Lágrimas de alegria e alívio após veredito sobre assassinato de Floyd

Enviado por / FontePor AFP, no UOL

“Culpado!”. Quando o veredito contra o ex-policial branco Derek Chauvin no julgamento pela morte de George Floyd foi ouvido por um alto-falante, a multidão explodiu de alegria e alívio do lado de fora do tribunal, em Minneapolis.

Mais de 200 pessoas se reuniram para ouvir o veredito do julgamento contra o policial acusado de matar Floyd, um afro-americano que morreu asfixiado durante sua prisão, em um caso que gerou protestos contra a injustiça racial em todo o mundo.

“Culpado de todas as três acusações”, anunciou uma voz masculina em um megafone, enquanto as lágrimas escorriam por vários rostos da multidão. “Hoje celebramos a justiça para a nossa cidade”, acrescentou.

“Eu não posso acreditar… Culpado”, disse Lavid Mack, de 28 anos, de pé em um bloco de concreto para ter uma visão melhor do que estava acontecendo. Ele não achava que Chauvin seria considerado culpado.

Uma mulher saiu do meio da multidão, abalada demais para falar, e caiu nos braços de uma amiga. Outra, emocionada, expressou seu alívio: “Agora podemos, finalmente, começar a respirar”, disse Amber Young. “Este ano foi tão traumático, agora espero alguma cura”, acrescentou.

‘Poder negro’

Com os punhos no ar, uma dúzia de pessoas começou a gritar: “Poder negro! Poder negro!”. Antes do veredito, um homem agitava uma garrafa de conhaque no meio da multidão, na esperança de abri-la caso Chauvin fosse considerado culpado.

A rua em frente ao tribunal estava fechada ao tráfego e vários veículos que desviaram tocaram suas buzinas em apoio à multidão. O palácio de justiça foi cercado por blindados e barreiras de proteção, devido à repercussão do caso, que gerou os maiores protestos contra o racismo e a violência policial de uma geração.

A celebração, no entanto, transferiu-se rapidamente para o sul da cidade, onde Floyd foi morto. Naquela esquina, mais de mil pessoas se reuniram para comemorar a decisão do júri, dançando ao ritmo de uma banda que alegrava a cena.

Rachel Shield, 42, branca, levou os dois filhos para o momento histórico. “Sentimos que era muito importante estarmos presentes. Temos muito poucas oportunidades de vencer nesta luta. Estamos em festa esta noite, e continuamos lutando e avançando.”

Nessa zona residencial, ao contrário do centro da cidade, as lojas permaneceram abertas e os sinais de que se trata do local do assassinato estão por toda parte. Para Hannan Aboubaker, 28, a condenação deve representar uma mudança. “A polícia tem se comportar conosco com dignidade e respeito, e não com preconceito. Tem que nos tratar da mesma forma que trataria uma pessoa branca.”

+ sobre o tema

Cartão Vermelho, por Sueli Carneiro

por Sueli Carneiro Fonte: Jornal Correio Braziliense - Coluna Opinião Um...

Dentista que cometeu injúria racial em padaria na Pituba humilhava funcionários negros há meses

A dentista Heloisa Onaga Kawachiya, flagrada cometendo crime de...

Idosa é presa após xingar pai e filho negros com palavras racistas no DF

Uma idosa de 64 anos foi presa em flagrante...

Casos de assédio em trens são enquadrados como importunação sexual

Os casos ocorreram em São Paulo por Camila Maciel no...

para lembrar

Bom dia Vietnã…

Por:  Mozart José Serafim Assim, um DJ norte...

Brasil firma acordo com Colômbia para promoção da igualdade racial

Nesta terça-feira (25), em celebração ao Dia da Mulher...

A educação antirracista como força transformadora

Em abril, compartilhei com vocês aqui da coluna minhas preocupações sobre...

Corpo, cor e alteridade

Algumas palavras ao leitor O presente texto é parte da...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=