quarta-feira, setembro 16, 2020

    Tag: Capoeira

    Joaquin Corbalan/Adobe

    Tocar tambor é um ato de resistência!

    No Brasil antes da invasão, já se ouvia os maracás, os sons percutidos nos troncos de madeira, as buzinas, os pés batendo forte no chão ritmando os torés dos índios, os verdadeiros donos dessa terra!  Após a invasão, ouvia-se os bumbos, as caixas de guerra, as zabumbas, os adufes, todos instrumentos de origem egípcia ou árabe que foram incorporados a Europa por conveniência.  Daí então desembarca o som do lamento, da dor, da saudade, da esperança e da alegria, pois chegam as terras brasileiras os africanos e seus tambores.  Sabemos que os escravizados não podiam trazer seus instrumentos. Mas incrivelmente eles os recriaram, transformaram, deram forma, pois sabiam que através de sua cultura haveria uma grande oportunidade de manterem vivas suas tradições, de perpetuar e cultuar suas divindades e acima de tudo, seria uma forma libertação.    Nunca foi fácil tocar os tambores, em todos os períodos da historia do Brasil ...

    Leia mais
    blank

    Google celebra 119º aniversário do Mestre Bimba

    O Google está celebrando o 119º aniversário do Mestre Bimba com um logotipo animado em sua página inicial. Por  Renê Fraga, do Google Discovery Reprodução/ Google Doodle “O Doodle de hoje celebra Manuel dos Reis Machado, ou Mestre Bimba, o mestre que legitimou a capoeira e fundou a primeira escola do mundo para promover este estilo de artes marciais afro-brasileiras”, diz a empresa. Mestre Bimba Mestre Bimba nasceu em Salvador, Bahia, neste dia em 1899, o mais jovem de 25 filhos e filho de um batuque campeão, outro jogo de luta brasileiro. Seus pais o chamavam de Manuel dos Reis Machado, mas todos o chamavam de Bimba. Ele trabalhou em vários locais – estivador, carpinteiro e minerador de carvão – antes de dedicar sua vida à sua verdadeira paixão pela capoeira. Desenvolvida por ex-escravos, a Capoeira foi proibida pelo governo brasileiro por muitos anos. “Naquela época, quando se falava em capoeira, era ...

    Leia mais
    blank

    Sobre capoeira gospel, bolinho de Jesus e afins

    Tornar a cultura negra palatável é uma estratégia do racismo. O debate sobre apropriação indevida é sério e necessário Imagem retirada do site Carta Capital Por Pai Rodney Do Carta Capital “Lá vem esses pretos intransigentes dizer que branco não pode usar turbante”. Pode, sim. Aliás, deve. O que não pode é esvaziá-lo de significado. No candomblé, estamos acostumados a ver brancos de turbantes, comendo acarajé e dançando com seus orixás. Fazer parte de uma religião negra denota, no entanto, assumir valores culturais ou aceitar uma identidade que difere em muitos aspectos daquilo que pregam a fé cristã e o conjunto de princípios ocidentais. Numa sociedade de consumo, tudo é produto e, ao que parece, há muito tempo se usa uma estratégia para tornar a cultura afro-brasileira palatável: apagar os traços negros, a origem ou qualquer outro elemento passível de rejeição, sobretudo aqueles que de alguma forma remetem ...

    Leia mais
    blank

    ‘Capoeira gospel’ cresce e gera tensão entre evangélicos e movimento negro

    Estavam presentes o berimbau, o atabaque, a ginga e os saltos mortais. Quase tudo fazia lembrar um jogo de capoeira típico, mas, em vez dos cânticos que enaltecem os orixás ou trazem referências à cultura negra, os versos faziam louvor a Jesus Cristo e a roda era alternada com momentos de pregação e oração. Por Mariana Schreiber Do BBC "Não deixa seu barco virar, não deixa a maré te levar, acredite no Senhor, só ele é quem pode salvar", cantavam as cerca de 200 pessoas, reunidas na quadra de uma escola para o "1º Encontro Cristão de Capoeira do Gama" (cidade satélite de Brasília), numa tarde de sábado. Era mais um evento de capoeira evangélica, também chamada de capoeira gospel, vertente que ganha cada vez mais adeptos no Brasil, principalmente por meio da palavra e do gingado de antigos mestres que se converteram à religião. Se antes a prática enfrentava resistência ...

