Os justiceiros do Flamengo e a jovem negra que protegeu um neonazi de ser espancado pela turba

por Marcos Sacramento

A atitude de uma adolescente negra nos anos 90 teria muito a ensinar a Rachel Sheherazade, a apresentadora de extrema-direita do SBT, se Rachel não fosse o que é. Em 1996, Keshia Thomas, então com 18 anos, evitou o linchamento de um simpatizante da Ku Klux Klan, durante um protesto contra a organização racista.

Tudo aconteceu em uma manifestação da KKK em Ann Arbor, Michigan, cidade natal de Keshia. Multicultural, liberal e centro de movimentos pelos direitos civis, a cidade não era o lugar mais receptivo para os 17 membros da organização racista.

Cerca de 300 militantes anti-KKK foram protestar contra a marcha. Entre eles estava Keshia. O grupo empunhava cartazes e gritava para os mascarados da Klan, quando alguém avistou na multidão um homem com uma camisa com o emblema dos Confederados e um SS tatuado no braço.

Os liberais perseguiram o simpatizante da Klan, o agrediram com golpes de bastões e o jogaram no chão.

Os justiceiros do Flamengo e a jovem negra que protegeu um neonazi de ser espancado pela turba
Os justiceiros do Flamengo e a jovem negra que protegeu um neonazi de ser espancado pela turba

Keshia não se deixou levar pela turba ignara. Após alguns segundos de reflexão, percebeu que um protesto justo poderia se transformar em barbárie e resolveu intervir. Em um ato improvável para a situação, foi ao encontro do homem caído e o protegeu dos agressores.

Arriscou a própria integridade física para proteger e salvar alguém que possivelmente não faria o mesmo por ela e entrou para a história por praticar a tolerância ao fugir das imposições do senso comum. Sou entendedor raso da Bíblia, mas acho que na ação da americana há um resumo perfeito dos princípios cristãos.

Não fosse cega pelo ódio, bastaria a Sheherazade ver a foto de Keshia abraçada ao inimigo para refletir antes de sair defendendo violações aos direitos humanos, como o espancamento de um adolescente suspeito de roubo por jovens de classe média na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Já que Keshia teve serenidade para fazer a coisa certa no meio de uma multidão furiosa, por que Sheherazade não conseguiria elaborar um comentário menos criminoso no ar condicionado da redação?

A matéria sobre a atitude de Keshia Thomas pode ser lida aqui: http://www.bbc.co.uk/news/magazine-24653643

Marcos Sacramento, capixaba de Vitória, é jornalista

Fonte: Diário do Centro do Mundo

+ sobre o tema

Após queixas sobre racismo, Secretaria da Cultura do Pará muda cartaz de feira

A 22ª edição da Feira Pan-Amazônica do Livro também...

Revista de noivas despreza negras

    Vevila vai casar agora no...

Movimentos sociais fazem protesto em biblioteca após caso de racismo em SP

Dois movimentos sociais ocuparam nesta quarta-feira (3), de forma...

para lembrar

Cotas: 10 anos de inclusão nas universidades públicas brasileiras

Em audiência pública com mais de três horas de...

A marcha da esperança

Quando estava me preparando para escrever esta coluna de...
spot_imgspot_img

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...
-+=