Mulheres negras urbanas e quilombolas promovem encontro político na Chapada Diamantina

Enviado por / FonteBrasil de Fato

VII Encontro Internacional de Mulheres Negras Urbanas e Quilombolas será realizado em Rio de Contas (BA)

De 21 a 23 de julho acontece no Clube Riocontense, em Rio de Contas (BA), na Chapada Diamantina, o VII Encontro Internacional de Mulheres Negras Urbanas e Quilombolas (EIMNUQ), com o tema: “Mulheres Negras Urbanas e Quilombolas articulando o fortalecimento político”. Estão sendo esperadas 150 mulheres, além da participação virtual de mulheres de Cabo Verde, Angola e França.

A educadora e coordenadora do encontro Lígia Margarida Gomes destaca que essa é uma oportunidade de formação política para as mulheres negras, no atual cenário de desafios. “Reunir 150 mulheres negras urbanas e quilombolas no atual contexto, significa dar concretude à vontade que temos de superar coletivamente as dificuldades impostas pelo sistema social e político que insiste em nos excluir”, afirmou.

O objetivo dessa sétima edição é promover diálogos, discussões, rodas de conversas, palestras e propostas de ação para dar visibilidades às demandas sociais e políticas das mulheres negras, estimulando a incidência política delas nos espaços de poder e decisão, na busca por uma reparação histórica para a população negra, justiça e democracia inclusiva.

Para as organizadoras, a luta das mulheres negras urbanas e quilombolas perpassa as referências históricas, constituída por uma trajetória de enfrentamento e contraposição aos espaços de invisibilidade e opressão, num cenário de desigualdades de gênero e raça.

Nesta edição, aconteceram sete pré-encontros, de maio até o início de julho, em territórios urbanos e quilombolas dos municípios de Salvador, Rui Barbosa e Mirangaba. Esses eventos foram realizados para agregar e envolver as mulheres no processo de construção da programação e ampliar a representatividade. Nas atividades programadas, o foco é o enfrentamento ao racismo que estrutura a sociedade, na busca de uma maior incidência das mulheres negras urbanas e quilombolas na política partidária com o intuito de propor políticas públicas transformadoras.

Dentre as palestrantes estão a socióloga e ativista Vilma Reis; a pesquisadora e militante Janete Suzart; a jornalista e bailarina Christiane Gomes; e a líder quilombola e técnica em Enfermagem Cleonice Santos. A secretária estadual de Promoção da Igualdade Racial, Ângela Guimarães, também confirmou presença.

A Fundação Rosa Luxemburgo apoia o evento, que conta com a parceria do Centro Cultural Casa de Angola (CEPAFRO), Igreja Rosário dos Pretos e, diversas comunidades quilombolas, com coordenação da Sociedade Protetora dos Desvalidos (SPD), em conjunto com a Rota dos Quilombos e o Instituto Renascer Mulher.

+ sobre o tema

Lei que permite o aborto entra em vigor no Uruguai

As mulheres uruguaias e as estrangeiras com mais de...

De pecados e crimes

O noticiário sobre pedofilia, atingindo religiosos da Igreja Católica,...

Idosos LGBTQIA+ são tema de exposição no Rio de Janeiro

A trajetória de idosos da população LGBTQIA+ e a...

Ovodoação: Por que algumas mulheres recorrerem ao procedimento

A ovodoação consiste em fertilizar óvulos de mulheres com...

para lembrar

Mulheres usam redação do Enem para denunciar violência

Segundo Mercadante, o ministério já acionou o Ministério Público...

Um legislativo pela vida das mulheres no Brasil

A reivindicação pela saúde das mulheres não se restringe...

Mitos e preconceitos dificultam combate ao feminicídio

Apesar de avanços na legislação, assassinatos de mulheres continuam...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=