    Leia mais
    (Foto: RYAN PIERSE / GETTY IMAGES)

    REPORTAGEM: Ex-menino soldado trocou armas pela capoeira na RD Congo

    "A capoeira me faz esquecer do que passei no grupo armado", disse o adolescente de 16 anos, um ex-menino soldado de uma pequena vila em Bashali ao norte na província de Kivu do Norte, área conflagrada por grupos armados. Há três meses, desde que chegou ao centro de transição para ex-meninos soldado na cidade de Goma, F. R. aprendeu a praticar a arte marcial de origem afro-brasileira. Desde então, esta é uma das atividades em que o rapaz é mais assíduo. As aulas de capoeira acontecem duas vezes por semana no centro de ação para crianças desfavorecidas (CAJED, por sua sigla em francês), no subúrbio de Goma. Em 2014, a capoeira foi reconhecida pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) como Património Cultural Imaterial da Humanidade. A partir deste mesmo ano, esta manifestação cultural brasileira de descendentes de africanos escravizados no período colonial ...

    Leia mais
    blank

    Fim de Semana em Família apresenta oficina de música sobre ritmos africanos e espetáculo com capoeira

    As atividades são ministradas pelo Coletivo Quizumba e trazem a história de Zumbi dos Palmares na peça teatral; como já é tradição, também ficam à disposição do público a Feirinha de Troca e o Cantinho da Leitura Enviado par o Portal Geledés  Capoeira, ritmos africanos e espetáculo de teatro dão o tom na programação do Fim de Semana em Família dos dias 19 e 20 de agosto (sábado e domingo), com o Coletivo Quizumba. Às 14h, acontece a oficina sobre música, que aborda aspectos da musicalidade afro-brasileira e suas possibilidades expressivas na arte teatral. Mais tarde, às 16h, o público pode se divertir e aprender com o espetáculo Quizumba!, que traz uma história de resistência e luta, encenado em uma roda de capoeira, misturando jogo, dança e teatro. As atividades têm interpretação em Libras. Como forma de incentivo à leitura, a partir das 11h30 pais e crianças podem conferir a Feirinha de Troca e o Cantinho da Leitura. Na oficina Musicalidade em ...

    Leia mais
    blank

    Besouro a Lenda da Capoeira

    Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa o homem apelidado de besouro mangangá, realmente existiu.  Infelizmente muito pouco se sabe sobre essa figura envolta em lendas e mistérios que permanecem desde seu nascimento até a sua morte e que os mais velhos ainda lembram em suas histórias. no Capoeira Exporte Nascido em 1897 em Santo Amaro da Purificação, na Bahia, filho dos ex-escravos João Grosso e Maria Aifa, Manuel Henrique Pereira (seu nome de batismo), teve toda sua vida permeada por muito misticismo. Não se sabe quando, mas iniciou seus primeiros passos na capoeira com Mestre Alípio, também ex-escravo, mais precisamente na Rua do Trapiche de Baixo. Diziam que besouro era um negro alto e muito forte e na capoeira possuía uma agilidade sem igual. O que provavelmente fez com que recebesse o apelido de ”besouro”, ou “besouro mangangá"  (gênero de besouro venenoso).   Outros dizem que seu apelido ...

    Leia mais
    Shutterstock

    A subjetividade da capoeira

    O projeto capoeira para os bairros e na escola, com a parceria do Grupo Zoeira Nago e a Prefeitura Municipal de Matinhos completam quatro anos de atuação. E como eu uma aluna graduada na corda cinza de iniciação de capoeira e etnógrafa de interesse descrevo essa experiência. Por Francielle Costacurta para o Portal Geledés  Foto: Shutterstock A capoeira na escola voltada para a comunidade, é um recurso pedagógico para a transferir conhecimento sobre a pratica da capoeira, enquanto a cultura da arte como dança e a musicalização; difunde o esporte enquanto elemento de coordenação motora e interação com o espaço e a socialização com a historia da capoeira que cruza com a historia politico econômica do Brasil (com todas as opressões e enfrentamentos da população preta); as regras que respeitam a hierarquia de mestres, o espaço auditivo das canções da ladainha e do corrido. É nesse espaço ...

