Polícia interna afro-americana por não acreditar que tinha um BMW

Uma mulher negra foi mantida contra sua vontade em um hospital psiquiátrico por oito dias porque um policial não acreditou que um carro de luxo dirigido por ela era de sua propriedade.

Kamilah Brock, banqueira de 32 anos de idade, que processou a cidade de Nova York, EUA, no início deste ano por danos não especificados, afirmou que seus direitos constitucionais foram violados e que foi vítima de racismo.

Após ser abordada por um policial em um semáforo no bairro de Harlem, o oficial, que não foi identificado, a questionou por suas mãos não estarem ao volante.

Kamilah justificou dizendo que era porque estava vibrando com uma música e que não entendia isso como um problema, já que o sinal estava vermelho.

O oficial pediu que ela saísse do veículo e a mulher foi levada a uma delegacia onde permaneceu por horas, mas sem ser acusada de qualquer crime.

Kamilah Brock5 Kamilah Brock3 Kamilah Brock2

 

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Tottenham-Lazio: cânticos racistas com Platini na bancada

André Villas-Boas não ouviu, mas lembra que a UEFA...

Racismo institucional e ensino da cultura africana são debatidos entre governo e movimento negro

 A presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta sexta-feira (19),...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=