Os 216 anos da Revolução Haitiana, a maior revolta de negros em um país colonizado

Enviado por / FonteDA REDAÇÃO 4P

O primeiro dia de 2020 também foi o aniversário de 216 anos da Revolução Haitiana, cujo ápice se deu em 1º de janeiro de 1804, quando a colônia da América Central finalmente conquistou sua independência da França, produzindo a maior revolta bem-sucedida de escravizados no mundo colonial. Embora tenha custado muito a economia do novo país, continua sendo celebrada como marco da resistência negra no continente americano.

O Haiti começou a ser colonizado em 1492, com o nome de Ilha de São Domingos, e, logo no início desse processo de colonização, houve o massacre dos seus povos originários. Com a vinda dos africanos como escravos para o país, esses foram submetidos a muita violência, a exemplo do que aconteceu no Brasil, e assim como ocorreu aqui, os negros criaram comunidades de resistência no Haiti, os Maroons, que equivaliam aos quilombos brasileiros.

A história da revolução começa em 14 de agosto de 1791, quando o combatente Vicent Ogé convocou uma revolta durante uma cerimônia religiosa. Em poucos dias, mais de cem mil homens e mulheres escravizados e negros libertos se juntaram à revolta e tomaram a Província do Norte, sob a liderança de Toussaint Louverture. Os africanos derrotaram os donos de escravos e dezenas de milhares de soldados enviados pela França. Após algumas baixas em lideranças do movimento, em 1803 Jean Jacques Dessalines assumiu o papel de líder da revolução, levando o país à independência no primeiro dia de 1804. O nome Haiti, aliás, foi uma homenagem aos povos originários exterminados pelos colonizadores.

O Haiti foi o único país latino-americano a conquistar a independência com uma revolta feita por escravizados. Na época, a vitória dos negros repercutiu em todo o continente. Mas essa vitória custou caro ao país americano, que foi submetido a vários pagamentos e sanções da parte da França para que esta reconhecesse a independência da sua ex-colônia, o que prejudicou o desenvolvimento do Haiti, hoje o país mais pobre do continente.

Há um ano e meio o país vive revoltas populares por motivos econômicos e políticos, entre eles o escândalo de corrupção envolvendo a Petrocaribe, programa que vendia petróleo subsidiado da Venezuela para países da América Central e Caribe.

+ sobre o tema

A Origem e Consolidação do Racismo no Brasil

1- Constituição e Racionalização da Exploração Escravista na Antiguidade Mário...

A escravidão através dos olhos de uma parisiense em viagem pelo Brasil

Memórias, diários e relatos de viagens são fontes importantes...

Abolição no Parlamento, 1823/1888 – 65 anos de lutas

“Abolição no Parlamento, 1823/1888 – 65 anos de lutas”...

“Brasil: 12(6) anos de escravidão”

Diante do sucesso do filme de Steve McQueen, que...

para lembrar

O que é Gelede

A tradição Gèlède é originalmente uma forma de sociedade secreta...

Michelle Obama e Beyoncé: amigas e feministas?

As declarações públicas e as escolhas feitas por ambas...

Encontro reunirá líderes africanos em Fortaleza

Representantes de 30 países africanos estarão em Fortaleza, entre...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Carta às mães haitianas: o mundo vive um apartheid real

Prezadas mães haitianas, Nesta semana, tive calafrios quando li um informe da ONU mostrando com detalhes como suas filhas e filhos estão sendo queimados vivos,...
-+=