    Leia mais
    blank

    ‘Reza de Mãe’ para que a Casa Grande siga surtando!

    Domingo era dia de refresco, mas o suco vinha morno” (Reza de Mãe, p. 59) Por Ana Flávia Magalhães Pinto - enviado para o Portal Geledés Ana Flávia Magalhães Pinto Todos os dias, Vingança traveste-se de Esperança, toma lá uma talagada de café e se lança como protagonista de uma sequência dinâmica e monótona de ações que falam da vida e do seu inverso. Vingança tem seus múltiplos sentidos e feições. É gente homem, mulher, criança, jovem e pessoa que carrega o peso de ter visto muito acontecer, mas pouca coisa mudar. Vingança é a desforra de diariamente sobreviver à guerra de entrar no busão/trem lata de sardinha/navio negreiro, para encarar o esculacho do subemprego e da subalternidade; de aprender a beber pouca água e segurar a bexiga para suportar a viagem de horas até o centro da cidade ou a volta de lá; de engolir a humilhação sofrida “quando ...

    Leia mais
    blank

    Adolescência: rituais africanos que marcavam os jovens guerreiros

    Nossos ancestrais africanos surgem por meio de seus ritos de passagem para a idade adulta, bem demarcados e vindos para cá por conta do tráfico escravo. Sabe-se que no Golfo da Guiné, de onde saíram as primeiras levas destes imigrantes forçados, cada aspecto da vida cotidiana permitia uma forma de aprendizado. A formação da juventude seguia um programa preciso e velava sobre a aquisição de virtudes morais, habilidades manuais, técnicas e guerreiras, atividades artesanais, comerciais ou místicas. Este desenvolvimento também incluía o desenvolvimento corporal, a sociabilidade, a obediência à ordem, o respeito à parentela, aos laços de sangue e a autoridade. Do História Hoje A violência era permitida e encorajada por batalhas ritualizadas, que marcavam a passagem entre o menino e o guerreiro. Apostando na beleza física, na elegância dos trajes e dos penteados, na virilidade e insolência, adolescentes africanos construíam uma cultura particular. A estatuária em barro, feita na região ...

    Leia mais
    blank

    Conselho Nacional do Esporte decide que capoeira é esporte

    Chegou ao fim uma discussão que perdurava há tempos: capoeira é esporte. A decisão foi tomada pelo Conselho Nacional do Esporte (CNE), órgão consultivo do Ministério do Esporte. Como havia o entendimento de que capoeira é uma dança, a modalidade não podia ser beneficiadas por programas do Ministério do Esporte, como o Bolsa Atleta. Do Educação Física  “A capoeira é esporte, tem competições, são atividades importantes para o condicionamento físico. Crianças, adultos e idosos praticam a mesma para diminuir a obesidade e, principalmente, são atividades que têm federações e confederação. Já tinha aprovação do Conselho, mas ainda não havia a publicação do Ministério do Esporte de uma resolução a esse respeito”, comemorou Jorge Steinhilber, presidente do Conselho Federal de Educação Física (CFEF). A decisão que beneficia a capoeira também afeta outras artes marciais. A partir do momento que o Ministério do Esporte publicar resolução admitindo-as como modalidades esportivas, a pasta pode ...

    Leia mais
    blank

    STF rejeita mandado de segurança que pedia inclusão da capoeira nas Olimpíadas

    O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, rejeitou a tramitação de Mandado de Segurança 33.826 para que a capoeira fosse incluída nas Olimpíadas de 2016 como esporte de exibição (sem valer como competição). Ao decidir pelo não conhecimento do MS, o ministro destacou que não há previsão constitucional que habilite a análise da matéria pelo STF. Do Conjur  O pedido foi feito pelo Instituto de Advocacia Racial (Iara) contra suposta omissão da presidente da República, do governador do estado do Rio de Janeiro e do prefeito da capital fluminense. No mandado de segurança, o instituto alegava que as autoridades citadas integram o Conselho Público Olímpico e são responsáveis pelo órgão de gestão e instância máxima colegiada dos Jogos Olímpicos 2016, conforme previsto no Protocolo de Intenções entre a União, Estado do Rio de Janeiro e o município do Rio de Janeiro (Lei 12.396/2011), após a Instituição do Ato Público Olímpico (Lei ...

