Justiça decreta a prisão dos seguranças de supermercado que chicotearam jovem negro e pobre

A justiça acaba de decretar a prisão dos dois seguranças do supermercado Ricoy acusados de torturar um jovem de 17 anos, negro e pobre, que vive nas ruas, pego com uma barra de chocolate furtada de uma das lojas na Zona Sul de São Paulo.

Por Joaquim de Carvalho, do DCM

Imagem: Getty Images/iStockphoto

Foi o tipo de furto definido pela legislação como “famélico”, em que o autor nem é condenado. Neste caso, se tratava também de um menos de idade, que vive nas ruas desde os 12 anos.

“Há fortes elementos ligando os representados à autoria do crime de tortura”, escreveu a juíza Tatiana Saes Valverde Ormeleze, do Fórum Central Criminal da Barra Funda, em São Paulo, em seu despacho de cinco páginas.

Os seguranças são David de Oliveira Fernandes, que a vítima identificou como Neto, e Valdir Bispo dos Santos, que prestavam serviços para a KRP Valente Zeladoria Patrimonial, contratada pelo supermercado.

O crime foi denunciado ao 80o Distrito Policial em São Paulo depois que o vídeo com as cenas da tortura viralizou na internet. As imagens foram gravadas por um dos seguranças, e compartilhadas através de rede social.

Inicialmente, o adolescente silenciou diante da tortura e só foi à delegacia depois que recebeu o apoio do advogado Ariel de Castro Alves, do Conselho Estadual dos Direitos Humanos.

O jovem havia sido ameaçado: se denunciasse o caso à polícia, seria morto. Nas imagens gravadass, é possível ouvir a voz e a risada dos seguranças.

A vítima aparece sem camisa, com a calça arriada e um lenço preso à boca com fita adesiva. Ele tenta se proteger enquanto toma os golpes.

“Tira a mão!”, diz um dos seguranças, antes de um deles bater com mais força. Os homens ordenam que o garoto vire de costas após o golpe.

Um deles comenta: “não pegou, não”, enquanto o adolescente chora.

“Vai tomar mais uma”, continua o autor dos golpes, “para não ter que te matar, moleque.”

A juíza também expediu mandado de busca e apreensão nos endereços do seguranças, bem como no supermercado onde houve a tortura.

Para o advogado Ariel de Castro Alves, a decisão judicial é “muito importante, pois reconhece a gravidade do crime de tortura contra o menino negro e em situação de rua.”

“Que o caso sirva de exemplo para coibir outras prática de tortura. Esses casos, infelizmente, ocorrem com frequência, mas dificilmente são filmados e acabam acobertados, e os criminosos ficam impunes”, acrescentou Ariel, que é também membro da Ação dos Cristãos contra a Tortura.

A prisão decretada pela juíza é válida por trinta dias e pode ser prorrogada por igual período ou convertida em prisão preventiva.

O supermercado Ricoy divulgou nota sobre a ocorrência:

“Em relação aos fatos lamentáveis registrados em vídeo divulgado amplamente, o Ricoy Supermercados esclarece o seguinte:

1 – Ficamos chocados com o conteúdo de uma tortura gratuita e sem sentido em cima do adolescente vítima.

2 – O Ricoy desde sua fundação na década de 1970 exerce os princípios mais rígidos de valorização do ser humano, seja em nossas lojas ou em nossa comunidade. Ficamos muito abalados com a notícia que nos causou repulsa imediata.

3 – Os dois seguranças acusados de praticarem os atos são de empresa contratada terceirizada e não prestam mais serviço para nossos supermercados.

4 – Para manter nossa coerência em contribuir com as investigações, nesta terça-feira (3), um funcionário da loja Yervant Kissajikian, 3384, prestou depoimento no 80º Distrito Policial.

5 – O Ricoy já disponibilizou uma assistente social para conversar com a vítima e a família. Daremos todo o suporte que for necessário.”

.x.x.x.

Leia Também:

Museu Afro Brasil solta nota de repúdio sobre jovem negro chicoteado em supermercado: “Basta ao racismo”

Chicotear negro pobre é permitido no país que celebra o racismo e a tortura

Polícia investiga tortura contra jovem que teria furtado chocolate em supermercado da Zona Sul de SP

Imagens mostram segundo caso de tortura no supermercado Ricoy, em São Paulo

+ sobre o tema

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

Estudo mostra o impacto do fator racial materno no desenvolvimento infantil

O ganho de peso e o crescimento dos filhos está diretamente relacionado ao fator etnorracial...

para lembrar

‘Quando me olho no espelho, dói muito’, diz baiana agredida por PM

Cozinheira perdeu globo ocular após receber golpe de um...

Conselho da ONU recomenda fim da Polícia Militar no Brasil

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das...

PMs são acusados de agressão em Arcos

A Polícia Militar abriu inquérito para apurar denúncia...
spot_imgspot_img

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria racial e ter sido esganado por uma mulher após discutir com o genro dela, em São...

Posicionamento: pela divulgação do Relatório de Monitoramento de Violações na Baixada Santista

Geledés -Instituto da Mulher Negra apoia a Comissão Arns e as organizações da sociedade civil no repúdio às execuções sumárias e com exigência de...

Entidades denunciam execuções, invasões ilegais de casas e abusos durante operação da PM na Baixada Santista

Entidades de defesa dos direitos humanos e institutos ligados à segurança pública entregaram na noite desta segunda-feira (26), ao procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, um...
-+=