Machismo, racismo e homofobia. Por Juremir Machado da Silva

Tinha razão Roger Bastide: o Brasil é uma terra de contrastes. Resta saber se as demais não o são também. O sociólogo francês quis dizer, obviamente, que entre nós os contrastes eram mais acentuados. Continuamos assim. Somos a terra do biquíni fio-dental, mas não toleramos o topless. As europeias mostram os seios com facilidade, embora fiquem vermelhas só de olhar os biquínis das brasileiras. Somos a terra dos bumbuns de fora e da nudez total no carnaval, mas, pela tal pesquisa que correu mundo, achamos, como lamentáveis machistas, que mulheres usando roupas curtas merecem ser atacadas e violentadas. Não eram 65%, mas só 26% que pensam isso. Ainda é muito.

No Juremir Machado da Silva

Somos uma terra de mestiçagem, mas continuamos a praticar um racismo que vai do velado ao explícito. Somos o país do futebol. Não deixamos, porém, de menosprezar negros que nos dão brilho nesse esporte. Somos uma terra de tolerância, embora estejamos cada vez mais intolerantes com certas diferenças. A homofobia viceja em atitudes, piadas, comportamentos e imaginários. Somos, como imaginou Stefan Zweig, o país do futuro, mas continuamos enterrados no passado de alguns preconceitos: racismo, machismo, homofobia, sexismo e até especismo.

Há lugares no Brasil, como o Rio de Janeiro, em que todos estão misturados e separados ao mesmo tempo. Juntos como água e azeite: a madame e sua empregada uniformizada um passo atrás. Todos na mesma praia. Cada classe na sua raia. Nossos contrastes acomodam-se. Nossos liberais combatem o Estado com financiamentos do BNDES. Nossos esquerdistas enfrentam o capitalismo com financiamentos de campanha de empresas privadas. Nossos moralistas pagam por sexo virtual. Nossos humoristas lutam pelo direito total ao bullying, à ofensa e ao politicamente incorreto.

Nossos militares gabam-se de ter salvado a democracia com uma ditadura. Nossa elite branca e rica reclama de estar perdendo vagas nas universidades públicas gratuitas para negros pobre impostos por cotas raciais racistas e antimeritocráticas. Nossos homofóbicos garantem que está quase impossível ser heterossexual entre nós. Nossos racistas sustentam que nada têm contra negros ou que deveriam se sentir discriminados quando um deles é chamado de branquelo, alemão, gringo ou ruivo.

Somos abertos aos novos tempos, mas mulher de roupa curta e sensual é vadia, vagabunda, cachorra, cadela, puta e sem-vergonha. Somos a terra de todos os ritmos musicais, mas nossas pessoas de “bom gosto” rotulam o funk de chinelagem suburbana. Somos o país da criatividade, embora o sertanejo universitário escreva letras primárias. Somos o país da impunidade ainda que as cadeias estejam superlotadas de ladrões de galinha e vazias de praticantes de crimes de colarinho branco. Somos o país em que o STF julga conforme o cliente.

Somos um país hipócrita. Adoramos roupas curtas na irmã e na mulher dos outros. Demitimos as gostosonas que se excedem no vestuário. Depois, compramos, para examinar melhor o “material”, a Playboy em que elas aparecem. Pregamos moral de cuecas. Só que são cuecas de marca. Cuecas marcadas por homofobia, racismo e machismo.

 

 

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

CPI aprova relatório que pede agravamento de pena de violência contra a mulher

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) mista do Congresso...

A quilombagem cultural contemporânea das editoras afro-brasileiras

Em tempos que grande parte do jornalismo cultural brasileiro...

Professor de AL que fez atividade sobre identidade de gênero é ameaçado

Trabalho desenvolvido pelo educador foi tema de pronunciamento na...

Uma Nova Maneira de Empoderar as Mulheres Negras

O feminismo tradicional fracassou com as mulheres Afro-Americanas. É...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

ONG contabiliza 257 mortes violentas de LGBTQIA+ em 2023

Em todo o ano passado, 257 pessoas LGBTQIA+ tiveram morte violenta no Brasil. Isso significa que, a cada 34 horas, uma pessoa LGBTQIA+ perdeu...

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...
-+=