    Leia mais
    blank

    Racismo e Intolerância na Praça da República em SP Tradicional Roda de Capoeira do Mestre Ananias é ameaçada

    Desde 1953 acontece na Praça de República a Roda de Capoeira do Mestre Ananias, neste domingo 02-08-2015, apesar dos esforços do Subprefeito da Sé – Sr. Alcides Amazonas, o espaço reservado para a roda foi retirado. No lugar havia barracas de alimentação. por Pedro Neto via Guest Post para o Portal Geledés Embaixo de uma árvore, num local bem apertado a Roda de Capoeira aconteceu com a presença de Mestre Ananias, Mestre Brasília e tantos outros fazedores da capoeira. Se não bastasse, a Policia Militar foi chamada e de forma tranquila e educada conduziu um Boletim de Ocorrência. Não houve nenhuma briga nem tumulto. O Fórum para as Culturas Populares e Tradicionais junto com a Associação Casa do Mestre Ananias esta agendando uma reunião entre a Subprefeitura da Sé, a Associação dos Feirantes da Praça, a Secretaria Municipal de Cultura, a Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial e a ...

    Leia mais
    blank

    Congresso de capoeira discute rumos para desenvolver esporte em Manaus

    Congresso debate demandas referentes à prática esportiva e outras expressões culturais. Por Kamilla Vieiralves, do D24AM Manaus - O som do berimbau é ponto de partida para debates sobre a cultura afrobrasileira. Esse é o tema do 1º Congresso Estadual de Capoeira, organizado pelo Fórum Permanente da Capoeira no Amazonas (Forpcam). De acordo com Cristiano Correa, mestre e coordenador da atividade, o congresso vem como uma forma de oficializar o trabalho desenvolvido à frente do Forpcam. “Os assuntos que pautam o congresso já foram debatidos dentro do fórum, que se reúne a cada 15 dias, faz visitas aos grupos de capoeira na cidade e pesquisa as necessidades de cada um. São grupos que, muitas vezes, tiram o dinheiro do próprio bolso para realizar os eventos, enquanto há secretarias do poder público que têm verbas direcionadas, justamente, para isso. São poucos os que sequer sabem disso”, explica. A iniciativa elegerá, ao final ...

    Leia mais
    blank

    Expoente da Capoeira Paulista, Mestre Caranguejo lança seu segundo disco

    Com o título "MESTRE CARANGUEJO E A POÉTICA DO BERIMBAU", álbum contém 16 faixas autorais e terá show de lançamento em 26/4 no teatro do CEU Caminho do Mar enviado por Baobá Comunicação via Guest Post para o Portal Geledés Para ser um bom capoeira é preciso ter um gingado que vai além dos golpes do jogo de origem afro-brasileira. A música é parte essencial desta tradição e por isso a composição é natural a muitos de seus praticantes, como Alberto Alves Barbosa, o mestre Caranguejo – um dos mais importantes capoeiristas vivos no Brasil. Lançado neste mês, com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura, o álbum Mestre Caranguejo e a Poética do Berimbau contém 16 faixas autorais que resgatam as antigas cantigas, rimas e marcações do samba de roda, berimbau de barriga, entre outras tradições musicais afro-brasileiras. Entre as músicas de destaque do disco estão “Ojá, Ojá, Obá, Capoeira”, cuja melodia e ...

    Leia mais
    blank

    Casa da Cultura Afro-Brasileira oferece aulas de iorubá e capoeira

    Idade mínima para frequentar cursos é de 10 anos Do A Tribuna Pioneira no litoral paulista, a Casa da Cultura Afro-Brasileira - Memorial ao Escravizado em São Vicente abre inscrições para cursos gratuitos de capoeira e do idioma Iorubá. Enquanto a primeira formação terá turmas de terça e quinta-feira, das 14 às 16 horas, o de língua africana será na sexta- feira, das 15 às 16h30, e no sábado, das 10 às 11h30. A oficina de capoeira tem como objetivo difundir conhecimento sobre a cultura afro-brasileira, privilegiando a informação, o debate e a retomada de valores da ancestralidade com foco na expressão corporal. A idade mínima é 10 anos. Já o ioruba:- idioma da família Níger-Congo é muito falado no oeste africano, principalmente na Nigéria, Benin, Togo e Serra Leoa, alcançando 30 milhões de pessoas. A atividade será ministrada por um nigeriano, o artista plástico Augustine Kawoh, com o objetivo ...

