Mulheres negras sofrem mais violência que brancas, diz pesquisa

Estudo aponta ainda que episódios de agressões severas também são mais comuns na população feminina negra

A proporção de mulheres negras vítimas de violência é maior do que entre as brancas, mostra a quarta edição da pesquisa “Visível e Invisível: A Vitimização de Mulheres no Brasil”.

O levantamento, divulgado nesta quinta-feira (2), foi realizado pelo Datafolha a pedido do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, e aponta para um agravamento em todas as formas de violência contra a mulher.

Segundo a pesquisa, o percentual de vítimas de violência sexual é similar entre todos os grupos. Entre mulheres brancas, 21,9% afirmam que foram vítimas de ofensa sexual ou tentativa forçada de manter relação sexual quando não queria por algum parceiro ou ex-parceiro —entre negras, o número é similar, de 20,1 %.

No caso de violência física, o cenário é outro. O levantamento mostra que 45% das mulheres negras afirmam que já sofreram alguma violência ou agressão ao longo da vida, número que cai para 36,9% entre brancas.

A diferença continua no caso de violência física severa. Enquanto 6,3% das negras afirmam que já foram vítimas de espancamento, 3,6% das brancas sofreram esse tipo de ataque . Algo similar acontece entre as vítimas de ameaça com faca ou arma de fogo —negras (6,2%) e brancas (3,8%).

A proporção de negras que tiveram negado o acesso negado a recursos básicos —como assistência médica, comida ou dinheiro por algum companheiro ou ex-companheiro— é de 10,9%, também maior do que entre mulheres brancas (7,1%).

Para Juliana Brandão, pesquisadora sênior do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a disparidade da violência física contra mulheres negras é mais uma evidência do racismo estrutural que assola o Brasil.

Entre as recomendações do Fórum diante deste cenário está a garantia do acolhimento e a ampliação da capacidade de abrigar mulheres em situação de violência e seus dependentes.

“O que chama atenção é que essas mulheres têm mecanismos que estão disponíveis, mas que não estão acessíveis”, diz Brandão. “Além de massacradas por essa violência, elas estão sendo completamente silenciadas de qualquer maneira de sair desse ciclo, que acaba se naturalizando.”

Para ela, a mulher negra é revitimizada pela sociedade. “Ela é vítima porque é mulher, negra e o corpo é objetificado. Além disso, muitas vezes, a sociedade tem a leitura equivocada que a mulher negra é aquela que ‘aguenta o tranco’. Ela não tem um espaço para ser respeitada como uma mulher com direitos a serem conservados e acaba sendo mais suscetível do ponto de vista de violação de direitos.”

A pesquisadora do Fórum diz ainda que as políticas públicas se mostram ineficazes com as mulheres negras, que estão na “ponta da lança”. “Por isso, é preciso que políticas estejam mais especificadas e conectadas para que essa população saia do topo da lista [de mais violentadas]”.

“No afã de se universalizar a questão da violência contra a mulher, muitas vezes se esquece que as pautas das mulheres negras diferem muito das questões do feminismo mais clássico e voltado para as mulheres que estão antenadas em outras questões”, completa a pesquisadora.

+ sobre o tema

PCR promove atividades para marcar Dia da Mulher Negra

Para marcar o Dia da Mulher Negra Latinoamericana e...

Somos afrolatinas, elas, tu e eu: vem pro festival Latinidades 2014!

por Blogueiras Negras Mais uma vez o Festival da Mulher...

Para onde marcham as mulheres contra Trump?

O que uniu esta verdadeira multidão foi a vontade...

Bahia: Conjunto de peças sobre o candomblé é retirado do Departamento de Polícia Técnica

A Bahia pode festejar um marco pioneiro no tratamento...

para lembrar

Não seja superior: seja você mesma

A atriz Amber Heard está sendo elogiada e celebrada por doar...

16 imagens que mostram por que o feminismo é importante

Você já deixou de usar saia porque teve medo?...

Quem são as juristas negras apontadas como possíveis nomes para ocupar a cadeira de Rosa Weber no STF?

Ellen Gracie Northfleet, Cármen Lúcia Antunes Rocha e Rosa Maria Pires Weber....
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=