Nem todo homem odeia mulher. Mas todo homem se beneficia do sexismo

Daniela traduziu este artigo de Laurie Penny, que antecede em vários meses o massacre de Santa Barbara.

Isso vai machucar. Nos últimos meses foi quase impossível abrir um jornal ou ligar a TV sem encontrar uma história sobre alguma garota menor de idade que foi estuprada, alguma política que foi assediada ou outra mulher trans que foi assassinada. Mas enquanto mulheres, garotas e um número crescente de aliados masculinos começaram a se manifestar contra o sexismo e a injustiça, uma coisa curiosa começou a acontecer: pessoas estão reclamando que falar de preconceito é uma forma própria de preconceito.

Violência contra mulher
Violência contra mulher

Hoje em dia, antes de falarmos de misoginia, as mulheres são cada vez mais questionadas a modificar sua linguagem para não machucar os sentimentos masculinos. Não diga “Homens oprimem mulheres” -– isso é sexismo, um sexismo tão ruim como o que qualquer outra mulher tem que lidar, talvez pior. Em vez disso, diga: “Alguns homens oprimem as mulheres”. O que quer que você faça, não generalize. Isso é coisa que homens fazem. Não todos os homens – só alguns.

Homens oprimem mulheres
Homens oprimem mulheres

Esse tipo de discussão semântica é uma maneira muito eficiente de fazer as mulheres se calarem. Afinal de contas, a maioria de nós aprendeu que ser uma boa menina é colocar o sentimento de todos os outros na frente do seu. Nós não devemos dizer o que sentimos se há alguma chance de chatear alguém ou, pior, fazer alguém ficar com raiva. Então suprima seu discurso com desculpas, advertências e sons tranquilizantes. Nós reafirmamos a nossos amigos e homens que amamos que “você não é um desses homens que odeia mulheres”.

Nós reafirmamos a nossos amigos e homens que amamos que “você não é um desses homens que odeia mulheres”.
Nós reafirmamos a nossos amigos e homens que amamos que “você não é um desses homens que odeia mulheres”.

O que nós não dizemos é: é claro que não é todo homem que odeia mulheres. Mas a cultura odeia mulheres, então os homens que crescem em uma cultura sexista têm a tendência de fazer e falar coisas sexistas, mutas vezes sem a intenção. Nós estamos julgando você por quem você é, mas isso não quer dizer que você tem que mudar seu comportamento. O que você sente pelas mulheres no seu coração é de menor importância imediata do que como você trata mulheres cotidianamente.

O que nós não dizemos é: é claro que não é todo homem que odeia mulheres.
O que nós não dizemos é: é claro que não é todo homem que odeia mulheres.

Você pode ser o homem mais gentil e doce do mundo e ainda assim se beneficiar do sexismo. É assim que a opressão funciona. Milhares de pessoas que por um lado são decentes aceitam um sistema injusto porque desse jeito o transtorno é menor.

É assim que a opressão funciona
É assim que a opressão funciona

A resposta apropriada quando alguém exige uma mudança nesse sistema injusto é ouvir, em vez de virar as costas ou gritar, como uma criança faria, porque não é culpa dela. E não é sua culpa. Eu tenho certeza que você é adorável. Mas isso não quer dizer que você não tem responsabilidade de fazer alguma coisa a respeito disso.

Epidemia
Epidemia

Sem evocar estereótipos maçantes de gênero sobre capacidade de realizar multitarefas, nós todos podemos concordar que é relativamente fácil armazenar mais de uma ideia no cérebro humano. O cérebro é um órgão grande, complexo, mais ou menos do tamanho e do peso de uma couve-flor bem feia e podre -– e ele tem espaço para muito lixo, tramas de TV e até o número dx ex que você não deveria ligar depois de seis doses de vodka. Se ele não pudesse armazenar grandes ideias estruturais e, ao mesmo tempo, algumas pessoais, nós nunca teríamos descido das árvores e construídos coisas como cidades e cineplexes.

violência contra mulher
violência contra mulher

Então não deveria ser tão difícil explicar para o homem médio que mesmo que você, indivíduo, cuidando da sua vida, comendo cereais e jogando BioShock2, não odeie ou machuque as mulheres, homens como um grupo — homens como uma estrutura — certamente o fazem. Eu não acredito que a maioria dos homens seja tão estúpida para não entender essa diferença, e se não entendem, precisamos intensificar nossos esforços para impedir que eles comandem quase que a totalidade dos governos globais.

