Banda marcial, cem dançarinos, Jay-Z, Solange e Destiny’s Child: confira como foi a volta de Beyoncé aos palcos

Em seu primeiro show após a gravidez, cantora reuniu seus principais hits em uma apresentação de quase duas horas no festival Coachella e fez os fãs brasileiros madrugarem para ver ao vivo

Do GaúchaZH

Beyoncé surgiu com banda marcial e figurino com inspirações africanas (Divulgação / Beyoncé.com)

Beyoncé não economizou esforços em seu retorno aos palcos depois da pausa de quase um ano para cuidar dos gêmeos Sir Carter e Rumi. O show da cantora no Coachella 2018 na madrugada deste sábado (14) para domingo (15) marcou não apenas sua primeira apresentação após a gravidez, mas também a primeira vez em que uma mulher negra foi a atração principal no festival californiano.

Para esse momento histórico, a diva reuniu seus principais hits em uma apresentação de quase duas horas que fez os fãs brasileiros madrugarem em frente ao computador para conferir a transmissão ao vivo. Tudo acompanhado por uma banda marcial e uma trupe de cem dançarinos.

O tributo à carreira da cantora começou com seu primeiro sucesso solo, Crazy in Love, apresentado depois de sua entrada triunfal com look assinado por Olivier Rousteing, da BalmainFormationDrunk in LoveSorryMe, Myself and IBaby Boy e Flawless foram alguns dos hinos que a rainha trouxe na bagagem.

A surpresa ficou por conta dos convidados especiais. Para não deixar passar em branco o início de tudo, Queen Bey convidou Kelly Rowland Michelle Williams para subir ao palco e relembrar sucessos do trio Destiny’s Child que marcaram época: Lose My BreathSay My Name e Soldier.

Prestes a viajar o mundo ao lado da esposa com a turnê On the Run II, o rapper Jay-Ztambém marcou presença, dividindo o microfone em Déjà VuSolange Knowles, por sua vez, se juntou à irmã para dançar Get Me Bodied. Um mashup de Drunk in Love com Lilac Winemarcou a homenagem de Bey à cantora Nina Simone.  Um mascote Pantera Negra criado especialmente para a ocasião e citações de Malcolm X marcaram a posição política da artista.

A mulher mais bem paga da música em 2017 retorna ao Coachella no próximo sábado (21) para sua segunda – e última – apresentação nesta edição do festival. Enquanto o grande dia não chega, vale conferir o primeiro show no link

 

+ sobre o tema

AFROFLIX – um “netflix” que reúne apenas produções feitas por pessoas negras

Uma plataforma que disponibiliza conteúdos audiovisuais online com a condição de...

Festival Back2Black traz Prince ao Brasil após 20 anos

O cantor Prince foi anunciado nesta segunda-feira (11) como...

1,6 mil haitianos receberam visto para trabalhar e estudar no Brasil em 2011

O Ministério da Justiça (MJ) divulgou, nesta sexta-feira (6),...

Griôs da Dança: fortalecimento das mulheres negras capixabas

Griôs da Dança. Com a idéia inicial de praticar...

para lembrar

Umuntu ngumuntu nagabantu

Uma pessoa é uma pessoa por causa das outras...

Mesa da Irmandade – Table of Brotherhood – Martin Luther King Jr

Table of Brotherhood | Chevrolet Honors MLK | Spike...

20 de novembro: uma disputa pela memória histórica

Por Jana Sá* Preservar a memória coletiva como...
spot_imgspot_img

Majestosa, Lauryn Hill entrega show intenso e coroa história da Chic Show

"Não é só um baile black", gritou Criolo durante o terceiro show do festival Chic Show 50 Anos, no sábado (12). O rapper do...

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...

O atleta negro brasileiro que enfrentou o nazismo nas Olimpíadas de 1936

A poucos dias da abertura dos Jogos Olímpicos de Paris, em uma Europa cada vez mais temerosa com a agenda política de forças alinhadas...
-+=