Geledés na ONU

Enviado por / FonteKátia Mello

Artigo produzido por Redação de Geledés

Uma comissão de Geledés-Instituto da Mulher Negra embarca neste próximo final de semana à Genebra, na Suíça, para submeter o Relatório Sombra à 76ª Sessão da Convenção contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanas ou Degradantes (CAT) da ONU, que acontece na segunda-feira 17 de abril. 

Pela primeira vez na ONU, uma organização de combate ao racismo e sexismo irá realizar esse recorte específico na referida convenção para aportar dados, identificar violações sistemáticas e casos emblemáticos de tortura contra a população negra no Brasil.

Geledés urge que o comitê da ONU demande do Estado brasileiro o efetivo cumprimento do CAT como um dispositivo constitucional, banindo por vez o projeto de extermínio da população negra. Nesse sentido, Geledés reforçará a ideia perante a ONU de que no Brasil existe um projeto de extermínio da população negra brasileira tendo a tortura como um de seus instrumentos.

CASOS DE TORTURA

Casos de tortura contra a população negra no Brasil serão apontados neste relatório. Um caso emblemático é o de Luana Barbosa, lésbica negra não feminizada, mãe e periférica. Luana foi morta aos 34 anos, em 2016, por lesões cerebrais provocadas por três policiais militares que a espancaram na esquina de sua casa, no bairro Jardim Paiva II, zona Norte de Ribeirão Preto. Os policiais alegaram que ela “exigiu morrer dizendo que era lésbica, que era mulher”. O caso foi acompanhado diretamente pela equipe de advogados de Geledés. 

“Estamos chegando à ONU com documentação farta sobre casos evidentes de tortura contra a população negra no Brasil. Casos gravíssimos já foram denunciados na ONU por Geledés, como o assassinato de Luana Barbosa dos Reis, mulher negra, periférica, lésbica e mãe, que faleceu em consequência de isquemia cerebral dias depois de ser brutalmente espancada por policiais militares em Ribeirão Preto. Há diversas situações emblemáticas, como o de pessoas negras resgatadas em situações análogas à escravidão”, diz Maria Sylvia de Oliveira, advogada e coordenadora de Políticas de Promoção da Igualdade de Gênero e Raça.

Constam ainda da documentação provida por Geledés o caso dos 207 homens que foram recrutados na Bahia pela empresa Fênix Serviços Administrativos e Apoio à Gestão de Saúde LTDA, que prestava serviços para as vinícolas Aurora, Cooperativos Garibaldi e Salton, no Rio Grande Sul.  

Esses trabalhadores, que relataram episódios de violência, como surras com cabo de vassoura, mordidas, choques elétricos e ataques com spray de pimenta, segundo dados do Ministério do Trabalho e do Emprego, são negros. O ministério é bastante específico em relação a isso: 56% destes trabalhadores têm entre 18 e 29 anos, 95% são negros, 93% são nascidos no Estado da Bahia, e 61% não concluíram o ensino fundamental ou são analfabetos.

Embora o Brasil possua leis e mecanismos legais dedicados à proteção e garantia dos direitos de crianças e adolescentes, políticas racistas permeiam as ações e omissões do Estado também em relação ao trabalho infantil, outra grave violação que recai desproporcionalmente sobre a população negra. Neste sentido, o Relatório Sombra destaca dados de 2019 que apontam 1,8 milhão de crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil, sendo que a grande maioria, 66,1%, é de negros.

No relatório, Geledés também irá apresentar o caso revelado na mídia em agosto de 2022 de William de Jesus Conceição, de 24 anos, um dos dois rapazes que acusam o dono e o gerente de uma loja de Salvador (BA) de tortura e de marcar nas mãos deles com ferro quente o número 171, em referência ao artigo do Código Penal que trata do crime de estelionato. O rapaz negou a suposta acusação do ex-patrão de que ele teria furtado R$ 30 de loja.

O Relatório Sombra a ser entregue por Geledés na ONU, também inclui, de forma transversal, análises interseccionais (considerando gênero, raça e classe) da realidade brasileira e contempla, de forma complementar, os compromissos assumidos pelo Estado brasileiro no Programa de Ação de Durban, aprovado na III Conferência Mundial Contra o Racismo. 

Porta-voz:

Para falar sobre os casos de torturaPorta-voz de Geledés: Maria Sylvia Aparecida de Oliveira – Advogada e coordenadora de Políticas de Promoção da Igualdade de Gênero e Raça

+ sobre o tema

“Precisamos repensar a escravidão, porque o que aprendemos nos livros são mentiras” diz Sheila S Walker

Por Kátia Mello A antropóloga afro-americana e diretora executiva da...

“Trabalhar a literatura de Carolina Maria de Jesus foi imprescindível para descolonizar olhares”

Silene Barbosa mergulhou na história da escritora negra Carolina...

Quilombolas do Rio Grande do Sul pedem socorro para receber alimentos

“Os alimentos não estão chegando às comunidades quilombolas. Estamos...

O samba que virou cesta básica

A reportagem abaixo faz parte da série Geledés- Retratos...

para lembrar

“Há uma lógica racista do Estado brasileiro com as comunidades quilombolas” diz Danilo Serejo

Uma terrível ameaça de despejo acontece contra 800 famílias...

A costura das máscaras se tornou o sustento da família de Janaína

Costureira e moradora da Cidade Tiradentes, bairro periférico de...

“O dia 25 de julho é um marco de luta para as negras”

por Kátia Mello Em sua quinta edição, é possível dizer...

“Nos EUA, houve um aumento nas taxas de detenção entre negros e latinos, o que me levou à uma nova pesquisa” diz Natalie Byfield

Natalie Byfield, de 59 anos, socióloga e professora associada do Departamento de Sociologia e Antropologia da Universidade St. John, em Nova York, deu uma...

Luto que marcou a vida de Maria é transformado em luta

Com uma trajetória marcada por situação análoga à escravidão e perdas familiares, Maria dá a volta ao se tornar uma líder comunitária na Cidade...

“Falar de intolerância é fundamental, pois ela é o maior mal dos novos tempos”, diz Susanna Lira, cineasta

Em tempos de ascensão da intolerância no Brasil, os filmes e séries da cineasta Susanna Lira se tornaram mais do que relevantes. São hoje...
-+=