Uma em cada 3 mulheres
Uma em cada 3 mulheres

De alguma forma ainda é difícil falar com homens sobre sexismo sem encontrar uma parede de resistência que faz sombra a uma indiscutível hostilidade, até violência. Raiva é uma resposta completamente apropriada ao entender que você está envolvido em um sistema que oprime as mulheres –- mas a solução não é dirigir essa raiva às mulheres. A solução não é calar o debate nos acusando de “sexismo às avessas” [ou a ridícula acusação de “misandria”], como se de alguma maneira isso fosse equilibrar o problema e evitasse que você se sentisse tão desconfortável.

Não a violência
Não a violência

Sexismo deve ser desconfortável. É doloroso e enfurecedor estar no lado receptor de ataque misóginos e também doloroso assistir eles acontecendo sabendo que você está implicado nisso, mesmo sem ter escolhido. Você deve mesmo reagir quando é avisado que um grupo do qual você faz parte está ativamente ferrando com a vida de outros seres humanos, da mesma forma que você deve reagir quando um médico bate um martelinho em seu joelho para testar seus reflexos. Se ele não se mexe, algo está terrivelmente errado.

Sexismo deve ser desconfortável.
Sexismo deve ser desconfortável.

Dizer que “todo homem está envolvido na cultura do sexismo” -– todo homem, não somente alguns homens -– pode parecer uma acusação. Na verdade é um desafio. Você, homem individual, com seus sonhos e desejos individuais, não pediu para nascer em um mundo onde ser um garoto lhe daria vantagens sociais e sexuais sobre as mulheres.

Acabe com a violência contra mulher
Acabe com a violência contra mulher

Você não quer viver em um mundo onde garotinhas são estupradas e depois são acusadas em uma corte de terem provocados seus estupradores; onde o trabalho das mulheres é mal remunerado ou não remunerado; onde nós somos chamadas de putas ou vadias por exigir igualdade sexual. Você não escolheu isso. O que você pode escolher, agora, é o que vem a seguir.

Acabe com a violência contra mulher
Acabe com a violência contra mulher

Você pode escolher, como homem, a ajudar a criar um mundo mais justo para mulheres -– e para homens também. Você pode escolher a combater a misoginia e a violência sexual onde quer que você a encontre. Você pode escolher se arriscar e gastar sua energia apoiando mulheres, promovendo mulheres, tratando as mulheres da sua vida como verdadeiramente iguais.

Homens unidos pelo fim da violência contra as mulheres
Homens unidos pelo fim da violência contra as mulheres

Você pode escolher se levantar e dizer não — e, todo dia, mais homens e garotos estão fazendo essa escolha. A pergunta é: você vai ser um deles?

+ sobre o tema

Convite – Lançamento do Fórum Justiça – 24/10 – Rio de Janeiro

A Ouvidoria-Geral os convida para o evento de lançamento...

Estudante branco agride mulheres negras durante Virada Antirracista na UFSC

No dia de protesto antirracismo na UFSC, hoje (25), o...

Casos de feminicídio na Bahia chamam atenção para como identificar relações patológicas

Mortes por violência domesticas avançam na Bahia. Do Mídia Bahia  O ano...

para lembrar

Alessandra Maestrini revela ser bissexual a revista: ‘Estou me assumindo porque estou exausta’

Afastada das novelas, Alessandra Maestrini resolveu assumir ser bissexual...

Trauma e superação da violência doméstica

É impossível dizer o que ocorre no segundo do...

Lista: as seis mulheres reunidas na série ‘Filósofas brasileiras’

No imaginário popular, não é raro que a primeira...

Tradicional marcha das mulheres comemora o 8 de Março em Salvador

A luta por igualdade de oportunidades, por mais representantes...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=