… o feminismo branco foi construído em cima da precarização do trabalho da mulher negra. Então, ou seja, ela sempre foi relegada à essa invisibilidade dentro do tecido social brasileiro, embora ela seja maioria. Ela é 28% da população brasileira hoje”, comenta.

Segundo ela, ainda hoje, mulheres negras são preteridas em processos como entrevistas de emprego mesmo apresentando currículos melhores em relação às concorrentes brancas.

“Acho que a gente precisa começar a diferenciar sim (…) tratar os desiguais de maneira diferente para que a gente possa realmente tentar conseguir aí alguma igualdade. As cotas acho que são extremamente necessárias e importantes, não só dentro da política, mas dentro de todas as instituições brasileiras”, completa.

Participam da bancada de entrevistadores Adriana Ferreira Silva, jornalista e escritora; Rinaldo Gama, coordenador de conteúdo do Laboratório Arq. Futuro de Cidades do Insper e editor da BEI; Rosane Borges, jornalista e professora; Pedro Cesarino, antropólogo e escritor, professor do departamento de antropologia da FFLCH/USP e Paula Carvalho, editora do podcast 451MHz.

As ilustrações do programa são feitas pela artista e arte-educadora Nazura, de apenas 22 anos, que tem foco conceitual no pensamento decolonial e perspectiva afrofuturista.

Assista ao programa na íntegra:

+ sobre o tema

‘Ainda faltam papéis para a mulher negra’ , diz Ruth de Souza

Filmes da atriz estão em cartaz em mostra no...

Assim falou Luiza Bairros

Nascida em 1953, a gaúcha de Porto Alegre Luiza...

Mortes de mulheres negras aumentam 54% em dez anos

A violência contra as mulheres brancas diminuiu, mas contra...

“Queremos representatividade para além do comercial de xampu”

A blogueira Rosangela J. Silva é nossa primeira entrevistada...

para lembrar

Morre aos 83 anos a intelectual Rose Marie Muraro

Com um câncer na medula óssea, a escritora e...

Feministas manifestam expectativas com reeleição de Dilma Rousseff

Quando às 20h30 deste domingo (26) foi anunciada oficialmente...

Olha o Carnaval feminista aí, gente!

Minha carne é de Carnaval e meu coração é...

Feminismo pode começar na infância

Uma experiência como instrutora de guitarra no Girls Rock...
spot_imgspot_img

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...

Um samba de cor e de protesto

"Eu aprendi o português, a língua do opressor / Pra te provar que meu penar também é sua dor." Com versos tão cortantes quanto...

Conheça o livro ‘Um Defeito de Cor’, mais vendido online depois de enredo da Portela

Tema do enredo deste ano da Portela, o livro "Um Defeito de Cor", lançado em 2006 pela escritora mineira Ana Maria Gonçalves, alcançou, nas últimas...
-+=