46% de mulheres do varejo e da indústria não são amparadas após denunciar assédio

Enviado por / FonteDa Revista Marie Claire

Nova pesquisa organizada pela plataforma Zinklar e o Instituto Mulheres do Varejo demonstra ainda que 23% delas foram desligadas da empresa após denúncia, e 24% acredita que denunciar não leva à nada. Projetos voltados para mulheres se unem para criar canal de denúncia específico para varejistas

Quase metade das mulheres que trabalham no setor varejista e na indústria que foram vítimas de assédio não receberam apoio das empresas onde atuam depois de denunciar o agressor. É o que diz uma pesquisa realizada pela plataforma de pesquisas de mercado Zinklar, em parceria com o Instituto Mulheres do Varejo, a qual Marie Claire teve acesso. Quarenta e seis por cento das varejistas dizem que não foram amparadas por nenhuma ação concreta. Além disso, 23% foram demitidas após realizarem a denúncia.

Os dados também demonstram que 37% das mulheres que trabalham no setor sofreu assédio moral e 31%, assédio sexual, sendo que 70% dizem que sofreram o assédio no trabalho. Em 46% das ocorrências, as mulheres estavam sozinhas; em 45%, com mais de uma pessoa presente, mas não houve nenhuma ação. Mais da metade sofreu o assédio há mais de 5 anos, e 23% não fizeram nada porque tiveram medo.

Fui vítima de assédio. E agora?

A pesquisa foi realizada com 212 mulheres que trabalham também no varejo, indústrias, empresas de pesquisas ligadas ao varejo e distribuidoras. O interesse do levantamento é apontar a maneira como o assédio, sexual ou moral, acontece de forma silenciosa no mundo corporativo; além de demonstrar que os esforços de amparo às vítimas estão longe de um patamar ideal.

Entre as respondentes, 45% confirmam que, nas empresas onde trabalham, há um canal de denúncia ao qual podem recorrer; mas 40% afirma que o local de trabalho não conta com esse suporte. Quando perguntadas se se sentiriam confortáveis para realizar uma denúncia à empresa, 60% responderam que sim, desde que o canal seja anônimo, e que acredita que as medidas necessárias serão tomadas. Por outro lado, 24% acreditam que a denúncia não dará em nada.

Gabriela Manssur, advogada especializada em gênero e fundadora do Projeto Justiceiras, ressalta que, no varejo, as mulheres ocupam metade dos postos de trabalho. “Se uma em cada três mulheres sofre algum tipo de violência, certamente, as mulheres do varejo também podem ser vítimas”, ilustra.

Projetos lançam canal de denúncia a varejistas

Diante dos dados, o Instituto Mulheres do Varejo se uniu ao Projeto Justiceiras para elaborar um canal de denúncias que pode ser recorrido por mulheres do setor varejista vítimas de qualquer tipo de violência de gênero, o que inclui o assédio. Todos os casos serão avaliados pelo Justiceiras, que tem canal direto com o Ministério Público.

Sandra Takata, presidente do Instituto Mulheres do Varejo afirma que a ideia é que o canal seja isento, fique fora das empresas e ofereça mais conforto para que as mulheres denunciem, já que muitas delas têm medo de levar o caso ao RH e sofrer retaliações. O canal começa a funcionar em maio deste ano e poderá ser acessado pelo site mulheresdovarejo.com.br.

O instituto também passará a oferecer treinamentos sobre assédio a empresas do varejo e incentiva que o setor repasse a informação às colaboradoras para que se sintam à vontade para fazer a denúncia, caso sejam vítimas de algum tipo de violência e assédio no trabalho.

Leia também:

Mais de 74% das mulheres já sofreram assédio ou preconceito no trabalho

Idoso de 70 anos lambe perna de mulher em ônibus e a xinga de “negra desgraçada”

Quase metade das mulheres brasileiras sofreu algum tipo de assédio em 2022

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

Mulher, mercado de trabalho e desigualdade

O emprego e a renda são dois componentes que...

Racismo e sexismo persistem no mercado de trabalho de Salvador

Segundo o estudo, o rendimento médio da mulher negra...

Polícia Civil vai contratar 877 investigadores

Fonte: Jornal Agora-       A Polícia Civil abrirá, no próximo dia...

IBGE anuncia concurso para 191.972 vagas de recenseador

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)...
spot_imgspot_img

Mulheres sofrem mais microagressões no ambiente de trabalho e têm aposentadorias menores

As desigualdades no mercado de trabalho evidenciam que as empresas têm um grande desafio pela frente relacionado à equidade de gênero. Um estudo recente da McKinsey...

Sem desigualdade de gênero, mundo poderia ter PIB ao menos 20% maior, diz Banco Mundial

O Produto Interno Bruto (PIB) global poderia aumentar em mais de 20% com políticas públicas que removessem as dificuldades impostas às mulheres no mercado...

Duas em cada três mulheres já sofreram algum tipo de assédio em SP – YouTube

Duas em cada três mulheres já sofreram algum tipo de assédio na capital paulista. O dado é da rede nossa São Paulo, que em...
-+=