Brasil e Durban – 20 anos depois – O Livro

Artigo produzido por Redação de Geledés

Brasil e Durban – 20 anos depois é uma publicação do Centro de Documentação e Memória Institucional do Geledés – Instituto da Mulher Negra.

Este Centro nasce da necessidade de organização, sistematização e disponibilização do acervo histórico acumulado por Geledés em seus 33 anos de existência. Portanto, esse Centro tem por objetivo preservar e difundir a memória do protagonismo político de Geledés e dos movimentos negros e de mulheres com os quais compartilhou indignações e sonhos libertários na luta em defesa dos  direitos  humanos  de  mulheres  e negros no Brasil e no exterior.

Logo do centro de documentação de Geledés

Com a publicação Brasil e Durban 20 anos depois, buscamos resgatar as ações desenvolvidas pelas organizações da sociedade civil brasileira na construção de sua incidência política na III Conferência Mundial Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerâncias Correlatas, realizada em Durban, África do Sul, no ano de 2001. Visa a documentar para fins históricos, de aprendizagem e avaliação crítica os desafios e obstáculos enfrentados bem como as estratégias utilizadas por mulheres e homens afro-descendentes e seus aliados e aliadas para alcançarem os resultados inscritos na Declaração e Programa de Ação de Durban.

Nesse sentido, o presente documento é fruto de uma pesquisa documental robusta que detalha o processo rumo a III Conferência Mundial contra o Racismo enriquecido por entrevistas pessoais com participantes do processo: membros da diplomacia brasileira à época, militantes dos movimentos de mulheres negras, militantes dos movimentos negros, militantes de organizações  não  negras  da  sociedade  civil  brasileira  que  apoiaram  o  processo  e ainda  representantes de órgãos governamentais brasileiros, membros de organizações negras afro-latino-americanas, e representantes de órgãos financiadores  que  apoiaram  o  conjunto  de organizações  da  sociedade  civil  brasileira  em  sua  participação  no processo  da Conferência  Mundial de Durban.

Para a execução do resgate desse importante momento da luta de afro- brasileiros e afro-latino-americanos e caribenhos na Conferência de Durban contamos com a inestimável consultoria de Iradj Eghrari, que participou do processo de Durban desde o seu início como representante da Comunidade Bahá’í, uma das organizações que foram essenciais para a incidência política dos afrodescendentes brasileiros na Conferência de Durban.

Nas entrevistas mencionadas, realizadas especificamente  para este  documento no período entre março e abril de 202, foram obtidos subsídios  com olhares diversificados e complementares daquelas e daqueles que foram  protagonistas no processo trazendo sobre ele novas perspectivas analíticas  passados  vinte  anos.  A todas e  todos os entrevistados o nosso agradecimento por generosamente nos oferecerem seu tempo  e atenção ao concederem entrevista  ao consultor.

Esperamos que esta publicação, que consiste no relato de um dos momentos mais emblemáticos da luta de africanos e afrodescendentes contra o racismo contemporâneo e as sequelas do colonialismo, alcance o seu objetivo de informar e inspirar  as  atuais e futuras gerações  de  ativistas antirracista e antissexistas para a ação política coletiva essencial para que possamos produzir as transformações sociais que nos conduzam à efetivação da sociedade  justa e igualitária  pela  qual  tanto ansiamos.

Faça o download do arquivo PDF:

+ sobre o tema

Use sua arma mais poderosa: o voto!

Há poucos dias do pleito, a cédula eleitoral é...

“A chapa 11 é o direito à voz e a vez das advogadas negras”, diz Raquel Preto

Raquel Preto compõe como tesoureira a chapa "Coragem e...

O ministro, a estudante e a democracia que desejamos

O discurso do ministro Alexandre de Moraes realizado em...

para lembrar

Do social ao religioso, Jair de Odé constrói projetos socioeducativos na Cidade Tiradentes

A reportagem abaixo faz parte da série Geledés- Retratos...

“A Mangueira está ajudando a redimir Jesus”, diz pastora Lusmarina Garcia

A escola de samba carioca Estação Primeira Mangueira nem...

“O dia 25 de julho é um marco de luta para as negras”

por Kátia Mello Em sua quinta edição, é possível dizer...

Livro sobre Racionais é essencial para entender o impacto do grupo no País

O livro Racionais MC´s - Entre O Gatilho e A Tempestade (Ed. Perspectiva) é leitura obrigatória não apenas aos fãs de hip hop ­-...

“A raiz do machismo não se encontra isolada no mundo das artes; é um problema político e social que precisa seguir mudando.”

A escultora e artista gráfica francesa Camille Claudel (1864-1943), companheira do artista francês August Rodin, a romancista e poetisa americana Zelda Sayre (1900-1948), esposa...

Geledés ganha assento em comitê da ONU que pressiona o Brasil em relação às suas políticas econômicas e sociais

“É um espaço em que poderemos dialogar abertamente com as missões dos Estados, bem como absorver experiências de outras partes do mundo. Particularmente penso...
-+=