Debates sobre racismo e branquitude marcam Encontro Feminista Latinoamericano e Caribenho

Três dias, mais de 2.060 mulheres credenciadas, 82 atividades autogestionadas, 30 países, 10 eixos temáticos de debate com suas respectivas assembleias, múltiplas manifestações culturais e um incontável número de reuniões paralelas. Assim foi o 14º Encontro Feminista Latino-americano e Caribenho, ocorrido entre 23 e 25 de novembro em Montevidéu, no Uruguai, com o tema “‘Diversas mas não dispersas”. Pela primeira vez em 36 anos, os debates sobre racismo no interior do feminismo e como os privilégios vivenciados por brancas ou não negras e indígenas são entraves para a efetiva emancipação das mulheres e reforçam as desigualdades sociais compuseram um eixo temático do Encontro.

por Luciana Araujo para o Geledés Instituto da Mulher Negra

Os principais objetivos do Encontros Feministas (EFLACs) são: contribuir com o fortalecimento da democracia na América Latina a partir da incorporação dos direitos humanos das mulheres nas agendas dos Estados e das sociedades, desde uma perspectiva feminista, e propiciar um espaço de discussão troca de experiências e vivências entre as diversas expressões do movimento feminista da América Latina e Caribe, como parte da sociedade civil organizada.

Neste 14º EFLAC o eixo 2 tratou do tema “Racismo e Discriminação: Interseccionalidade das opressões e das lutas”. Em debate, identidade racial e de gênero, vozes e expressões da resistência, corpos racializados, epistemologias feministas, empoderamento da estética negra, reconhecimento dos saberes ancestrais e a construção de subjetividades. Durante dois dias cerca de 100 mulheres negras, brancas e indígenas se reuniram para debater as múltiplas dimensões do racismo,e que questões o racismo apresenta para o futuro dos feminismos hoje e quais são as estratégias para enfrentar coletivamente o racismo no interior do movimento de mulheres e na sociedade.

Mulheres da Venezuela, Haiti, República Dominicana, Colômbia, Panamá, Peru, Argentina, Brasil, Bolívia, Guatemala, Porto Rico, com a participação também da queniana e presidenta  do Fundo Global para Mulheres (Global Fund for Women), Muzimbi Kanyoro, discutiram o exercício de poderes dos quais se beneficia também o feminismo não negro ao desconhecer as demandas das mulheres negras que desnudam as desigualdades de classe e raça existentes mesmo entre a parcela feminina da população. O nutricídio (homicídio provocado por alimentação) levado adiante pelos países capitalistas por meio do uso de agrotóxicos em larga escala que contaminam populações inteiras e afetam mais duramente os segmentos populacionais mais pauperizados (em sua maioria negros). E temas como saúde mental e física, combate à exotificação dos corpos e cabelos negros, feminismo indígena e decolonial.

Alice Esquivel, representante do Diálogo Político de Mulheres Afro-uruguaias e da UAFRO (União dos Universitárias, Técnicos e Pesquisadores Afro-uruguaios), ressaltou que “o diálogo foi o ponto de partida principal do encontro passado, mas o documento que saiu não trazia nenhuma palavra sobre nós e as indígenas. Ao questionarmos a resposta foi de problema financeiros. As perguntas que se colocam ao feminismo são: qual o conceito de igualdade de gênero que se prega, por que se não se efetiva a igualdade, entre quem e para quem? Senão não chegaremos lá”.

Coordenadora Executiva do Geledés – Instituto da Mulher Negra e participante da Marcha das Mulheres Negras de São Paulo, Nilza Iraci lamentou a participação de tão poucas mulheres brancas numa assembleia sobre branquitude, “o que compromete o diálogo sobre o que se propõe para o feminismo do século XXI”.  Falou sobre a armadilha da maneira indiscriminada como  utiliza-se o conceito de “diversidade” desde uma perspectiva pós-modernas, como se fossemos todas iguais, em raça, classe, cor e sexualidade, o que não é verdadeiro. As questões que esta assembleia coloca não são mais para nós, mas para o movimento feminista como um todo. Porque nós mulheres negras estamos avançando, independente do reconhecimento das mulheres brancas. E vamos continuar avançando, com ou sem elas”.

