Um ato pra se sentir mulher

Encontro de Mulheres em Defesa da Democracia hoje (7), no Palácio do Planalto.

Por Dríade Aguiar Do Ninja

Assim como muitas de nós, Dilma já teve de enfrentar uma série de problemas por ser mulher, sem dúvida alguma. Na militância e na ditadura ela provavelmente teve um “tratamento privilegiado”, pelo seu gênero. Na presidência, é a única candidata que desde que concorreu pela primeira vez, é questionada sobre o aborto. Eleita, é criticada duramente por sancionar uma lei contra o feminicídio e, em meio a crise, é ela que abre mão de se pronunciar no dia das mulheres por conta de manifestações que buscam nada mais que silenciá-la.

Durante seu mandado como presidente, seu gênero, idade e passado são invisibilizados constantemente e mesmo assim tem de ficar impávida ao ouvir um “Ei Dilma vai tomar no Cu”, perante a comunidade internacional. Além das constantes piadas em torno da sua sexualidade e adesivos sexualmente ofensivos circulando pelo país.

Agora, onde vive uma das fases mais difíceis do seu mandado, é obrigada novamente a não demonstrar sentimentos. Enquanto isso, revistas se sentem no direito de enquadrá-la em um esteriótipo que nós mulheres conhecemos bem: estérica, louca, descontrolada.

433_2048x1365_052167226_900x600

Ou seja, querendo ou não, Dilma tem certeza dos desafios do que é ser uma mulher.

Mas hoje, no Ato Mulheres com Dilma, no Palácio do Planalto, tenho a convicção que Dilma compreendeu melhor ainda o que é ser mulher. E, independente da visão política, religiosa ou étnica, ser capaz de estender a uma outra mulher.

434_2048x1365_787904819_900x600

Se chama sororidade e hoje, empregadas, filósofas, políticas, cristãs, mães de Santo Yalorisás, jovens, empresárias, estudantes, margaridas, todas vieram não só prestar solidariedade a uma chefe de estado que está sob ataque em busca de um estado de direitos, mas também cuidar de outra mulher.

Dessa chefe de estado, ouvimos a importância da busca pela igualdade de gênero. De Dilma, escutamos do orgulho de ser mulher e que “nós mulheres não quebramo” e juntas, entendemos mais uma vez, o que é ser mulher.

483_2048x1365_715654105_900x600

+ sobre o tema

Superlativa por Flávia Oliveira

Rogéria, autodenominada ‘travesti da família brasileira’, fez crer que...

19 coisas que pequenas meninas negras ainda não ouviram o suficiente

Hoje, depois de ouvir o desabafo que uma preta...

Deputados aprovam projeto com perda do poder familiar em caso de feminicídio

Em uma noite de votações conduzidas pela bancada feminina,...

para lembrar

A consciência é negra: do gênero feminino

Mas não é amada (por quê?) Por Vanda Albuquerque e...

Não é mimimi: a gordofobia mata e é urgente falar sobre isso

Na mesa de cirurgia, Amanda Rodrigues tentou fugir do...

Curso online de feminismo negro

Formação online sobre feminismo negro será dividida em quatro...
spot_imgspot_img

Mãe Hilda de Jitolú, a matriarca do Ilê Aiyê

Em 1988, quando uma educação afrocentrada ou antirracista ainda não estava no imaginário brasileiro, uma mulher preta que nunca frequentou a escola abriu sua casa, em Salvador (BA)...

Aos 80 anos, Zezé Motta celebra uma carreira de grandes feitos e garante: “Eu não paro!”

É com um sorriso solto e uma presença indescritível que Zezé Motta conversa comigo no camarim do estúdio onde fotografamos as imagens e a capa que...

Justiça nega aborto legal de adolescente de 13 anos após seu pai pedir manutenção da gravidez

Uma adolescente de 13 anos que vive em Goiás teve o aborto legal negado pelo TJ-GO (Tribunal de Justiça de Goiás), após o pai da jovem...
-+=