    Leia mais
    blank

    Roda de capoeira torna-se Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade

    18.nov.2014 - Grupos de capoeira se apresentam para usuários de Parque Memorial Zumbi dos Palmares, em União dos Palmares (AL) Do: Uol Dança, luta, símbolo de resistência e uma das manifestações culturais mais conhecidas no Brasil, a roda de capoeira recebeu hoje (26) o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Após votação durante a 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Imaterial, em Paris, a roda de capoeira ganhou oficialmente o título. A presidenta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Jurema Machado, presente na sessão do comitê, explicou que as políticas de patrimônio imaterial não existem apenas para conferir títulos, mas para que os governos assumam compromissos de preservação de seus bens culturais, materiais e imateriais. "O reconhecimento representa um tributo à capoeira como manifestação cultural importante que durante ...

    Leia mais
    blank

    Capoeira será reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade

    Dança, luta e símbolo de resistência, a capoeira será reconhecida comoPatrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Na semana que vem, em Paris, o Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural e Imaterial da Unesco anuncia sua decisão. Foram feitos 46 pedidos de registro pelos Estados-Membros, sendo que 32 foram recomendados pelo órgão técnico do comitê, entre os quais está o da capoeira – o único apresentado pelo Brasil e um dos três bens da América Latina na lista. no Agência Brasil  por Isabela Vieira No dossiê de candidatura, de 25 páginas, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) enumera uma série de ações para difundir a modalidade e propõe medidas de salvaguarda orçadas em mais de R$ 2 milhões, como a produção de catálogos e encontros. O documento destaca que o registro vai favorecer a consciência sobre o legado da ...

    Leia mais
    blank

    Campina Grande conquista recorde de maior roda de capoeira estudantil do Brasil

    No mês em que se celebra o Dia Nacional da Consciência Negra, Campina Grande entra para a história de uma das expressões da cultura afrobrasileira, com a formação da maior roda de capoeira estudantil do Brasil.   No Agora Esportes   O recorde foi confirmado pela empresa Ranking Brasil – Recordes Brasileiros, na manhã desta quinta-feira, 06, durante aulão coletivo no Parque do Povo, realizado com os alunos da rede municipal integrantes do projeto “Capoeira nas Escolas”. O recorde foi registrado com a marca de 2.807 crianças praticantes da capoeira no universo escolar. Para a secretária de Educação de Campina Grande, professora Iolanda Barbosa, atingir essa marca tem uma importância estratégica em favor do projeto político-pedagógico plural e comprometido com o cumprimento da lei 10.639, que determina para o currículo da educação básica a inclusão da história e cultura afrobrasileira. “A presença da capoeira na escola se torna prioritária porque ...

    Leia mais
    Capoeira é fio condutor de livro sobre a cultura afrodescendente no Brasil

    Capoeira é fio condutor de livro sobre a cultura afrodescendente no Brasil

    Sincretismo e quebra de preconceitos em nova obra DEBORAH COUTO Os irmãos Cosme e Damião, mais o amigo Doum, um dia se encontram com um menino chamado Pererê. Juntos, eles descobrem uma nova brincadeira mágica, a capoeira. É através dessa fábula que a escritora Erika Balbino transmite às crianças uma mensagem de orgulho. No livro “Num Tronco de Iroko Vi a Iúna Cantar”, lançamento da editora Peirópolis (80 págs., R$ 49), ela fala da força da cultura africana no Brasil e sobre abrir mão da vaidade em favor de um bem maior.  A paulistana Erika tem formação em cinema e mídia. Também atua na área da cultura afro-brasileira e da umbanda, além de ser capoeirista há 13 anos e pesquisar sobre o tema. O livro traz o sincretismo característico do Brasil nos personagens e histórias em que se envolvem e joga luz ao desconhecido por ser descoberto. Como uma “brincadeira ...

    Leia mais
    Página 1 de 2 1 2

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist