Gênero e saúde: o papel das mulheres negras nas práticas de cura da medicina tradicional africana

GÊNERO E SAÚDE: o papel das mulheres negras nas práticas de cura da medicina tradicional africana – um estudo da comunidade negra em Palmeirândia Maranhão

 

Maria da Conceição Pinheiro de Almeida

Universidade Federal do Maranhão

Elizabeth Sousa Abrantes

Universidade Estadual do Maranhão

No Brasil, dentre as várias dificuldades para a garantia de direitos à população mais pobre, constituída em sua maioria pela população negra, destaca-se a área da saúde. As razões dessa desigualdade social são históricas e associadas a fatores políticos, econômicos e socioculturais, o que tem resultado num processo de exclusão social, com a dificuldade de acesso aos requisitos básicos da cidadania. Segundo Batista (2002, p. 11), ainda são poucos os estudos em nosso país que abordem a questão dos diferentes perfis de classe social e cor nos indicadores de saúde. Geralmente as abordagens incorporam principalmente o aspecto da desigualdade socioeconômica, e os resultados apontam que “a mortalidade é inversamente proporcional à classe social, isto é, quanto mais alta a classe social menor a mortalidade e vice-versa”.

No que diz respeito aos indicadores de classe e gênero, os estudos também dificilmente incorporam em suas propostas as especificidades da saúde da mulher negra. Ainda são recentes os estudos com a utilização do conceito de gênero para estudar a saúde e a doença. Os que existem geralmente mostram as condições sociais, estilo de vida, e como o conhecimento sobre saúde interferem no processo saúde/doença.

No entanto, dada a invisibilidade da atuação das mulheres na sociedade (invisibilidade social do trabalho das mulheres, da saúde das mulheres, da participação das mulheres na política), as desigualdades prevalecentes entre elas levam, num primeiro momento, a privilegiar nos estudos as questões específicas da saúde reprodutiva (BATISTA, 2002, p. 55).

{rsfiles path=”Genero_e_saúde_Maria_da_c_p_de_almeida_e_Elizabeth_s_Abrantes.pdf” template=”default”}

Fonte: Xincolab

+ sobre o tema

EUA: um dos países mais violentos para mulheres visitarem no mundo

Gabby Petito, Christy Giles e Hilda Cabrales — três jovens...

Maior desafio de Dilma é vencer o machismo

Muitos  desafios estão no caminho deste novo governo Dilma...

‘Vamos continuar resistindo’, diz Luedji Luna sobre dificuldades da mulher negra na música

Misturando diversos ritmos africanos e brasileiros nas suas composições,...

para lembrar

Homem coloca fogo em mulher grávida de oito meses em Osasco

Vizinhos disseram que ela era vítima constante das agressões...

Documentário aborda Toni Morrison, primeira autora negra a ganhar o Nobel

'The Pieces I Am' reconta a vida da autora...

7 empresárias negras brasileiras que você precisa conhecer agora

O mundo empresarial também conta com mulheres negras. Não...
spot_imgspot_img

Brasil registra um crime de estupro a cada seis minutos em 2023

O Brasil registrou um crime de estupro a cada seis minutos em 2023. Com um total de 83.988 casos de estupros e estupros de...

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...
-+=