Dois homens são libertados nos EUA, após 39 anos presos injustamente

A testemunha tinha 13 anos à época e, recentemente, admitiu que foi forçada pela polícia a dizer que os dois eram culpados por um assassinato ocorrido em 1975

Do: Revista Fórum

presos1-300x189

Um juiz de apelação civil do condado de Cyyahoga, nos Estados Unidos, retirou as acusações contra Ricky Jackson, de 57 anos, e Wiley Bridgeman, de 60. Eles ficaram presos durante quase 40 anos e foram liberados nesta sexta-feira (21), após serem inocentados de um assassinato ocorrido em 1975.

O homem que atuou como testemunha tinha 13 anos à época. Ele recuou no ano passado e reconheceu que foi forçado pela polícia a dizer que os dois, juntamente com o irmão de Bridgeman, tinham matado o empresário Harry Franks.

Promotores apresentaram na quinta-feira uma petição para suspender todas as acusações contra os três homens, que inicialmente foram sentenciados à morte. Depois, a pena passou à prisão perpétua. Ronnie Bridgeman, de 57 anos, e que agora se chama Kwame Ajamu, foi solto em janeiro de 2003 e compareceu à audiência dos outros dois homens na sexta.

“A língua inglesa nem serve para descrever o que estou sentindo”, disse Jackson à imprensa. “Estou eufórico. Você se senta na prisão por tanto tempo e pensa nesse dia, mas quando ele realmente chega você não sabe o que vai fazer, você apenas quer fazer alguma coisa”.

Wiley Bridgeman afirmou nunca ter perdido a esperança de que seria libertado um dia. “Você continua lutando, continua tentando”, disse, emocionado. Segundo palavras do promotor do condado, Tim MCGinty, sobre o caso, “o Estado admitiu o óbvio”.

+ sobre o tema

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde,...

para lembrar

Violência policial mobiliza ONU e europeus contra governo Bolsonaro

A violência policial abre uma ofensiva internacional contra o...

Execução sumária

Foi na exibição final de “Macacos”, monólogo que rendeu...

“O Rio está farto de GLOs, ocupações e intervenções militares”, diz ex-secretário de Segurança Nacional

Luiz Eduardo Soares, ex-Secretário Nacional de Segurança Pública na...
spot_imgspot_img

Posicionamento: pela divulgação do Relatório de Monitoramento de Violações na Baixada Santista

Geledés -Instituto da Mulher Negra apoia a Comissão Arns e as organizações da sociedade civil no repúdio às execuções sumárias e com exigência de...

Entidades denunciam execuções, invasões ilegais de casas e abusos durante operação da PM na Baixada Santista

Entidades de defesa dos direitos humanos e institutos ligados à segurança pública entregaram na noite desta segunda-feira (26), ao procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, um...

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...
-+=