PARABÉNS CIDINHA DA SILVA – Livro ‘Um Exu em Nova York’ ganha prêmio Biblioteca Nacional 2019

Com o livro de contos “Um Exu em Nova York, a escritora mineira Cidinha da Silva venceu o Prêmio Biblioteca Nacional 2019. O resultado foi divulgado pela Fundação Biblioteca Nacional na noite de quinta-feira (10) e a autora que tem a obra publicada pela editora Pallas levou o segundo lugar na categoria contos.

Por Jéssica Balbino,  Do Margens 

Escritora Cidinha da Silva (Foto: Elaine Campos)

Chamado pela autora de livro dínamo, a obra passa por vários lugares e tempos, buscando construir mundos e conexões entre estes universos, sempre orientada pela perspectiva das africanidades através da diáspora. Com simbolismos, a autora passeia pelo cotidiano e expõe, sobretudo, questões ligadas a população negra e LGBTQIA+, além de desmistificar estereótipos pré-concebidos também acerca das religiões de matriz africana, oferecendo ao leitor novas perspectivas sobre a figura dos orixás, atravessando o mundo contemporâneo, seja no Brasil ou em Nova York.

Ao Margens, a escritora fala da importância do prêmio.

“Sou uma autora que considera os prêmios literários uma coisa importante, por isso me inscrevo e também solicito às editoras que o façam. Um prêmio é um referendo dos pares, um copo de água fresca depois de um dia exaustivo de trabalho. Estou bebendo minha aguinha e me refrescando pra ganhar fôlego continuar fazendo o caminho.”

Divulgação

sobre a autora

Cidinha da Silva é mineira de Belo Horizonte, formada em história, foi presidente do Geledés – Instituto da Mulher Negra e publicou as obras “Cada Tridente em seu lugar”, “Você me deixe, viu? Eu vou bater meu tambor”, “Sobre-viventes”,  “Oh margem! Reinventa os rios”, “Racismo no Brasil e afetos correlatos”, “Baú de miudezeas, sol e chuva”, “Parem de nos matar” e “Exú em Nova York”,  sendo que algumas delas foi pela editora Kuanza, do mesmo instituto que fundou e preside. Cidinha organizou também a coletânea Africanidades e relações raciais. É também autora dos infanto-juvenis “Os nove pentes d´África”, “Mar de Manu” e “Kuami”, além do de poesias “Canções de amor e dengo”.

Conheça o livro “Um Exu em Nova York”  

 

 

Leia Também:

“O Geração XXI é precursor do grande debate sobre as ações afirmativas” , diz Cidinha da Silva

 

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

A agenda das negras é tudo por Flávia Oliveira

Diante do passivo acumulado, resolver a demanda das mulheres...

O racismo não tem nada de belo

Se você ainda acredita que somos todos iguais em...

Sempre aos domingos: A roupa como uma tomada de posição

A jogadora de tênis Serena Williams é um gigante...

Conexões diaspóricas: mobilização da Marcha das Mulheres Negras no mundo

Mulheres negras de 21 países da América Latina, Caribe...
spot_imgspot_img

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...
-+=