quarta-feira, julho 8, 2020

    Sueli Carneiro

    Foto: Marcus Steinmayer

    Foi bonita a festa

    Foi bonita a festa. Quando ela subiu ao palco, gingando, alguém poderia dizer que ia ali uma porta-bandeira experiente, protegendo o pavilhão da escola e oferecendo-o aos admiradores para a reverência do beijo.   Por Cidinha da Silva  Enviado para o Portal Geledés Outra pessoa poderia enxergar uma senhora da ala das baianas, forte, segura, carregando aquela fantasia pesada e evoluindo na avenida como se o peso do mundo fizesse parte daquele corpo negro. Como se carregá-lo fosse o princípio involuntário da reinvenção. Eu, quando a observei, vi uma habilidosa dançarina de samba-rock rodopiando já na subida dos degraus e nos deixando embevecidas pela elegância, fluidez e determinação de cada passo. Depois do silêncio templário feito para escutar a Davi Kopenawa, o Auditório Ibirapuera fez um silêncio entrecortado por ondas elétricas para ouvir a Sueli Carneiro. Era a tensão de não saber o que seria dito pela lâmina da espada....

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Movimento Negro no Brasil: novos e velhos desafios, por Sueli Carneiro

    Ao longo dos últimos 25 anos, são muitas e ricas as ações de combate ao racismo que vimos desenvolvendo. Construímos excelência em alguns campos que tem resultado em avanços reais da questão racial. Como nos alerta Maria Aparecida da Silva, a educação é uma das áreas em que figura o maior número de experiências concretas e produção teórica no escopo de trabalhos implementados pelo Movimento Negro contemporâneo. Desde os primeiros anos da década de 80, dois aspectos vêm sendo abordados com ênfase, o livro didático e o currículo escolar. No que tange ao livro didático, denunciou-se a sedimentação de papéis sociais subalternos protagonizados por personagens negros e a reificação de estereótipos racistas. Apontou-se em que medida essas práticas afetam a formação de crianças e adolescentes negros e brancos, destruindo a auto-estima do primeiro grupo e, no segundo, cristalizando imagens negativas e inferiorizadas da pessoa negra, em ambos, empobrecendo o relacionamento humano e limitando as possibilidades exploratórias da diversidade racial, étnica e cultural. No...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    A Invenção de Zumbi – por Sueli Carneiro

    Bendito vidro moído nos bofes do Senhor bendita a lança, as balas de Zumbi, do Haiti (Sou duro de Oliveira da Silveira)   por Sueli Carneiro - Portal Geledés Sou de uma geração de crianças negras que cresceu ouvindo dizer que Zumbi era um fantasma sem beira nem eira, doido perambulando pelas encruzilhadas assombrando como alma penada. O nome de Zumbi sempre foi identificado, associado como negro à imagem do diabo, do pecado. Ao contrário da representação imagética ''dócil'' de Negrinho do Pastoreio ou mágico do mito mutilado (sem uma perna) Saci Pererê. O Aurelião já registra o Zumbi, chefe do Quilombo dos Palmares, assim como acrescenta ao verbete a idéia ''de fantasma segundo a crença afro- brasileira, vaga pela noite morta''. O significado negativo se institucionalizou não apenas graças aos dicionários, mas, principalmente, aos instrumentos educativos e meios de comunicação. O militante do Movimento Negro que tiver a oportunidade...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Marina – por Sueli Carneiro

    Racismo e homofobia não são  equívocos. São crimes de lesa humanidade! Produzem violência, discriminação e exclusão. Tratá-los como equívocos significa minimizá-los, descriminalizá- los.  Torná-los, portanto, meros delitos de pequeno potencial ofensivo resultando, consequentemente na "redução" da culpa ou da pena do réu. O argumento capcioso de Marina da Silva de que Feliciano estaria sendo mais atacado por ser "evangelico e não por suas posições politicas equivocadas" é uma operação ilusionista que tem por efeito inverter as posições de vitima e algoz. É querer nos fazer esquecer "quem atirou a primeira pedra", usando o nome de Deus em vão! É querer nos fazer esquecer as inúmeras lideranças  evangélicas que repudiaram publicamente as declarações nefastas proferidas por Feliciano perfeitamente conscientes de que pessoas como ele conspurcam a imagem da  religião que professam e os seus valores cristãos. Passando ao largo de tudo isso, na "lógica" de Marina Silva, Feliciano tornou-se vitima de...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Sueli Carneiro