Neon Cunha, ativista transfeminista independente que atua na Marcha das Mulheres Negras em São Paulo chamou a atenção para a necessidade de debater que “a cisgeneridade é tão toxica quanto a branquitude. Reduziram nossos povos e nações da condição de rainhas e reis para corpos e raças, e a cisgeneridade faz o mesmo que a branquitude quando o feminismo viola vidas deslegitimando-as, afirmando ‘que elas não foram socializadas como mulheres’. Quando se diz que uma mulher trans não é mulher, onde a colocamos? Quais vidas esse feminismo diz proteger e salvar? Se há privilégios que categorizam vidas, temos também a exclusão de vidas. E num pais que é campeão de mortes de trans e travestis [como o Brasil], não se fala sobre saúde integral, mental, direitos sexuais e reprodutivos para a população trans.

Coordenadora da região do Cone Sul da Rede de Mulheres Afro, a uruguaia Vicenta Camuso destacou que “nós incorporamos a agenda do movimento feminista, porque é nossa, mas o movimento feminista não incorporou ainda de forma natural e sincera politicamente as nossas agendas de mulheres negras. É um desafio difícil, mas o futuro nos coloca algumas questões muito importantes para a região, como racismo e democracia. Como o movimento feminista vai incorporar em sua demanda por democracia o racismo, a participação cidadã de nós mulheres negras? A democracia só existe se é para todas. No Cone Sul estamos vivendo tempos difíceis nos quais o movimento feminista tem que incorporar o que ninguém gosta: falar de racismo, violência racial e estados racistas como Uruguai, Argentina, Chile, Brasil.

Para Muzimbi Kanyoro “os obstáculos em nosso caminho não são problemas nossos, quando as pessoas são racistas o problema é delas. Temos direito de que nada interfira em nossa sexualidade, que tenhamos oportunidades na saúde, na educação. Esses são os obstáculos em nosso caminho. Não queremos mudar a cor da nossa pele. O que queremos mudar são as condições em que vivemos”.

Apesar da baixa participação de mulheres não negras e/ou indígenas, as que estiveram presentes assimilaram que “o simples fato de sermos mulheres brancas nos coloca num lugar de privilégio onde quer que estejamos e seja o que estivermos fazendo. É importante a autorreflexão e ter sempre muito mais cuidado e reflexão, mas só a contribuição individual não vai resolver o problema, temos que enfrentar esse sistema que oprime e violenta as mulheres negras todos os dias, porque não pode haver feminismo revolucionário, transformador, democrático se esse feminismo não enfrentar que o enfrentamento ao racismo merece nossa dedicação e compromisso cotidiano. Não para ocupar o lugar de fala das mulheres negras, mas para junto com elas podermos dar um passo adiante para derrubar esse muro violento que é o racismo&rdquo ;, como afirmou  uma das  facilitadoras da assembleia, Schuma Schumaher.

O debate consolidou a compreensão de que o feminismo tem o desafio de gerar estratégias não só para “incluir” as mulheres negras, mas para afetivamente fortalecer este segmento populacional que vive a tripla opressão de raça, classe e gênero.

Entre as proposições aprovadas consensualmente está a de que até o próximo EFLAC as feministas brancas se reúnam para discutir os privilégios da branquitude e a necessidade encarar a reprodução do racismo dentro do feminismo e posturas concretas para enfrentar e superar os mecanismos discriminatórios que ainda permanecem no interior do movimento de mulheres.

Por um feminismo antirracista, descolonizado, enegrecido e transgenerizado

No sábado pela manhã a plenária final do EFLAC compartilhou os documentos das 10 assembleias temáticas ocorridas nas manhãs de quinta e sexta-feiras.   O resultado das discussões do Eixo 2 foram apresentados por Lucia Xavier e Schuma Shumaher, coordenadoras da atividade:

Apresentação dos resultados da Assembleia que tratou do Racismo, Discriminações e privilégios da Branquitude no XIV EFLAC

Foi uma discussão muito rica, porém difícil, como é o Racismo.

Estiveram  presentes muitas negras/afro latinas, poucas indígenas e poucas brancas e ou não negras, o que foi lamentado nas falas de muitas presentes.

