quarta-feira, setembro 23, 2020

    Tag: Ku Klux Klan

    blank

    Ela escapou dos nazistas uma vez. Agora está combatendo o nazismo de novo.

    Marianne Rubin escapou dos horrores do Holocausto quando era criança. O que está acontecendo hoje a assusta. Por Antonia Blumberg, do HuffPost US Marianne Rubin's granddaughter, Lena Schnall, captured a photo of her grandmother at Sunday's rally. Depois de grupos supremacistas brancos terem semeado a violência letal em Charlottesville, Virginia, no domingo (14), centenas de pessoas se reuniram em cidades de todos os EUA para protestarem contra o ódio organizado. Em Nova York, uma senhora carregou um cartaz comovente que dizia: "Escapei dos nazistas uma vez. Vocês não vão me derrotar agora." Fotos de Marianne Rubin, 89, e seu cartaz contundente viralizaram em pouco tempo, lembrando aos americanos que a ameaça da supremacia branca não é algo que se deva levar na brincadeira. "Foi um dia difícil ontem, mas eu estava com amigos", disse Rubin ao HuffPost na segunda-feira, falando ao telefone de sua casa em Westchester, Nova York. "Fiquei pensando depois: por que é ...

    Leia mais
    blank

    Alunos de faculdade de SP usam roupa da Ku Klux Klan para receber calouros

    A página "Rede de proteção às vítimas de violências nas universidades" divulgou fotos da festa Do  Correio 24 Horas  Calouros de medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Botucatu foram recebidos em uma festa por veteranos que usavam roupas similares à da Ku Klux Klan, seita dos EUA que pregava a supremacia dos brancos.  O caso foi registrado na festa "Batizado da Medicina" no dia 5 de março e denunciada esta semana pelo Facebook. A página "Rede de proteção às vítimas de violências nas universidades" divulgou fotos da festa. "A KKK é exemplo de ódio, de eugenia, intolerância e morte. O que pensar de médicos que se predispõe a emular coisas que existiram de pior na história da humanidade?", questiona o texto publicado na página. Os alunos da 48º turma de medicina, responsáveis pela festa, afirmaram em nota que o evento acontece anualmente e que o 6º ano vigente é ...

    Leia mais
    blank

    Líder do Ku Klux Klan em Montana diz que portas estão abertas para negros, gays e judeus

    Defensor da supremacia branca nos EUA funda grupo que não irá discriminar as pessoas por raça, religião ou orientação sexual No O Globo  RIO - Um dos mais famosos defensores da supremacia branca no estado americano de Montana está recrutando membros para uma nova formação da organização Ku Klux Klan (KKK), que, segundo ele, incluirá negros, gays e judeus, e mostrará que ele não abraça mais a supremacia racial. John Abarr, da cidade Great Falls, afirma que é um homem “reformado”, e, por isso, começou um novo grupo ligado à KKK batizado Rocky Mountain Knights (Cavaleiros das Montanhas Rochosas, em tradução livre). Embora ele não diga exatamente quantos membros este novo grupo da KKK tem, Abarr afirma que a organização não irá discriminar as pessoas por sua raça, religião ou orientação sexual. “A KKK é para uma América forte. A supremacia branca é a velha Klan. Esta é a nova ...

    Leia mais
    blank

    OAB/RJ aciona MP e polícia para investigar racismo em perfis de site

    A divulgação no Facebook de "piadas" contra negros, que exaltam nazistas e o histórico grupo racista norte-americano Ku Klux Klan, pode virar caso de polícia. A OAB/RJ acionou o Ministério Público Estadual e a Polícia Civil do Rio depois de receber denúncias de propagação de material criminoso em perfis como BR da Zoeira com mais de 30 mil curtidas e O racismo começa quando com várias versões e 36 mil seguidores só numa delas. Além de pedir a remoção dos perfis, os advogados querem a prisão dos responsáveis. No conteúdo das páginas há montagens e posts que associam negros a bandidos. Nenhuma delas tem informações sobre seus criadores. Segundo o presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB/RJ, Marcelo Dias, há cerca de dois meses foi encaminhado um ofício ao MP estadual e à polícia, pedindo providências sobre essas manifestações racistas na internet. "O racismo na rede é muito forte. As pessoas ...

    Leia mais
    Os justiceiros do Flamengo e a jovem negra que protegeu um neonazi de ser espancado pela turba

    Os justiceiros do Flamengo e a jovem negra que protegeu um neonazi de ser espancado pela turba

    por Marcos Sacramento A atitude de uma adolescente negra nos anos 90 teria muito a ensinar a Rachel Sheherazade, a apresentadora de extrema-direita do SBT, se Rachel não fosse o que é. Em 1996, Keshia Thomas, então com 18 anos, evitou o linchamento de um simpatizante da Ku Klux Klan, durante um protesto contra a organização racista. Tudo aconteceu em uma manifestação da KKK em Ann Arbor, Michigan, cidade natal de Keshia. Multicultural, liberal e centro de movimentos pelos direitos civis, a cidade não era o lugar mais receptivo para os 17 membros da organização racista. Cerca de 300 militantes anti-KKK foram protestar contra a marcha. Entre eles estava Keshia. O grupo empunhava cartazes e gritava para os mascarados da Klan, quando alguém avistou na multidão um homem com uma camisa com o emblema dos Confederados e um SS tatuado no braço. Os liberais perseguiram o simpatizante da Klan, o agrediram ...

    Leia mais
    História do Racismo

    Racismo Uma História

    Racismo Uma História. O filme aborda o cruel legado deixado pelo racismo ao longo dos séculos. Iniciando pelos EUA, berço da Ku Klux Klan, onde o pesquisador James Allen, possuidor de vasta coleção de material fotográfico e jornalístico sobre linchamentos, defende que há um movimento arquitetado para apagar a mácula racial da memória do país. A seguir, remonta à colonização belga do Congo, por Leopoldo II, onde os negros que não atingiam a quota diária de borracha tinham a mão direita decepada. O documentário trata ainda da problemática racial na África do Sul (Apartheid) e Grã-Bretanha, abordando a luta do Movimento pelos Direitos Civis nos EUA e a desconstituição do mito da existência de raças. RACISMO UMA HISTÓRIA O racismo surge realmente nos séculos XVI e XVII, sobretudo neste último. Os europeus praticavam a escravidão e há alguns séculos escravizavam pessoas na África e no Novo Mundo. A história do ...

    Leia mais
    Foto: IEA

    Kabengele Munanga diz que políticas de cotas podem corrigir quadro gritante de discriminação no Brasil

    Foto: IEA Representante do Centro de Estudos Africanos da Universidade de São Paulo (USP), Kabengele Munanga participou do segundo dia de debates da audiência pública sobre políticas de acesso ao ensino superior, promovida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Africano residente no Brasil há 35 anos, o doutor em antropologia social considerou "gritante" o quadro de discriminação no país, se comparado com outras nações que conviveram com o racismo, como os Estados Unidos e a África do Sul. "Os dados mostram que, à véspera do Apartheid, a África do Sul tinha mais negros com diploma de nível superior do que no Brasil de hoje", observou. Para ele, "algo está errado no país da democracia racial, que precisa ser corrigido", e que pode ser alcançado, ou amenizado, por meio da adoção de programas de ação afirmativa. Ele lembrou que nos últimos oito anos, a começar pela Universidade Federal ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist