Bruno Covas cita protestos por João Pedro e George Floyd: “Racistas não passarão”

Enviado por / FonteCarta Capital

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), repudiou os assassinatos do menino João Pedro, de 14 anos, no Rio de Janeiro, e de George Floyd, nos Estados Unidos, e afirmou que “racistas não passarão”. A declaração ocorreu nesta quarta-feira 3, durante coletiva de imprensa com o governador João Doria (PSDB).
“Embora a gente esteja diante do maior desafio do planeta nos últimos 100 anos, que é a pandemia do coronavírus, mas diante dos recentes acontecimentos, dos assassinatos do menino João Pedro, no Rio de Janeiro, e de George Floyd, nos Estados Unidos, eu me sinto no dever, como prefeito da cidade de São Paulo e como cidadão, de falar sobre racismo”, afirmou.

O prefeito declarou que considera os protestos antirracistas nos Estados Unidos e no Brasil como “tocantes” e que trazem uma pauta urgente para a sociedade.

Leia Também: Letalidade da Rota cresceu 98% em 2019, segundo Ouvidoria da Polícia de São Paulo

“As cenas que vemos pelo mundo, de manifestações contra a discriminação e por justiça, são tocantes. Revelam que não podemos mais adiar, colocar para debaixo do tapete, esse tema tão fundamental para a nossa sociedade. Falar sobre racismo, conversar sobre ele, ensinar nossas crianças valores que rompam nossas amarras”, disse.

Bruno Covas destacou que a população de negros e pardos detém os piores indicadores socioeconômicos, o que revela a desigualdade racial no Brasil.

“A renda média dos brancos é mais do que o dobro da dos negros. A expectativa de vida chega a ser de oito anos a menos nos bairros mais pobres, onde grande parte da população negra vive. Os negros e pardos são 57% das vítimas de violência dos homicídios. Precisamos falar sobre o racismo, precisamos aprender sobre isso”, afirmou.

Leia Também: Em São Paulo, crianças e adolescentes na mira da polícia

Segundo ele, mesmo no impacto do coronavírus, há uma grande diferença: a população preta tem 37,5% maior de chances de óbito do que a população branca na cidade de São Paulo. Isso ocorre, ele explica, porque a população negra vive na periferia, onde a letalidade do vírus é maior, e pela prevalência na comunidade negra de comorbidades importantes, como a hipertensão e a diabetes.

“Jamais me senti discriminado. Jamais passei pelo constrangimento de explicar ao meu filho que ele poderia ser discriminado pela cor da sua pele. Mas reconhecer que o racismo existe, que está espalhado em nossa sociedade, pelas nossas casas, é fundamental. Não podemos apagar a história, mas podemos mudar a nossa visão sobre ela e construir um novo amanhã. Racistas não passarão”, completou.

 

Leia Também:

Número de mortos por policiais fora de serviço em 2016 é recorde em São Paulo

Mecânico morre após ser agredido por policial militar em São Paulo

+ sobre o tema

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

Miss é eliminada por ser mãe. Em que ano estamos?

Elas precisam ser lindas, altas e magras. Além disso,...

MinC seleciona projetos de hip-hop inscritos no Prêmio Cultura Viva

A Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério...

para lembrar

Lázaro Ramos causa alvoroço na Marcha contra Genocídio do Povo Negro em Salvador

Por: Marivaldo Filho O ator baiano Lázaro Ramos participou, na...

Justiça decreta prisão de major envolvido no caso Amarildo

Outros três policias envolvidos no desaparecimento e morte do...

A Bahia está mergulhada num mar de sangue

Postura radical é inaceitável para policiais acostumados a chutar...
spot_imgspot_img

Atirador mata três homens negros na Flórida; crime teve ‘motivação racial’, diz polícia

Um homem branco matou três homens negros do lado de fora de uma loja de descontos em Jacksonville, no estado americano da Flórida, em...

Ato em Copacabana pede justiça por rapaz morto em ação policial

Familiares, amigos, moradores da Cidade de Deus, artistas e apoiadores realizaram um ato, neste sábado (19), pedindo justiça por Thiago Menezes Flausino, 13 anos...

Justiça realiza audiência de instrução do julgamento dos PMs acusados de matar Kathlen Romeu

A Justiça Fluminense marcou para esta segunda-feira (29) uma audiência de instrução e julgamento dos PMs acusados de atirar contra a jovem Kathlen Romeu. Marcos Felipe...
-+=