Falamos de que os feminismos na América Latina estão em um constante movimento de transformação face aos contextos em que atuamos, devido a presença de novos cenários, novas perspectivas e novos olhares críticos,  sobre o que tem sido a reflexão e ação feminista  nas últimas décadas.

Estas mudanças tem contribuído para o enriquecimento e a ampliação da democracia no interior dos movimentos, ao mesmo tempo que provocam várias tensões, e entre elas a tensão relacionada com o reconhecimento da diversidade e das desigualdades entre nós, e da necessidade da redistribuição do poder e dos recursos.

Lembramos que, se por um lado os feminismos da região tem feito sua crítica radical a uma perspectiva universalista que coloca a todas as mulheres como iguais, muitas vezes tornam invisíveis suas diferenças de classe, raciais/étnicas, sexuais, geracionais e de cosmovisão.

Dessa forma, os feminismos afro latinos, de mulheres negras, os feminismos indígenas, os feminismos lésbicos e transexuais estão aportando a ampliação das democracias e das cidadanias a partir de práticas concretas e da produção de conhecimentos que abrangem as experiências de viver o racismo e a discriminação.

Os movimentos de LBTIQ estão aportando às lutas feministas em suas lutas por direitos sexuais e reprodutivos; o reconhecimento do corpo como sujeito dotado de cidadania e, portanto, de direitos.

Portanto, reconhecemos que o RACISMO é estruturante das desigualdades e opressões e provocam múltiplas formas de exclusão em razão da raça, etnia e povos indígenas;

Reconhecemos que a branquitude – no sentido de vivência dos benefícios e privilégios – é uma construção sócio histórica produzida pela ideia falaciosa de superioridade racial branca; provocando, muitas vezes uma zona de conforto, um lugar constante de privilégio social, material ou simbólico;

Reconhecemos que somente a crítica não nos tira do lugar de conforto; que é preciso mais do que o incômodo com as práticas racistas;

Ou seja: Não é possível enfrentar o RACISMO se não discutirmos os privilégios que o sistema eurocêntrico, colonialista confere à branquitude. Trata-se de um grave problema, uma violência contra as mulheres negras e indígenas e que as feministas brancas e não negras tem o dever de descontruir.

Entendendo que:

O feminismo, desde suas diferentes expressões, deve responder ao desafio da transformação das distintas exclusões e, portanto, do enfrentamento da discussão sobre o racismo, o cissexismo, da discussão, ainda tabu, da relação patroa/empregada e da precariedade e das condições do trabalho doméstico;  da difícil incorporação da defesa dos direitos das trabalhadoras do sexo; ou seja o desafio de gestionar democraticamente a diversidade, se quiser, de fato,  acabar com as desigualdades;

Para vencer esses desafios as participantes da Assembleia apresentaram algumas propostas:

O Movimento Feminista deve se declarar antirracista. Deve descolonizar-se, enegrecer-se e transgenerizar-se;

O feminismo tem o dever de abraçar a luta antirracista e denunciar a cultura falaciosa da cordialidade que limita a cidadania negra e mantém a desigualdade;

O Feminismo deve rever suas concepções e explicitar o que entende por desigualdade;

O Feminismo deve tratar dos privilégios produzidos pela branquitude promovendo, inclusive,  reflexão  e espaços de diálogos entre as mulheres brancas ou não negras sobre essa questão.

O Feminismo deve tornar o enfrentamento do racismo e das discriminações contra as mulheres negras e indígenas uma questão de prioridade estratégica nos espaços e processos de luta do movimento feminista;

O Movimento Feminista deve, urgentemente, tanto nas reflexões como nas metodologias de participação, incorporar o entendimento sobre os privilégios que a branquitude confere às mulheres brancas; bem como promover a redistribuição do poder nos mesmos movimentos feministas e não só na sociedade;

O Feminismo deve potencializar estratégias transgressoras e contraculturais que confrontem os desníveis de poder entre as mulheres em sua diversidade, na sociedade e nos feminismos e considere a equivalência das lutas feministas políticas a partir das múltiplas e diversas realidades que vivem as mulheres;

O Feminismo deve abraçar o conceito de interseccioalidade para compreender as múltiplas opressões sofridas pelas mulheres negras e não brancas e construir espaços de diálogos e saberes, gerando culturas políticas contra o racismo, o cissexismo, e a discriminação,

O Feminismo deve radicalizar o que entende sobre democracia e enfrentar o racismo  e o cissexismo.