    Sueli Carneiro é doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) e fundadora do Geledés – Instituto da Mulher Negra – primeira organização negra e feminista independente de São Paulo. Teórica da questão da mulher negra criou o único programa brasileiro de orientação na área de saúde física e mental específico para mulheres negras, onde mais de trinta mulheres são atendidas semanalmente por psicólogos e assistentes sociais. Em 1988 foi convidada a integrar o Conselho Nacional da Condição Feminina, em Brasília. Após denúncias de um grupo de cantores de rap da cidade de São Paulo, que queriam proteção porque eram vítimas frequentes de agressão policial. Ela decidiu criar em 1992 um plano específico para a juventude negra, o Projeto Rappers, onde os jovens são agentes de denúncia e também multiplicadores da consciência de cidadania dos demais jovens. A filósofa também é autora da obra Racismo, sexismo e desigualdade no...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Sueli Carneiro: Regards croisés de femmes en lutte, Chemins vers un féminisme sans frontières

    Rencontre internationale de femmes Les 16, 17, 18 Novembre 2012 à Paris Des femmes luttent partout dans le monde. Elles luttent pour le droit d'exister dans leur humanité, leur dignité et leurs droits. Pourtant leur engagement et leur détermination ne sont pas jugés à la même aune selon leur appartenance religieuse, culturelle, politique ou sociale. Certaines femmes sont enfermées dans une lecture conservatrice des traditions religieuses et leur engagement disqualifié, d'autres sont posées comme garantes des valeurs universelles Cette guerre idéologique entrave le dialogue entre féministes, nuit à la convergence entre les luttes des femmes, voire divise le mouvement féministe en profondeur, l'affaiblit dangereusement alors que les droits, paroles et libertés de la moitié de l'humanité sont malmenés et appellent à des mobilisations communes. La problématique religieuse, en particulier, et la revendication d'une réflexion indépendante par les femmes sur leur spiritualité traversent comme autant de fractures les champs militants. Reprendre...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    ‘A sociedade precisa reconstruir o imaginário social da mulher negra’, diz Sueli Carneiro

    Conselheira de Notório Saber do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), recém-empossada pela ministra Eleonora Menicucci, feminista negra fez contribuições importantes para implementação do capítulo 9 "Enfrentamento ao Racismo, Sexismo e Lesbofobia" do II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres A Oficina de Consulta sobre Ações Integradas para Mulheres Negras que se iniciou na quinta-feira (13/09), em Brasília, teve exposição de Sueli Carneiro, feminista negra, filósofa e conselheira de Notório Saber do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), empossada na semana passada pela ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR). A ativista social participa do encontro também pelas contribuições feitas a grupo de trabalho da SPM para definir ações para a implementação do capítulo 9 "Enfrentamento ao Racismo, Sexismo e Lesbofobia" do II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, da SPM. Pela manhã, a oficina foi aberta pela...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Ministra Eleonora empossa Sueli Carneiro como conselheira de notório saber do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher

    No ato de abertura do primeiro dia de reunião do CNDM, ministra dá posse também a conselheiras da sociedade civil e do governo federal. Eleonora Menicucci fala da previsão de aumento de recursos para a SPM e faz balanço dos seis meses de sua gestão. "Você fortalece e engrandece o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. Para nós é um orgulho ter você como membro do CNDM pela sua militância e pela sua trajetória como pesquisadora", disse a ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), na abertura da 10ª reunião do CNDM, realizada na manhã desta terça-feira (04/09), em Brasília. Ela empossou a feminista negra Sueli Carneiro como conselheira de notório conhecimento, modalidade também ocupada pelas conselheiras Bethânia Ávila e Jacqueline Pitanguy. Durante o ato foram empossadas as conselheiras substitutas, representantes do governo federal: Deise Benedito e Laissa Ferreira, titular e suplente...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Durban não terminou – Sueli Carneiro

