Bruno Covas cita protestos por João Pedro e George Floyd: “Racistas não passarão”

Enviado por / FonteCarta Capital

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), repudiou os assassinatos do menino João Pedro, de 14 anos, no Rio de Janeiro, e de George Floyd, nos Estados Unidos, e afirmou que “racistas não passarão”. A declaração ocorreu nesta quarta-feira 3, durante coletiva de imprensa com o governador João Doria (PSDB).
“Embora a gente esteja diante do maior desafio do planeta nos últimos 100 anos, que é a pandemia do coronavírus, mas diante dos recentes acontecimentos, dos assassinatos do menino João Pedro, no Rio de Janeiro, e de George Floyd, nos Estados Unidos, eu me sinto no dever, como prefeito da cidade de São Paulo e como cidadão, de falar sobre racismo”, afirmou.

O prefeito declarou que considera os protestos antirracistas nos Estados Unidos e no Brasil como “tocantes” e que trazem uma pauta urgente para a sociedade.

Leia Também: Letalidade da Rota cresceu 98% em 2019, segundo Ouvidoria da Polícia de São Paulo

“As cenas que vemos pelo mundo, de manifestações contra a discriminação e por justiça, são tocantes. Revelam que não podemos mais adiar, colocar para debaixo do tapete, esse tema tão fundamental para a nossa sociedade. Falar sobre racismo, conversar sobre ele, ensinar nossas crianças valores que rompam nossas amarras”, disse.

Bruno Covas destacou que a população de negros e pardos detém os piores indicadores socioeconômicos, o que revela a desigualdade racial no Brasil.

“A renda média dos brancos é mais do que o dobro da dos negros. A expectativa de vida chega a ser de oito anos a menos nos bairros mais pobres, onde grande parte da população negra vive. Os negros e pardos são 57% das vítimas de violência dos homicídios. Precisamos falar sobre o racismo, precisamos aprender sobre isso”, afirmou.

Leia Também: Em São Paulo, crianças e adolescentes na mira da polícia

Segundo ele, mesmo no impacto do coronavírus, há uma grande diferença: a população preta tem 37,5% maior de chances de óbito do que a população branca na cidade de São Paulo. Isso ocorre, ele explica, porque a população negra vive na periferia, onde a letalidade do vírus é maior, e pela prevalência na comunidade negra de comorbidades importantes, como a hipertensão e a diabetes.

“Jamais me senti discriminado. Jamais passei pelo constrangimento de explicar ao meu filho que ele poderia ser discriminado pela cor da sua pele. Mas reconhecer que o racismo existe, que está espalhado em nossa sociedade, pelas nossas casas, é fundamental. Não podemos apagar a história, mas podemos mudar a nossa visão sobre ela e construir um novo amanhã. Racistas não passarão”, completou.

 

Leia Também:

Número de mortos por policiais fora de serviço em 2016 é recorde em São Paulo

Mecânico morre após ser agredido por policial militar em São Paulo

+ sobre o tema

MATO GROSSO DO SUL: Diretor anula suspensão de alunos em suposto caso de racismo

Fonte: Midiamax - por Valquiria Oriqui   Encamina-se para terminar bem o...

Pastores pentenconstal tocam fogo em templos indigena no Brasil

Pastores pentenconstal tocam fogo em templos indigena no Brasil....

França: cresce o número de canais étnicos de TV

Fonte: Chico Sant`Anna   Informa o jornal Le Monde, de 13/07/09...

para lembrar

PM pede a atriz Letícia Sabatella ‘termo de responsabilidade’ por defender jovens

Ganhou repercussão nas redes sociais um episódio envolvendo a...

Equidade e igualdade racial devem orientar ação dos Estados na resposta à COVID-19

Especialistas em direitos humanos das Nações Unidas disseram em...

Educação dos ricos também preocupa

É difícil imaginar o desenvolvimento de uma nação sem...

Aldo Rebelo e Luiza Bairros discutem igualdade racial em megaeventos esportivos

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, recebeu na...
spot_imgspot_img

Portões da universidade

"Nós queremos é que uma filha de uma empregada doméstica possa ser médica, possa ser dentista, possa ser engenheira. Nós não queremos uma sociedade...

Desaparecidos assombram país mesmo após redemocratização

Quando o presidente Lula assinou o decreto de reinstalação da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, no início de julho, emergiu como prioridade na retomada...

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...
-+=