O Movimento Feminista deve Incorporar no debate sobre as violências sofridas pelas mulheres, a dimensão da violência racial.

O Movimento Feminista deve repudiar publicamente o racismo e seus efeitos perversos na vida das mulheres, posicionando-se contra a violência, o genocídio e o  encarceramento, o não reconhecimento dos direitos, a discriminação e lutar pela redistribuição dos bens, dos serviços e do poder.

O Movimento Feminista deve colocar na sua agenda o enfrentamento às desigualdades raciais entre nós, mulheres, incluindo essa dimensão nas pautas de luta pela saúde, educação, moradia, direito à terá, ao território e acesso à água entre outras;

Deve abraçar o conceito de interseccionalidade para compreender as múltiplas opressões sofridas pelas mulheres não brancas e construir espaços de diálogos e saberes, gerando culturas políticas contra o racismo, o cissexismo, e a discriminação;

Deve incluir o respeito às culturas tradicionais e à história dos povos indígenas.

Por fim, as mulheres feministas em sua diversidade reivindicam fazer parte de todo o processo. Pensar, elaborar, executar e construir espaços de reflexão;  e usufruir dos resultados.

E, nesse sentido, necessitam ser ouvidas, acolhidas e de tradução em todas as línguas que falamos nos Encontros Feministas.

Montevidéu, 25 de novembro de 2017.

Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres.

 

Como parte das atividades no XIV EFLAC Organizações de Mulheres negras lançam projeto de monitoramento dos ODS e ODMs

 

Durante o 14º Encontro Feminista Latinoamericano e Caribenho uma atividade convocada na tarde da sexta-feira (24) lançou o projeto “Mulheres Negras do Cone Sul: seu retrato em preto e branco”. Iniciativa formulada numa aliança regional da organizações Geledés (SP), Criola (RJ), Coletiva de Mulheres (do Uruguai), do Coletivo de Mulheres Afrodescendentes Luanda (de Arica, no Chile) e da Rede de Mulheres Afro Matambas (Argentina), o objetivo é analisar comparativamente os dados de gênero e raça dos últimos censos de Argentina, Brasil, Chile, Uruguai e Paraguai com vistas a avaliar o cumprimento das metas dos Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODSs) e os Objetivos do Milênio da Organização das Nações Unidas. Com esse material pretende-se verificar com base em dados internacionalmente reconhecidos a situação das populações negras da região do Cone Sul na perspectiva de construir exercícios de incidência para a consecução de políticas públicas de enfrentamento ao racismo.

Embora saiba-se que há na região estudada países em que a sistematização de tais dados tiveram escassos avanços, como no Chile e no Paraguai, e que há uma situação de paralisia das políticas de enfrentamento ao racismo em nações Brasil, Argentina e Uruguai, as organizações avaliam que será possível municiar as articulações e organizações antirracistas para a demanda de políticas públicas na perspectiva da Agenda 20-30 da ONU.

A atividade contou com a participação de mais de 60 mulheres representando dezenas de redes e coletivos de mulheres negras, afrolatinas e indígenas de toda a América Latina.

14-EFLAC-GELEDES

+ sobre o tema

25 de julho: Dia da Mulher Negra da América Latina e do Caribe – Por: Fátima Oliveira

Em 1992, em Santo Domingo, na República Dominicana, realizou-se...

Repensando a Interseccionalidade

Esse breve texto é organizado a partir do pensamento...

para lembrar

O feminismo instrumentalizado para ilusionismo da dominação, por Dalmoro

Na França, Elisabeth Badinter já criticava radicalismo de estadunidenses...

Homossexuais dizem ter sido expulsas de bar após beijo no Rio

Estudante afirma que homem a sacudiu pelo ombro. Estabelecimento diz...

Biblioteca Cora Coralina, em São Paulo, ganha primeira sala com foco na temática feminista

A Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, em...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=