domingo, janeiro 16, 2022
InícioQuestões de GêneroPelo esporte e pela igualdade de gênero: Uma vitória leva à outra

Pelo esporte e pela igualdade de gênero: Uma vitória leva à outra

A ONU Mulheres, o Comitê Olímpico Internacional e a Always se uniram para celebrar um programa esportivo comunitário que visa o desenvolvimento de autoconfiança e de habilidades de liderança em meninas adolescentes, como parte do legado das Olimpíadas de 2016 no Rio

Do Onu Mulheres

Coincidindo com o início dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro, a ONU Mulheres, o Comitê Olímpico Internacional e a Always/Whisper celebram hoje a iniciativa “Uma vitória leva à outra”, um programa que empodera mulheres e meninas através do esporte.

No evento, Phumzile Mlambo-Ngcuka, Diretora Executiva da ONU Mulheres, Nawal El Moutawakel, ex-Vice-Presidente do Comitê Olímpico Internacional e Presidente da Comissão de Coordenação da XXXI Olimpíada, Rio 2016, e Juliana Azevedo, Vice-Presidente da Procter & Gamble (Always/Whisper), enfatizaram que o seu objetivo em comum é investir nas habilidades e no treinamento de meninas para apoiar uma geração de mulheres mais fortes, confiantes e empoderadas.

“ O poder do esporte nunca deve ser subestimado, pois pode transformar vidas, aumentando a confiança de meninas e jovens nas suas próprias habilidades, incentivando-as a tomarem as suas próprias iniciativas e a terem grandes expectativas”, defende a Diretora Executiva da ONU Mulheres Phumzile Mlambo-Ngcuka. “Uma menina que entende a sua própria força e capacidade de resistência no campo esportivo está equipada para transformar essas habilidades em uma capacidade de vencer os obstáculos que enfrenta fora de campo.”

A campeã olímpica e membro do Comitê Olímpico Internacional Nawal Moutawakel declara: “O Comitê Olímpico Internacional recebe com muito prazer a oportunidade de continuar a trabalhar com a ONU Mulheres para avançar ainda mais a pauta da igualdade de gênero, particularmente com o projeto “Uma vitória leva à outra”, já que este lida com a próxima geração de mulheres. Como mulher e atleta, entendo sobre o poder do esporte, pois testemunhei isso na minha própria vida. O esporte tocou a minha vida de uma forma que a mudou totalmente. Deu-me força e autoconfiança para vencer os obstáculos que tive que enfrentar”.

IMG_1652Diretora da ONU Mulheres apresenta meninas que praticam esporte nas vilas olimpicas do Rio de Janeiro Foto: ONU Mulheres/Luis Isava

Duas vezes por semana, o “Uma vitória leva à outra” oferece a oportunidade de mulheres adolescentes que vivem em contextos sociavelmente vulneráveis acessarem uma das 16 Vilas Olímpicas participantes para praticar esportes e participar de workshops que usam o esporte como uma ferramenta para reduzir as desigualdades de gênero, e para construir e preservar a autoconfiança entre meninas. Sob a gestão da prefeitura do Rio de Janeiro, as Vilas Olímpicas oferecerão um lugar seguro onde as meninas poderão obter habilidades econômicas e de liderança, maiores conhecimentos sobre a sua própria saúde e corpo e a conscientização sobre a prevenção da violência e serviços disponíveis. Esse treinamento ajudará a melhorar a sua capacidade de influenciar decisões que impactam as suas vidas em todos os níveis.

Hoje, a Always anunciou que irá se juntar à parceria “Uma vitória leva à outra” para apoiar a formação dos treinadores que atuam como multiplicadores do programa, de acordo com a missão da marca de reverter a falta de autoconfiança que as meninas vivenciam durante a puberdade. O movimento #LikeAGirl (Como uma menina) da Always já alcançou importantes mudanças sociais, alterando o significado da expressão “como uma menina”. Mas a empresa não pretende parar por aí. O esporte ajuda as meninas a construírem e a preservarem a sua autoconfiança, e é por isso que a Always está tão comprometida em
“Como uma marca que vem promovendo a autoconfiança em meninas nos últimos 30 anos, a Always não pode aceitar que metade das meninas que fazem esportes desistam quando alcançam a puberdade, limitando a realização do seu potencial máximo”, explica Juliana Azevedo, Vice-Presidente Global da Always/Whisper (P&G). “Estou muito feliz e orgulhosa que a Always está unindo forças com a ONU Mulheres e com o Comitê Olímpico Internacional para incentivar as meninas a continuarem a jogar como meninas (#LikeAGirl) e ajudá-las a construírem e a preservarem a sua autoconfiança nessa fase tão importante da vida.”

Em 25 países e com a participação de 217 mil meninas e mulheres jovens, o currículo da iniciativa “Uma vitória leva à outra”, desenvolvido pela parceira da ONU Mulheres, a Women Win (Mulheres Vencem), e adaptado para o programa do Legado Olímpico no Brasil, vem melhorando significativamente a autoconfiança das meninas e o seu entendimento sobre saúde e direitos sexuais, finanças e empoderamento econômico:
• 89% das meninas dizem que se sentem líderes, em comparação a 46% antes do programa
• 93% delas sabem o que fazer para denunciar casos de violência
• Quase 80% das meninas têm um maior entendimento sobre a sua saúde e diretos sexuais e reprodutivos e como prevenir gravidezes precoces e infeções sexualmente transmissíveis.

beharA ex-jogadora de volêi de praia, do Comitê Olímpico do Brasil, é uma das apoiadoras locais do programa Uma Vitória Leva à Outra Foto: ONU Mulheres/Isabel Clavelin

Até 2017, o programa “Uma vitória leva à outra” irá alcançar 2500 meninas, de 10 a 18 anos de idade, e 300 mães adolescentes que não frequentam a escola no Rio de Janeiro, para posteriormente ser disseminado pelo Brasil e toda a América Latina.

Kaillana de Oliveira Donato, Marcelly Vitória de Mendonça e Adrielle Alexandre da Silva, beneficiárias da iniciativa, representaram as mais de 400 participantes inscritas, compartilhando as suas experiências como participantes do programa no Brasil.

Adrielle Alexandre da Silva (12 anos) dividiu o seu sonho de se tornar uma atleta profissional ou professora de ginástica rítmica. Ela descreveu os sacrifícios que teve que fazer para continuar a praticar esportes e revelou aquilo que ela acha ser a lição mais importante do programa: “eu aprendi que ser uma campeã tem a ver com fazer com que os meus sonhos sejam realizados, ajudar as pessoas e ajudar a transformar a minha comunidade”, disse Adrielle. “Quando carreguei a Tocha Olímpica, não estava apenas sonhando em me tornar uma ginasta olímpica, mas também em transformar a minha comunidade em um lugar sem violência”, acrescentou.

Kaillana, Marcelly e Adrielle, que agora são adolescentes, fazem parte da geração-alvo dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Esse conjunto de objetivos, adotados por todos os Estados-Membros da ONU para pôr fim à pobreza, proteger o planeta e garantir prosperidade para todos até 2030, não será alcançado sem a conquista da igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres. O programa “Uma vitória leva à outra” contribui para gerar agentes de mudança que irão liderar a realização dessa pauta de desenvolvimento nas suas comunidades e sociedades.

RELATED ARTICLES