Alunos de faculdade de SP usam roupa da Ku Klux Klan para receber calouros

A página “Rede de proteção às vítimas de violências nas universidades” divulgou fotos da festa

Do  Correio 24 Horas 

Calouros de medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Botucatu foram recebidos em uma festa por veteranos que usavam roupas similares à da Ku Klux Klan, seita dos EUA que pregava a supremacia dos brancos.  O caso foi registrado na festa “Batizado da Medicina” no dia 5 de março e denunciada esta semana pelo Facebook.

A página “Rede de proteção às vítimas de violências nas universidades” divulgou fotos da festa. “A KKK é exemplo de ódio, de eugenia, intolerância e morte. O que pensar de médicos que se predispõe a emular coisas que existiram de pior na história da humanidade?”, questiona o texto publicado na página.

Os alunos da 48º turma de medicina, responsáveis pela festa, afirmaram em nota que o evento acontece anualmente e que o 6º ano vigente é responsável por criar uma fantasia que dê festividade um “caráter misterioso”. “No caso referente a nossa turma, o tema da fantasia escolhido foi de “Carrasco”, utilizando roupas pretas e máscaras. As fantasias foram utilizadas apenas para a entrada da turma, sendo que foram retiradas logo após a entrada, dando início a confraternização com os calouros no evento”, diz a nota.

Festa de estudantes da Unesp, em Botucatu, é comparada com cerimônia da seita Ku Klux Klan  (Foto: Reprodução/Facebook)
Festa de estudantes da Unesp, em Botucatu, é comparada com cerimônia da seita Ku Klux Klan
(Foto: Reprodução/Facebook)

A Faculdade de Medicina da Unesp informou que vai instaurar uma comissão para apurar os fatos. “A Comissão responsável pela Apuração deverá levantar informações, confrontando sua veracidade, obtendo nomes, datas, horários, fiscalizando a existência de câmeras, fotos e requerendo providências que se façam necessárias e que possam resultar em provas substanciais”, diz a faculdade em nota.

Uma CPI na Assembleia Legislativa de São Paulo este ano ouviu depoimentos de estudantes, incluindo da Unesp, sobre abusos e agressões nas festas para calouros. Um relatório foi finalizado no início de março.

+ sobre o tema

A saúde das crianças negras

Quando se fala sobre saúde de crianças negras com...

Edital: Enfrentando o racismo a partir da base: mobilização para defesa de direitos

“Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua...

“Bem aventurados os que batem tambor”

O Brasil miscigenado e religiosamente plural não pode conviver...

Bush pai e filho condenam racismo e antissemitismo em resposta a Trump

Os ex-presidentes americanos George H.W. Bush e George W....

para lembrar

Presidente alemão aborda racismo e xenofobia em discurso natalino

Numa fala em que destacou a necessidade de engajamento...

Cotas: de cursos pouco concorridos aos mais cobiçados

Hoje, estudantes da reserva de vagas preferem Direito e...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...

Vereadora do PMDB denunciada

Parlamentar teria insultado colega do PT chamando-o de 'macaco',...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=