Mudar a pergunta é revolução

Públicos ou não, casos de racismo são parte do cotidiano de milhões de pessoas

assassinato de Genivaldo de Jesus —o homem negro, com esquizofrenia, asfixiado até a morte numa viatura transformada em câmara de gás por policiais rodoviários federais— completou um ano na quinta-feira (25). Apesar da fartura de imagens acerca do ocorrido às margens de uma rodovia no Sergipe, passaram-se 12 meses até que a PRF dirigisse um pedido de desculpas à família, que segue esperando por justiça e indenização.

Na quarta-feira, um jogo eletrônico estimulando a exploração sexual e a tortura de pessoas negras foi retirado da loja virtual da multinacional Google. Intitulado “Simulador de Escravidão”, o dito “entretenimento” (contém tristeza e ironia) estava fazendo sucesso. Além de avaliações positivas, usuários pediam por mais opções de castigos físicos —pasmem os minimamente civilizados.

Também dia 24, a divulgação do Índice de Escravidão Global 2023, elaborado pela organização internacional Walk Free, apontou que o Brasil —último país das Américas a abolir a escravização— tem 1,05 milhão de pessoas em situação de escravidão contemporânea.

Diante do rumoroso caso de racismo sofrido pelo jogador Vinícius Jr., na Espanha, na terça-feira (23) o senador Magno Malta (PL-ES) disse que a imprensa estaria “revitimizando” o atleta e cobrou a defesa dos macacos! Depois, tentando se explicar, deu entrevista onde afirmou ter uma filha “negra de verdade”.

Em três dias consecutivos, exemplos diversos de violação de direitos envolvendo a questão racial. Públicos ou não, casos de racismo são parte do cotidiano de milhões de pessoas submetidas a privações, humilhações, dores físicas e psíquicas causadas pela desumanização de seus corpos mundo afora.

Colocar-se no lugar do outro é mais fácil quando se está na mesma situação. Mas o antirracismo precisa ser tratado como causa da humanidade. Aos que questionam por que escrevo “só” sobre isso, lembro que mudar a pergunta é revolucionário.

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

Porteiro preso há 3 anos em investigação com erros é solto

O porteiro Paulo Alberto da Silva Costa, de 37...

Na Feira do Livro, Sueli Carneiro escancara racismo que ainda divide o Brasil

"Eu vivo num país racialmente apartado", afirma a filósofa Sueli...

“Mesmo com vice negra, somos oprimidas”, diz escritora colombiana

A escritora e jornalista colombiana Edna Liliana Valencia, de...

Em Moçambique, Anielle Franco assina acordo de combate ao racismo

Com agenda intensa em na África do Sul, a...
spot_imgspot_img

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante alguns dias me achei feia, como a sinhá sempre dizia que todos os pretos eram...
-+=