    O que Durban reessalta e advoga é a necessidade de uma intervenção decisiva nas condições de vida das populações historicamente discriminadas. A opinião é de Sueli Carneiro, uma das delegadas brasileiras na conferência anti-racismo realizada na África do Sul Por Sueli Carneiro Poderíamos sem exagero falar na "batalha de Durban". Nela aflorou em toda a sua extensão o problema étnico/racial no plano internacional, levando à quase impossibilidade de alcançar consenso mínimo entre as nações para enfrentá-lo. O que pareceria retórica de ativista anti-racista se manifestou em Durban como de fato é: as questões étnicas, raciais, culturais e religiosas, e todos os problemas nos quais elas se desdobram (racismo, discriminação racial, xenofobia, exclusão e marginalização social de grandes contingentes humanos considerados "diferentes") têm a potencialidade de polarizar o mundo contemporâneo. De opor Norte e Sul, Ocidente e não-Ocidente, brancos e não-brancos além de serem responsáveis, em grande medida, pelas contradições internas...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Autonomia das mulheres e desenvolvimento sustentável, por Sueli Carneiro

    A ministra do meio ambiente Isabella Teixeira disse no Forum Humanidade que essa Conferencia Rio+ 20 consiste numa Conferencia de "partida" no sentido da criação de pactos e acordos para a ação. Disse ainda a ministra que igualdade é a palavra do momento como questão de Estado. Portanto é tempo de desafiar pactos e acordos em vigor nos quais se fundam a insustentabilidade humana e do planeta. por Sueli Carneiro No que diz respeito as relações de gênero volto a Carole Patmann para quem há um Contrato Sexual em vigor no mundo cujo desvelamento manifesta o acordo oculto e injusto dos homens sobre o qual na verdade se baseia o contrato social ostensivamente neutro em termos de gênero. Um Contrato Sexual suportado por um acordo oculto que realiza na prática social a hegemonia masculina no mundo. Dele deriva a escassa ou falta de autonomia das mulheres, as desigualdades que elas...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Gênero e Raça em debate na #ArenaRio20, por Sueli Carneiro

    As mulheres estiveram no centro dos debates da Arena Encontros Globais nesta quarta-feira. Para os debatedores, a pobreza tem cor e sexo e buscar equidade significa considerar as dimensões étnico-raciais e de gênero nas políticas públicas de inclusão social. "Uma série de países se associaram para deixar fora do documento trechos sobre igualdade de gênero. O Brasil e outros países defenderam veementemente os os direitos reprodutivos". Sônia Malheiros, representante da Secretaria de Políticas Públicas para as Mullheres. A filósofa da educação, feminista e uma das criadoras do Geledés, Sueli Carneiro fez críticas contundentes ao persistente racismo institucional que vitimiza jovens negros criando déficit censitário deste grupo na faixa dos 15 aos 24 anos; ao racismo que atinge todas as dimensões da vida das mulheres negras, que viola direitos humanos e territoriais: "Comunidades tradicionais, como indígenas e quilombolas, não podem permanecer sendo tratados como obstáculos ao desenvolvimento", pois "a...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa! por Sueli Carneiro

    Caros blogueiros progressistas, nas eleições de 1996 para a prefeitura de São Paulo, a então candidata de nosso coração Luiza Erundina em discurso inflamado,  bradou que Celso Pitta era um negro de alma branca e que ela era a verdadeira representante do movimento negro. Posto que as bandeiras que ela representava eram as que contemplavam as necessidades e interesses dos negros de São Paulo. Essa velha militante negra que vos fala, veio a público para contestar a então candidata lembrando-a de que uma das dimensões do racismo é negar a plena humanidade das pessoas e por plena humanidade entendemos a possibilidade de sermos, brancos e negros, do bem, ou do mal. Assim são os seres humanos. por Sueli Carneiro Existiam, na época, razões políticas de sobra para criticar a candidatura de Celso Pitta, a única imprópria era tratá-lo de “negro de alma branca” por pertencer ao campo ideológico adversário e...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Sueli Carneiro: Nonno Paolo – um caso emblemático

