Os 216 anos da Revolução Haitiana, a maior revolta de negros em um país colonizado

Enviado por / FonteDA REDAÇÃO 4P

O primeiro dia de 2020 também foi o aniversário de 216 anos da Revolução Haitiana, cujo ápice se deu em 1º de janeiro de 1804, quando a colônia da América Central finalmente conquistou sua independência da França, produzindo a maior revolta bem-sucedida de escravizados no mundo colonial. Embora tenha custado muito a economia do novo país, continua sendo celebrada como marco da resistência negra no continente americano.

O Haiti começou a ser colonizado em 1492, com o nome de Ilha de São Domingos, e, logo no início desse processo de colonização, houve o massacre dos seus povos originários. Com a vinda dos africanos como escravos para o país, esses foram submetidos a muita violência, a exemplo do que aconteceu no Brasil, e assim como ocorreu aqui, os negros criaram comunidades de resistência no Haiti, os Maroons, que equivaliam aos quilombos brasileiros.

A história da revolução começa em 14 de agosto de 1791, quando o combatente Vicent Ogé convocou uma revolta durante uma cerimônia religiosa. Em poucos dias, mais de cem mil homens e mulheres escravizados e negros libertos se juntaram à revolta e tomaram a Província do Norte, sob a liderança de Toussaint Louverture. Os africanos derrotaram os donos de escravos e dezenas de milhares de soldados enviados pela França. Após algumas baixas em lideranças do movimento, em 1803 Jean Jacques Dessalines assumiu o papel de líder da revolução, levando o país à independência no primeiro dia de 1804. O nome Haiti, aliás, foi uma homenagem aos povos originários exterminados pelos colonizadores.

O Haiti foi o único país latino-americano a conquistar a independência com uma revolta feita por escravizados. Na época, a vitória dos negros repercutiu em todo o continente. Mas essa vitória custou caro ao país americano, que foi submetido a vários pagamentos e sanções da parte da França para que esta reconhecesse a independência da sua ex-colônia, o que prejudicou o desenvolvimento do Haiti, hoje o país mais pobre do continente.

Há um ano e meio o país vive revoltas populares por motivos econômicos e políticos, entre eles o escândalo de corrupção envolvendo a Petrocaribe, programa que vendia petróleo subsidiado da Venezuela para países da América Central e Caribe.

+ sobre o tema

Documentário e tributo aumentam febre por Nina Simone. Conheça produtos da diva

Sacerdotisa do soul, ícone do jazz, ativista da igualdade...

Padre e mãe de santo unem esforços para defender um antigo Ilê do estado

Na contramão das animosidades com adeptos de religiões de...

Câmara do Rio institui 24 de junho como Dia do Jongo

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou o...

para lembrar

Criolo prova sucesso com show lotado no Rec Beat

Por Carolina Santos Foram quase vinte anos de uma...

Políticas de combate ao racismo

Movimento negro em São João da Barra realiza atividades...

Serena Williams aceita pedido de casamento de fundador de rede social

A tenista Serena Williams está noiva. A americana anunciou...

Eto’o diz que quer encerrar a carreira no Anzhi

O atacante Samuel Eto'o, que recebe o maior salário...
spot_imgspot_img

Gilberto Gil é homenageado na Uerj por contribuições culturais ao país

Cantor, compositor, escritor, produtor musical, imortal da Academia Brasileira de Letras, ex-ministro da Cultura. Dono de vários talentos e posições, Gilberto Gil ganhou nesta...

Diaspóricas 2: filme revela mundo futurista a partir do olhar de mulheres negras

Recém-lançado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em Goiás, no último dia 13 de junho, o filme “Diaspóricas 2” traz o protagonismo negro feminino e brasileiro...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...
-+=