Você matou meu filho”. Anistia do Brasil lança relatório Internaciona

Constata-se que no mês de julho, aumentou em relação ao mesmo período no ano passado o número de mortes envolvendo operações policiais no Estado do Rio de Janeiro. Apesar dos relatórios dos órgãos de segurança apontarem para uma queda de homicídios, divulgar o aumento do número de mortes em operações policiais no ano de 2015, pode ser um alerta às autoridades, conforme nos diz o diretor da Anistia Internacional, seção Brasil, Átila Roque, ao responder críticas do secretário Beltrame, que não considerou oportuna a ocasião de divulgação do Relatório da Anistia:

Do Mama Press

“A anistia não pode deixar de pontuar um problema que persiste num patamar muito alto, mesmo reconhecendo os avanços ( da área de segurança-sic), ainda estamos falando de quinhentos e tatos autos de resistência no Estado do Rio de Janeiro, este é um patamar ainda muitoa alto. E olhando o primeiro semestre de 2015 e comparando como primeiro semestre de 2014, percebemos um aumento de 22%, ou seja, pode ser que aí esteja um alerta, uma liz amarela, que talvez a tendência à queda esteja sendo revertida. Então nós não podemos nos furtar a dizer isto, a capa do relatório é muito importante, foi uma escolha muito consciente, porque ela dá voz e visibilidade à vida e ao valor da vida. Este filho aqui( na capa) que é um filho específico, ele pode ser qualquer pessoa, ele pode ser qualquer um de nós.”

Para nós do Sos Racismo Brasil e da Rede Radio Mamaterra da qual faz parte a Mamapress, a ação pontual da Anistia ao revelar que em 10 casos de mortes em operações policiais acontecidos em Acari no ano de 2014, existem fortes indícios de execuções extra judiciais em 9 deles, desnuda a ponta de um iceberg do “modus operandis” de ações policiais em todo o país. Esta forma de agir faz parte de uma cultura nacional que precisa ser mudada, e precisa envolver todos os setores da sociedade assim como todos os ministérios, como afirmou Atila Roque durante a o lançamento:

“Não que é só para discutir sobre violência com com os setores de segurança.
Queremos discutir sobre o grande número de assassinatos contra jovens negros no Brasil com o Levy e com todo o staff da fazenda e econômico, quais são as medidas econômicas que eles tem para parar esta violência.”

 

 

+ sobre o tema

Nove operários morrem na Bahia. Isso é só o começo

Nove operários morreram em um canteiro de obras,...

Campanha divulga 18º Ranking da Baixaria na TV

"Pânico na TV" está novamente na lista de programas...

para lembrar

Venício Lima: Stuart Hall e os estudos de mídia

Seu enorme legado intelectual deve ser celebrado embora, nos...

Brasil acata 159 das 170 recomendações da ONU sobre direitos humanos

Brasília – O governo do Brasil responde nesta...

A cada mil mulheres, um homem tem câncer de mama

Por Yuri Silva Do Atarde O professor Maurício Tavares intercala emoção...

Exames de mamografia pelo programa ‘Mulheres do Peito’ são suspensos em Itararé

Serviço foi cancelado após o mamógrafo apresentar problemas, segundo...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=