PM discrimina ao abordar

Qualquer cidadão do sexo masculino, negro, com aparência de pobre e tatuagens à vista é potencialmente abordável

Por Rodivaldo Ribeiro, do Diário Cuiabá

A Polícia Militar aborda de maneira mais dura e direciona seus procedimentos baseada em arquétipos preconceituosos relacionados à cor da pele, aparência física e de vestuário, segundo conclusão da pesquisa “Práticas de abordagens operacionais no contexto das relações étnico-raciais: desafios para a formação do policial militar”, defendida como dissertação de mestrado em Educação na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em abril deste ano pelo também policial militar Jamil Amorim de Queiroz.

O argumento legal é o de evitar que crimes ocorram e para isso adota-se o chamado policiamento ostensivo em praças e logradouros públicos, além do monitoramento — muitas vezes nem tão à distância assim — em manifestações e eventos com grande contingente humano. É quando são realizadas as tais “abordagens de pessoas suspeitas”.

É aí também que entra em cena o preconceito racial e social. Pois, ao encontro da principal queixa dos moradores mais jovens das periferias da cidade, está a dissertação do mestre PM Jamil de Queiróz, com a afirmação textual: condição social, cor da pele e sinais físicos como tatuagem são fatores que influenciam, sim, na abordagem dos cidadãos.

“Não sei nada de pesquisa nenhuma, não, mas se perguntar para qualquer um aqui é mais difícil achar quem nunca levou um bacu [abreviação de baculejo, termo jocoso pra abordagem] violento, do que quem já. E nunca é gostoso”, expressa José Manoel, 41, o Neneco, morador do bairro Santa Isabel. Para ele, o que o pedagogo-PM concluiu “não é novidade”.

O trabalho, aliás, foi direcionado em linha de pesquisa dos Movimentos Sociais, Política e Educação Popular, parte do Instituto de Educação da UFMT.

Para coletar os dados, Jamil fez entrevistas com policiais e pessoas abordadas. Nas quantificações, a construção do perfil perigoso sob a ótica do preconceito — homem, classe popular, pele escura. Se tiver tatuagem, pode encostar a mão na parede, abrir bem as pernas e não olhar para trás. Nas chamadas aproximações repressivas, de novo, são abordados indivíduos pobres, em locais públicos das periferias. A polícia apenas reflete o restante da sociedade, diz o pesquisador, ao marginalizar os mais pobres e de cor.

Para Jamil, policiais não só agem de forma mais rigorosa nas abordagens dessas pessoas, como por vezes lançam mão de violência. “Percebe-se que as escolhas policiais ocorreram pela subjetividade dos profissionais, acreditando que sua presença é obrigatória para manter a ordem”, afirma. Como a abordagem policial é um procedimento legal, serve para encobrir abusos, pois ninguém tem muita vontade de denunciar policiais para outros policiais. E os motivos são óbvios.

“Que? Fazer B.O. contra abordagem? Você já viu quem vai te ouvir na delegacia, mano? É outro fardado. E outra, você pode muito bem encontrar o mesmo cara que te esculachou na rua e ver o tapa cantar lá mesmo. Estou fora, pancada a gente esquece, tiro é mais difícil”, ironizou Neneco.

O caminho para amenizar o problema, aponta o pesquisador Jamil Queiroz, é discutir abertamente o tema e melhorar a preparação dos policiais. Relações étnico-raciais e diálogos com as minorias devem ser parte desse processo de preparação dos policiais. E isso é urgente, pois o Brasil tem sabidamente uma das polícias que mais matam no mundo.

Leia Também:

O menino que filmou sua própria morte e desmontou uma farsa da PM do Rio

 

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Dois anos após morte de Claudia, arrastada por viatura, PMs não foram julgados

Nesta quarta-feira, passados exatamente dois anos da morte de...

Mapa da violência 2010 – Anatomia de Homicídios no Brasil

Criada no início do processo preparatório da III...

Mapa da Violência 2012

OS NOVOS PADRÕES DA VIOLÊNCIA HOMICIDA NO BRASIL O estudo...

Jovem desaparece após ser levado por supostos policias em SP

A família de Tiago do Amaral Silva  garoto estava do...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...
-+=