Apresentador da Globo sofre racismo em shopping no PE: ‘É entregador?’

O jornalista Pedro Lins, apresentador do NE 1, da Globo em Pernambuco, denunciou em suas redes sociais que foi alvo de racismo estrutural, na última quarta-feira (4), em uma loja do Shopping Recife.

Por meio dos stories no Instagram, ele relatou que foi a uma loja — sem mencionar o nome do empreendimento — com a intenção de comprar um presente para uma amiga. Entretanto, a abordagem de uma vendedora o deixou bastante incomodado.

Fui entrar em uma loja do Shopping Recife. Aí, a vendedora olhou pra mim e falou assim “ah, você é entregador do Rappi [aplicativo de entrega]?”. Aí, eu falei “não, eu vim aqui comprar, mas se o pagamento for bom quem sabe eu não faço esse extra”. Bom, é isso.

Pedro Lins.

Já em seu Twitter, Pedro Lins externou aos seus curtidores que o caso sofrido dentro do shopping é racismo estrutural.

“Fui numa loja do Shopping comprar um presente para uma amiga. A vendedora me abordou perguntando se eu era entregador do Rappi. Vocês sabem o nome disso, né?”, escreveu.

Splash entrou em contato com Pedro Lins para colher mais detalhes do caso, como se realizou alguma denúncia com a loja ou vendedora ou levou o caso a administração do shopping, mas não recebemos resposta até a publicação do texto.

O Shopping Recife emitiu comunicado lamentando o episódio de racismo vivido pelo jornalista e informou que a conduta não condiz com o “compromisso de tratar todos os clientes com respeito e igualdade“.

“O Shopping Recife informa que tomou conhecimento do episódio, ocorrido em uma de suas lojas, por meio das redes sociais. O centro de compras lamenta o fato e reforça que este tipo de conduta não condiz com os valores do equipamento, reafirmando o seu compromisso em receber todos os seus clientes com respeito e igualdade”, diz o comunicado enviado a Splash.

Em nota, a Globo lamentou o episódio e afirmou que repudia o racismo em todas as suas formas e manifestações e tem firme compromisso com a diversidade e a inclusão.

O que é racismo estrutural?

Racismo estrutural é o termo usado para reforçar o fato de que existem sociedades estruturadas com base na discriminação que privilegia algumas raças em detrimento das outras. No Brasil, nos outros países americanos e nos europeus, essa distinção favorece os brancos e desfavorece negros e indígenas.

Essa estrutura social que possibilitou a manutenção do racismo ao longo da história, inclusive do Brasil, pode ser contada a partir das próprias leis do país – algumas delas são da época em que os negros eram escravizados, é claro, mas outras vieram depois da abolição.

Um exemplo disso é a própria Lei Áurea, de 1888. Além de o Brasil ser o último país das Américas a aderir à libertação das pessoas escravizadas, a população negra que vivia aqui se viu livre, porém sem opções de emprego ou educação.

Isso se deve à legislação anterior: em 1824, a Constituição dizia que a escola era um direito de todos os cidadãos, o que não incluía os povos escravizados. Já em 1850, a Lei de Terras permitiu ao Estado a venda de espaços agrários a custos altos. Como as pessoas negras poderiam, em condições de precariedade total, cultivar o próprio alimento?

Para piorar a situação, a lei previu, mais tarde, subsídios do governo à vinda de colonos europeus para viverem e trabalharem no Brasil. O objetivo era “branquear” a população brasileira.

Se, antes da abolição, a legislação parecia não ter relação direta com o racismo, em 1890, com as primeiras leis penais da República, isso ficou evidente. Sem terras, educação ou trabalho, os negros que eram encontrados na rua ou que praticassem a capoeira podiam ser presos. Era a chamada Lei dos Vadios e Capoeiras.

A primeira vez em que a legislação contribuiu, de fato, para a democracia racial no Brasil ocorreu apenas em 1989, quase um século depois, quando a Lei Caó tornou o racismo um crime inafiançável e imprescritível.

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

spot_imgspot_img

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante alguns dias me achei feia, como a sinhá sempre dizia que todos os pretos eram...
-+=