ONU admite culpa por surto de cólera no Haiti

Organização promete resposta nos próximos meses; cólera matou cerca de 9 mil desde 2010

Cerca de seis anos após a epidemia de cólera que matou milhares de pessoas no Haiti, pela primeira vez, as Nações Unidas reconheceram seu envolvimento involuntário na disseminação do surto. Em nota, representantes do secretário-geral da organização, Ban Ki-moon, explicaram que “no ano passado, as Nações Unidas se deram conta de que precisam fazer muito mais a respeito de seu envolvimento desde o início da epidemia e do sofrimento das pessoas afetadas pelo cólera”. Um deles, Farhan Haq, afirmou que uma resposta será elaborada.

No comunicado, Haq afirmou que a ONU está considerando “uma série de opções” e “uma nova e significativa série de ações por parte da organização” será apresentada publicamente nos próximos meses. O caso foi noticiado ontem pelo New York Times. A declaração foi feita após, no começo do mês, um relatório apontar que a doença chegou ao país com os capacetes azuis do Nepal, provavelmente, no fim de 2010, dificultando o já difícil panorama do país após o terremoto que devastou a ilha. Ainda segundo o documento, a recusa da ONU em reconhecer sua culpa no episódio e oferecer uma indenização “é moralmente inconcebível, legalmente indefensável e politicamente contraproducente”.

A mensagem foi bem recebida por advogados das vítimas. “Essa é uma grande vitória para os milhares de haitianos que têm buscado por justiça, escrito à ONU e questionado a organização na Justiça”, disse Mario Joseph, advogado dos direitos humanos, cujo escritório é responsável por um grande caso representando 5 mil vítimas de cólera que culpam a ONU pela doença. “É um bom momento para que a ONU faça o correto e prove ao mundo que ‘direitos humanos para todos’ também inclui os haitianos.”

Em uma carta a altos funcionários da organização mundial, cinco especialistas em direitos humanos criticaram a ONU no ano passado por “praticamente se recusar a aceitar o direito fundamental à justiça que têm as vítimas do cólera”. A epidemia de cólera que atingiu o Haiti em 2010 afetou centenas de milhares de pessoas e causou mais de 9 mil mortes. Ainda que o número de vítimas venha diminuindo ao longo dos últimos anos, novos surtos têm surgido regularmente.

+ sobre o tema

Hamilton é advertido por incidente com Bruno Senna nos boxes

Mais rápido do primeiro dia de treinos para...

Moda África e moda Bahia,similaridades?

Dando continuidade ao meu estudo sobre a moda africana...

Concurso Miss Black Power Brasil

O Miss Black Power Brasil é o primeiro concurso...

para lembrar

Rei angolano visita quilombo Cafundó (SP) e cumpre profecias

Duas profecias foram cumpridas em solo brasileiro neste sábado...

Copa do Mundo: SBT confirma Pelé como seu comentarista

O SBT confirmou, nesta quinta-feira, que Pelé será seu...

Dilma condena ‘coiotes’ mas diz que Brasil vai receber haitianos

Em visita ao Haiti, presidenta também anunciou a redução...

Naomi Campbell diz que modelos negras têm menos trabalho durante a crise

A top model Naomi Campbell disse em uma entrevista...
spot_imgspot_img

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...

Gilberto Gil afirma que não se aposentará totalmente dos palcos: “continuo querendo eventualmente cantar”

No fim de junho, saiu a notícia de que Gilberto Gil estava planejando sua aposentadoria dos palcos. Segundo o Estadão, como confirmado pela assessoria do...

Aos 105, Ogã mais velho do Brasil, que ajudou a fundar 50 terreiros só no Rio, ganha filme e exposição sobre sua vida

Luiz Angelo da Silva é vascaíno e salgueirense. No mês passado, ele esteve pela primeira vez no estádio de São Januário, em São Cristóvão,...
-+=