    Há coisas essenciais sobre o racismo no episódio ocorrido no restaurante Nonno Paolo com um menino negro. Eu não estava lá, mas pela reação de indignação da mãe da criança e seus amigos é lícito supor que a criança em questão, seja amada e bem cuidada, portanto, não estava suja e maltrapilha como costumam estar as crianças de rua que encontramos cotidianamente na cidade de São Paulo. Então, a "confusão" de quem a tomou, em princípio, por mais uma criança pedinte se deveu ao único traço com o qual a define a mentalidade racista: a sua negritude. Presumivelmente, o menino negro era o único "ponto escuro" entre os clientes do restaurante e para esse "ponto escuro" há lugares socialmente predeterminados dos quais restaurantes de áreas consideradas "nobres" da cidade de São Paulo estão excluídos. Para o racista a negritude chega sempre na frente dos signos de prestígio social. Por isso...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Diálogos – Liberdade de expressão e diversidade de gênero – Sueli Carneiro

    A série Diálogos sobre Liberdade de Expressão e Diversidades tem o objetivo de promover o aprofundamento do debate sobre esses temas, a partir das perspectivas de gênero, raça/etnia e orientação sexual, a fim de contribuir para uma concepção de direito à comunicação que inclua a diversidade como princípio fundamental. Realização: Instituto Patrícia Galvão - Mídia e Direitos Parceria: Agência de Notícias dos Direitos da Infância (ANDI), Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (CLAM), Fundação Carlos Chagas e Geledés - Instituto da Mulher Negra Apoio: Secretaria de Políticas para as Mulheres e Fundação Ford   Veja também: Plano de aula: Os estereótipos na figura da mulher africana Sueli Carneiro Doutora em Psicologia da Educação pela Universidade de São Paulo e coordenadora do Geledés -- Instituto da Mulher Negra. É vice-presidente do Fundo Brasil de Direitos Humanos Fonte: Agência Patricia Galvão

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Dre Sueli Carneiro : “Le racisme produit une fausse conscience de supériorité “

    La société brésilienne doit abandonner l'hypocrisie, assumer qu'elle est exrêmement raciste Par Maria Cláudia Santos, VoaNewsVOA - La société brésilienne doit abandonner l'hypocrisie, assumer qu'elle est extrêmement raciste et, partant de cette reconnaissance, prendre le problème à bras le corps. Telle est l'opinion de la Docteure et Philosophe, Sueli Carneiro, qui vient de lancer le livre Racismo, Sexismo e ades no Brasil. En entrevue avec VOA, la fondatrice de Geledés Institut de la Femme Noire affirme que la société brésilienne cache derrière un discours de métissage une réalité de discrimination et d'exclusion des noirs. Selon l'écrivaine, ce comportement historique a eu pour conséquence le fait que les afrobrésiliens ont les pires indices de qualité de vie comparés aux afrodescendants des pays ayant connu des histoires semblables à celles du Brésil. L'auteure explique que la discrimination et l'intolérance au Brésil résultent d'une posture de négation historique. "La société brésilienne a toujours préféré imaginer que...

    Leia mais
    blank

    12/05 – Sueli Carneiro e Cuti autografam seus livros na Livraria Martins Fontes

    A Selo Negro Edições e a Livraria Martins Fontes promovem no dia 12 de maio, quinta-feira, das 19h às 21h30, a noite de autógrafos dos livros Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil (coleção Consciência em Debate), da ativista e feminista negra Sueli Carneiro, e Lima Barreto (coleção Retratos do Brasil Negro), do escritor e pesquisador Cuti. As coleções, coordenadas por Vera Lúcia Benedito, pesquisadora dos movimentos sociais e da diáspora africana no Brasil e no mundo, têm como objetivo debater temas prementes da sociedade brasileira e abordar a vida e a obra de figuras fundamentais da cultura, da política e da militância negra. A livraria fica na Av. Paulista, 509 – São Paulo (próximo à estação Brigadeiro do metrô). O livro Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil, sexto volume da Coleção Consciência em Debate, reúne, pela primeira vez, os melhores artigos publicados na imprensa brasileira por Sueli Carneiro, entre 2001...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist