bell hooks deixa uma obra extensa, afetuosa e de um valor inestimável

Trabalhos da intelectual têm um amor que propicia o desdobramento das ideias antirracistas e antissexistas

Um vazio se alastrou nas redes sociais entre pessoas e grupos do campo de estudos e ativismos que interseccionam raça, gênero e classe com a notícia da morte da crítica cultural bell hooks aos 69 anos nesta quarta-feira. Alguns pontos explicam as miríades de postagens.

Nascida no sul dos Estados Unidos, em Hopkinsville, no estado de Kentucky, no longo período de segregação racial e espacial, sua formação em literatura inglesa se ampliou para os estudos que articulam raça, gênero e classe enfocando mulheres negras. Esse espaço primordial de vivência, da mesma forma que outros pontos de sua trajetória, eram bastante acionados nos ensaios e capítulos relativamente curtos —para o padrão acadêmico brasileiro.

A entrada de seus textos no Brasil, no final dos anos 1990, foi lenta e esparsa, mas firme, via publicações feministas e, posteriormente, no horizonte da educação crítica. O processo atual de pesquisa, tradução e publicação de parte significativa de sua obra se justapõe à circulação dos trabalhos de autoras negras dos Estados Unidos e do Brasil.

Dois conjuntos temáticos podem ser ressaltados na sua obra. A primeira é a interseccionalidade, antes do conceito ter sido formulado, que foi tecida na sua produção e também nas de Angela DavisAudre Lorde, Lélia GonzalezBeatriz Nascimento.

Com todas as diferenças e desigualdades no que concerne a nação, raça e gênero, surge dessas intelectuais ativistas uma categoria analítica e metodológica feminista negra que passa a ter leituras variadas. Além disso, bell hooks elabora a noção de sistemas interligados de dominação —racismo, sexismo, classismo, ou elitismo— aos quais podemos acrescentar a segregação espacial.

A outra sequência temática de bell hooks diz respeito à educação crítica, na qual ela demarca sua aproximação com o pensamento de Paulo Freire, apontando a lacuna das questões de gênero na obra do pedagogo.

Três livros concentram suas ideias nesse campo, agregando a dimensão racial, pouco presente em debates acerca da educação –”Ensinando a Transgredir: A Educação como Prática da Liberdade”, “Ensinando Comunidade: Uma Pedagogia da Esperança” e “Ensinando Pensamento Crítico: Sabedoria Prática”.

Há outras proposições de hooks que reverberam na sociedade brasileira. Uma delas é a crítica da indústria cultural —cinema, televisão, música— em que a trama interseccional se reconfigura —seja na abordagem dos estereótipos ou das performances de artistas pop.

A outra é o amor, delineado como afeto político (uma proteção comunitária), por sua vez, suprimido a alguns segmentos desde o longo processo colonial e escravista. Literalmente, o afeto se tornou comum em seus ensaios, na verdade, em livros inteiros. Nesse bojo, cabe inserir os livros destinados a um público infantil.

+ sobre o tema

Falar de feminismo não é ideologia: é direito!

Só em 2014, a Central de Atendimento à Mulher...

Como a violência doméstica atinge as mulheres no Nordeste

Estudo mostra impactos da violência de gênero em capitais...

Lista de 20 situações machistas que mulheres vivem diariamente

Mesmo conquistando seu espaço a cada dia, as mulheres...

Eu sou trans e religiosa

“Há alguns anos eu estava na fila do ônibus,...

para lembrar

Do Quilombo à Universidade: As raízes da ativista Givânia Silva

A ativista denunciou poderosos do agronegócio e até hoje...

Dilma anuncia projeto de lei das domésticas dia 1º

O governo quer colher frutos políticos com os novos...

A dororidade e a dor que só as mulheres negras reconhecem

"Boa noite, Vilma. Seu livro mostrou meu não lugar......

Indianos criam super-heroína dos quadrinhos que foi vítima de estupro

por Geeta Pandey no BBC Um novo livro de quadrinhos que...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=