Pedro Serrano: Ao manter os direitos políticos de Dilma, o Senado passou atestado de que houve golpe

Por 61 votos a 20, o Senado aprovou nesta quarta-feira (31/08) o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT).

Por Conceição Lemes Do Viomundo

Porém, por 42 votos a 36, manteve os seus direitos políticos.

Para que Dilma ficasse inelegível por oito anos, seria necessário que dois terços (54) dos senadores votassem pela inabilitação.

“Essa contradição é uma prova de que houve golpe e não decisão constitucional de impeachment”, afirma o jurista Pedro Serrano, professor de Direito Constitucional da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Serrano esmiuça a sua afirmação:

* No mínimo, o Senado reconhece que não há gravidade na conduta da presidenta.

* Isso significa, ao mesmo tempo, que não existe crime de responsabilidade.

* Acontece que para o impeachment, a Constituição exige a gravidade. A Constituição fala em atentado à Constituição, não fala em qualquer irregularidade.

* Logo, os senadores reconheceram implicitamente que não houve motivo constitucional para o impeachment.

* Se achassem que tinha havido conduta grave, eles teriam que aplicar o impedimento de oito anos.

* Essa contradição é um atestado de que houve golpe e não uma decisão constitucional de impeachment.

O PSDB e o agora empossado presidente Michel Temer (PMDB) pretendiam  recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) do mérito da decisão em relação aos oito anos, mas recuaram.

“Se recorressem, estariam reconhecendo que a Dilma pode recorrer da decisão do impeachment”, explica Serrano.

“Ou seja, estariam questionando a ideia de que o Senado decide definitivamente, sem revisão judicial do mérito”, frisa. “Ao fazerem isso, estariam abrindo a porta também para a presidenta fazer a mesma coisa.”

+ sobre o tema

Saiba o que muda no ensino médio com novo texto aprovado no Congresso

Após sucessivos ajustes, com idas e vindas entre as...

É mito pensar que todos os pobres são empreendedores, diz ganhadora do Nobel de Economia

Uma das mais respeitadas economistas do mundo quando o...

Brasileiras reunidas para enfrentar a extrema direita

Muito se diz que organização de base e ocupação...

para lembrar

Popularidade de Lula atinge nivel recorde, diz Datafolha

Da Folha de S. Paulo: A nove meses de deixar...

O Brasil negro e as tendências para 2013 por Athayde Motta

» ATHAYDE MOTTA Diretor do Fundo Baobá para...

Quem tem medo da sociedade civil?

Quem tem poder para escrever uma declaração universal de...

Entidades criticam Alckmin: É boicote à redução da conta de luz

A decisão do governo Alckmin de não aderir à...

Datafolha: Maioria acha que faltam vereadores negros e mulheres

O número de mulheres e negros nas Câmaras Municipais ainda é considerado insuficiente pela maioria dos eleitores de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, mostra pesquisa Datafolha feita nas...

5 dados que explicam por que arma de fogo virou crise de saúde pública nos EUA

A maioria dos americanos ou de seus familiares já viveram incidentes relacionados a violência armada. Este é um dos dados de um relatório inédito apresentado pela...

CONAQ: Nota de repúdio

CONAQ repudia matéria da revista Carta Capital intitulada “Quilombo paulista” por associar o modo de vida dos quilombolas a estereótipos negativos do povo negro A...
-+=