Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

Enviado por / FonteUOL, por Jeferson Tenório

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto em alguns participantes ao dizer que eu era de Porto Alegre. A surpresa vinha acompanhada de um questionamento: “Não sabia que tinha negros no Rio Grande Sul”. Ao longo dos anos experimentei essa reação diversas vezes, em contextos e lugares diferentes.

Em discurso sobre as enchentes, dias atrás, o presidente Lula disse ficar surpreso com a grande quantidade de negros no Rio Grande do Sul. Essa percepção faz parte de um senso comum bastante arraigado no Brasil, e é fruto de um projeto de embranquecimento e apagamento das comunidades negras no estado. Um projeto bem-sucedido que há séculos invisibiliza não só a presença de pessoas negras, como também sua contribuição crucial na construção do estado.

Alagamento em Porto Alegre provocado por chuva recorde no RS 05/05/2024 – Imagem: Renan Mattos/REUTERS

O imaginário popular é este: o Rio Grande do Sul é branco, constituído por uma grande colônia alemã, de ares europeus, lugar em que os moradores nem falam português. Um estereótipo que é reforçado pelas imagens dos municípios como Gramado e Canela, com seus chalés, fábricas de chocolates, vinhos e cafés coloniais.

Obviamente que existe uma inegável contribuição da colonização europeia na formação do estado, no entanto, o que se coloca aqui é a supervalorização dessa cultura e o apagamento de outras.

Segundo dados do próprio governo do estado, o Rio Grande do Sul tem uma população negra de 21%. Os levantamentos também mostram que os negros são os mais pobres, ganham salários mais baixos e têm menos acesso à educação e à saúde quando comparados aos brancos. Além disso, a representatividade na política é pequena: apenas na última eleição foi eleita a primeira bancada negra de Porto Alegre.

As enchentes no Rio Grande do Sul revelam a existência de uma segregação racial no estado. A tragédia atingiu de maneira significativa a região metropolitana de Porto Alegre, por exemplo, um lugar onde reside grande parte da população negra e periférica.

Portanto, são comunidades inteiras pertencentes a uma classe operária, que ocupam áreas de risco e que estão propensas a serem as primeiras vítimas das catástrofes climáticas.

Não se pode falar em reconstrução de um estado sem levar em consideração os efeitos do racismo ambiental. A reconstrução deve se dar num contexto compreendendo que, historicamente, as comunidades periféricas, negras, quilombolas e indígenas não tiveram acesso a serviços básicos como saneamento, água potável, luz, acesso à internet, saúde e educação de qualidade.

As enchentes escancararam o racismo ambiental, portanto, será preciso dar atenção ainda maior às desigualdades raciais para uma reconstrução justa e humana.

+ sobre o tema

#BlackLivesMatter: ‘Vamos regredir cem anos se Trump vencer’

No Rio, ativista do combate a violência policial contra...

Y’a bon banania’ e a influência contínua no estereótipo do negro

por Alê de Mattos do Facebook Para quem ainda...

A secretária Olívia Santana registra queixa após ser alvo de racismo em evento no Catussaba

A secretária Olivia Santana prestou queixa no final da...

Deputado chama ministro do STF de ‘moreno escuro’ em reunião

O deputado federal Júlio Campos (DEM-MT) admitiu nesta...

para lembrar

Histórico – Racismo explícito na Guarda Civil em 1929

Os idealizadores da recém instituída Guarda Civil de...

Pela primeira vez um deputado árabe israelense visita Auschwitz

AUSCHWITZ, Polônia - Pela primeira vez um deputado...

BH: 80% dos casos de racismo ficam impunes

Ambientes escolares são responsáveis por mais de 60% dos...

OAB pede afastamento de policiais acusados de espancar e matar Luana Reis

Solicitação foi feita à Corregedoria da PM-SP. “Fizemos isso...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=