‘Negras de lá, Negras daqui’: Antologia junta escritoras africanas e afrobrasileiras

Reafirma-se a importância da literatura como um dos instrumentos de educação e formação do homem, que por sua vez resgata elementos existenciais, históricos sociais e futuristas.

capa do livro negras de lá e negras daqui
‘Negras de lá e negras daqui’ – imagem enviada para o Portal Geledés

Nesse contexto o projeto Raízes pensou em juntar escritoras do continente africano e escritoras afro brasileiras e gerou a Antologia de mulheres escritoras negras ( NEGRAS DE LÁ, NEGRAS DAQUI). Um livro que integra Helena Dias e Tuekiava (Angola) Melita Matsinhe e Eliana Nzualo(Moçambique) Tula Pilar, Patrícia Ashanti, Thata Alves(São Paulo) e Lívia Prado (Rio de Janeiro).

Na presente obra as escritoras escrevivem o seu imaginário poético, se cumprimentam entre elas em via textual, de modo a unirem do cordão umbilical que lhes foi cortado. Assim como também expõem todas suas intervenções de resistência e resiliência.

Segundo Ermi Panzo, curador da área de literatura dentro deste evento, diz que: está na hora de homens protagonistas de edições literárias constantes, começarem a refletir e mudar o quadro que condiciona a invisibilidade das mulheres escritoras. Em particular as escritoras negras. E esperamos que com essa edição, o Projeto Raízes esteja a criar um marco de mudança e contribuição para um cenário literário emancipado.

Isidro Sanene (coordenador geral do projeto) salienta que lançar a presente obra não é somente evidenciar o assunto `mulheres negras escritoras ´ mas também construir e estabelecer múltiplos olhares através da literatura recôndita e também contribuir com o resgate histórico cultural sobre uma África que não parou com o processo da escravização; queremos trazer uma nova África por meio dos artistas articulados pelo referido projeto, associando outros povos.

A produção do livro está sob as Edições Afrokanse, com as parcerias da Alupolo editora e do Coletivo das artes.

O LIVRO SERA LANÇADO OFICIALMENTE EM SÃO PAULO NOS DIAS

22 DE FEVEREIRO A PARTIR DAS 20H NO APARELHA LUZIA (Rua Apa 78)

23 DE FEVEREIRO A PARTIR DAS 18H NO CENTRO CULTURAL SANTO AMARO (Praça dr. Francisco ferreira lopes, 434)

28 DE FEVEREIRO A PARTIR DAS 18H NA CASA DAS ROSAS (Av. Paulista, 37)

+ sobre o tema

Dia Internacional contra a LGBTfobia

O dia 17 de maio é reconhecido como o...

Léo Lins, Fabio Porchat e o antirracismo de conveniência.

A repercussão de setores da grande mídia acerca da...

A ambiguidade dos corpos de nossos iguais: do desprezo à solidariedade

Tenho pensado em alguns episódios que vivenciei e testemunhei...

O patrício José Cláudio Nascimento e as experiências negras de educação popular

Já são muitos os/as estudiosos/as que reconhecem a figura...

para lembrar

Vendem-se limões; desejam-se morangos

Hoje sinto todo peso por ser quem sou. Sinto-me...

Combater a fome é nomear os ninguéns

ninguéns. Escrito assim mesmo. Em letras minúsculas. Para situar...

Gênero e educação pós-pandemia: A questão da violência doméstica

No dia 11 de julho de 2021, a internet...

Racismo é coisa de criança? Quando os desenhos ensinam a odiar

Nelson Mandela já nos ensinou que “Ninguém nasce odiando...

Uma reflexão sobre empregadas domésticas na pandemia

A medida mais eficaz contra o Covid-19 é ficar em casa, o que parece simples para alguns, mas, para outros, não. Profissionais como atendentes...

Precisamos falar sobre as personagens negras em “Salve-se quem puder”

Vira e mexe eu costumo escrever ou comentar sobre produções midiáticas, especialmente aquelas que têm o poder de alcançar milhares de pessoas. É o...

Um outro nome para aconchego

Dengo é um filme que trata de encontros, afetividades pretas e gueis, de amizade como modo de existência e resistência. Também aborda questões de...
-+=