Dono de bar é indiciado por injúria racial ao questionar se estudante negra tinha raposa no cabelo, em Goiânia

Enviado por / FontePor Rafael Oliveira, Do G1

Defesa de Seu Chaguinha, como é conhecido, disse que ele não teve intenção de ofender a cliente. Constrangida, a jovem pagou a conta e foi embora: 'Não vou prender o meu cabelo ou tentar me embranquecer'.

O dono do bar “Buteko do Chaguinha”, Francisco Chagas de Almeida, em Goiânia, foi indiciado nesta sexta-feira (29) por injúria racial. Ele foi investigado pela Polícia Civil após questionar se a estudante negra Sarah Silva Ferreira tinha uma raposa no cabelo, que é usado no estilo black power.

“Ele me disse: ‘Vim conferir para ver se era gente mesmo ou uma raposa na sua cabeça”. Depois, começou a gargalhar”, relatou a jovem.

O advogado Rogério Leal, que defende Francisco Chagas no processo, disse ao g1 que o Seu Chaguinha, de 74 anos, como é conhecido, não teve intenção de ofender a estudante. “Ele é muito brincalhão. Inclusive, ele quer pedir perdão para ela por causa da brincadeira de mau gosto”, disse Leal.

A estudante estava no bar, localizado no Setor Jardim América, com a irmã e uma amiga, quando o dono do comércio chegou à mesa, a ofendeu e começou a gargalhar, segundo Sarah. O constrangimento aconteceu em 31 de outubro do ano passado.

Só queria ter aproveitado fora de casa uma noite com minha irmã e uma amiga que não via há anos. Eu não vou prender o meu cabelo ou tentar me embranquecer”, desabafou a estudante em rede social, à época do caso.

O delegado Manoel Borges de Oliveira ouviu a estudante, a irmã dela e a amiga, que confirmaram o comentário constrangedor. Já o Seu Chaguinha usou o direito de ficar em silêncio durante o depoimento.

“Feito isso, com as provas colhidas para inferir que, de fato, o proprietário cometeu o crime de injúria racial, fiz o indiciamento. A irmã da estudante mora no Pará e tive de pegar o depoimento dela por meio de carta precatória, o que era indispensável para a investigação”, informou o delegado.

Relato à polícia

Sarah Ferreira registrou uma ocorrência online na 7ª Delegacia de Polícia Civil de Goiânia. Segundo o documento, as ofensas foram acompanhadas de muitos risos e deboche pelo dono e por outro cliente do bar. Constrangida, a jovem pediu a conta para ir embora.

“Estranhando a rapidez do pedido, pessoas que ali laboram perguntaram se havia ocorrido algo e, ao ouvirem o relato, disseram não ser a primeira vez que uma situação dessa natureza acontecia no local”, diz trecho do boletim de ocorrência.

De acordo com o Código Penal, o crime de injúria racial é ofender alguém com base em sua raça, cor, etnia, religião, idade ou deficiência. Em seu artigo 140, descreve o delito como conduta de ofender a dignidade de alguém, e prevê como pena, a reclusão de 1 a 3 anos de reclusão ou multa.

+ sobre o tema

Proibição de ações policiais teria poupado vida de João Pedro

"Eu só quero é ser feliz, andar tranquilamente na...

O suco de preconceito de Guedes

Na categoria dos trabalhadores domésticos, não há vestígio de...

Sobre macacos, bananas, Daniel Alves e Neymar: Não somos macacos, porra! – Por: Higor Faria

No último domingo (27/04), durante o jogo entre Barcelona...

Moradores da Maré querem desculpas do governo pela operação policial

Moradores do Complexo da Maré querem um pedido oficial...

para lembrar

Para cantar na posse de Trump, cantora exige música sobre intolerância e racismo

Rebecca Ferguson recebeu um convite para cantar na posse...

Os dalits, os negros e os pobres

Fonte: Jornal da ManhãPor Julio C.O. Bernardo ...

Governo dos EUA estimula vigilância coletiva; racismo cresce

O Departamento de Segurança Interna dos EUA acaba de...

Adolescentes denunciam preconceito racial dentro de escola estadual; caso de injúria qualificada é investigado

Adolescentes denunciaram terem sido vítimas de preconceito racial em...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=