Caso Vini Jr. já é um marco histórico na luta antirracista global

Enviado por / FonteUOL, por Jeferson Tenório

Assim como Rosa Parks, ativista negra que, em 1955, no Alabama (EUA), se recusou a ceder um lugar no ônibus para uma pessoa branca, ou ainda quando Martin Luther King liderou um movimento para que negros pudessem entrar numa piscina num hotel em 1965, a atitude do jogador Vinicius Jr. diante de torcedores racistas deve ser encarada como mais desses marcos históricos que pontuam um posicionamento importante na luta contra o racismo.

Encarar esse episódio como um marco nos ajuda a ter uma dimensão histórica, lúcida e complexa da recorrência do racismo. Após toda a reação global, que extrapolou o ambiente futebolístico e ganhou, com isso, contornos diplomáticos, a Europa tem agora uma grande oportunidade para se pensar e se reconhecer como racista. É dolorido olhar para as próprias feridas colonialistas, mas necessário e urgente. Sem essa reflexão profunda, não sairemos de punições individuais, que são importantes, mas não atacam o problema em sua essência.

O avanço da extrema-direita na Europa não pode servir como desculpa para que nada seja feito ou para encarar a violência racial apenas como crime de ódio. A naturalização do racismo é um dos instrumentos de sobrevivência do próprio racismo. A banalidade do mal, como diria a filósofa Hannah Arendt, não consiste em pensar a maldade como algo banal, mas como um projeto social que faz a maldade se passar por algo banal. Como algo sem importância, comezinho e corriqueiro.

Nesse sentido, a estrutura do futebol parece ser um espaço próprio para isso, como se torcer pudesse estar acima de tudo. Um lugar para extravasar as paixões. Um lugar onde um xingamento racista pode ser minimizado, pois, num estádio, no calor da hora, tudo é permitido, como se a lei, ali dentro, perdesse toda a autoridade.

O caso de Vini Jr. é feito de eventos absurdos. O presidente da liga espanhola acusa Vini Jr. de manchar a imagem do Real Madrid. Em outras palavras, o que ele está dizendo é o seguinte: olha, se você foi chamado de macaco pelo estádio inteiro, se penduraram um boneco enforcado com o número da sua camisa, fique quieto, sua reclamação pode atrapalhar o nosso campeonato. Este tipo de argumento é a evidência mais cristalina de que a manutenção do racismo é um projeto, fruto de uma ideologia e de uma herança colonialista muito mal resolvida.

As reações a esses episódios racistas de Vinicius Jr. infelizmente não irão acabar com o preconceito, porque não existe bala de prata contra o racismo. Não há um antídoto único, não há um remédio único. Cuidemos para não cairmos nessa armadilha. A questão está para além da punição de torcedores, clubes e ligas. A questão está na sociedade espanhola, está na Europa e em como essas práticas racistas são naturalizadas há séculos.

+ sobre o tema

Novo estudo conclui que o racismo prevalece na Europa

Para grupos de minorias morando na Europa, tarefas diárias...

Parece preconceito. E é

Louro e de olhos azuis, Kadu Niemeyer, fotógrafo e...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

para lembrar

Branquitude – O lado oculto do discurso sobre o negro – Cida Bento

Maria Aparecida Silva Bento Este artigo constitui-se numa abordagem psicossocial...

Marcha fúnebre permanente

O vermelho-sangue sobre o corpo negro não é uma...

Imperialismo em chamas: Sem justiça, sem paz!

A sensação é sensacional, como diria nosso amigo rapper...

Receitinhas novas para amar em tempos de cólera: Experimente!!!

Na vida de muita menina existiu um caderno de...
spot_imgspot_img

Representatividade é tudo

Uma de minhas lembranças mais remotas é sentar entre as pernas da minha mãe para desembaraçar, dividir e prender meus cabelos em tranças. Era um momento...

Quinze anos depois, Política de Saúde da População Negra ainda precisa avançar no Brasil

Instituída em 2009, a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN) ainda não conseguiu ser implementada na totalidade dos municípios brasileiros. Ela reconhece que...

Nota de repúdio e protesto contra a forma brutal que interrompeu a vida de mais uma liderança quilombola maranhense, Raimundo Betor (Raimundo Bracin)

A Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ), por meio dessa nota, vem externar nosso pesar e tristeza diante do assassinato da...
-+=