E se os mortos da Maré fossem do Leblon? – Mário Magalhães

Foi nesta semana, mas, a considerar o noticiário, parece que ocorreu no século retrasado: depois de um sargento do Bope ser morto por traficantes, a PM invadiu uma favela do complexo da Maré, aqui no Rio, e matou nove pessoas. Duas não tinham antecedentes criminais, como um garoto de 16 anos. O governo prometeu investigar as circunstâncias.

Se os dois mortos sem vinculação comprovada com a bandidagem fossem moradores do Leblon, será que a cobertura jornalística teria se extinguido tão rápido?

blog-bala-na-favela

Bala na favela não é de borracha

Será que as autoridades e o jornalismo falariam em “excessos”, como agora, ou em possíveis “crimes”?

Quantos editoriais não haveria nos jornais, nas TVs, nas rádios e na internet?

Quantos bambambãs já não estariam alardeando a existência de um “Estado policial” no Brasil?

Informados pelos meios de comunicação, quantos milhares de estudantes não promoveriam greves exigindo o esclarecimento dos fatos?

Quantas senhoras não lançariam campanhas com o mote “Podia ser seu filho”?

E as passeatas, não seriam talvez maiores do que as que tomaram as ruas na semana passada?

Quantas denúncias de extermínio haveria por minuto?

Seriam publicadas reportagens falando em um “menor” morto, como li, ou ele teria nome, idade, sua história contada?

Quanto tempo demoraria para que tudo fosse esquecido, sobretudo a cobrança por apuração?

Mas o garoto era da Maré, e não do Leblon.

 


 

Mário Magalhães nasceu no Rio em 1964. Formou-se em jornalismo na UFRJ. Trabalhou nos jornais “Folha de S. Paulo”, “O Estado de S. Paulo”, “O Globo” e “Tribuna da Imprensa”. Recebeu mais de 20 prêmios. É autor da biografia “Marighella – O guerrilheiro que incendiou o mundo”.

 

Matérias relacionadas

Conselho da ONU recomenda fim da Polícia Militar no Brasil

Valmir Assunção denuncia morte de ativista de 15 anos contra o racismo

Quem vai protestar contra o assassinato de inocentes na Favela da Maré?

Desmilitarização da polícia, a pauta urgente – Por Sylvia Moretzsohn

 

Fonte: Blog do Mario Magalhães

+ sobre o tema

Protesto contra racismo mobiliza sindicalistas no Leblon, Rio

Ato foi realizado em frente a supermercado onde gerente...

O carnaval vai esconder a Salvador de verdade

Salvador se prepara para sediar aquele que é chamado...

USP adere cotas, mas racismo ainda é determinante na academia

CONSELHO DA USP (Universidade de São Paulo) aceitou a...

para lembrar

Os negros excluídos e os negros esquecidos

Mônica Francisco * Fico pensando em que outro país sem...

Blogueira enumera as cinco cantadas racistas mais comuns

"Você é uma morena muito bonita." "Você tem os...

A questão é racial, cara pálida!

Estados Unidos mais uma vez em chamas com os...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=