ONU Mulheres divulga proposta de currículo para trabalhar questões de gênero nas escolas

Disponível para uso livre, o material aborda tópicos como violência contra a mulher e igualdade de gênero.

Por , do Blasting News

Profissionais e instituições de ensino que se preocupam com o trabalho das questões de gênero agora têm uma ferramenta importante para usar em seu cotidiano: trata-se do Currículo O Valente não é Violento, apresentado pela ONU Mulheres no último dia 25, como parte da campanha Una-se pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

O currículo é composto por seis planos de aula, cada um abordando um assunto: Sexo, Gênero e Poder; Violências e suas Interfaces; Estereótipos de Gênero e Esportes; Estereótipos de Gênero, Raça/Etnia e Mídias; Estereótipos de Gênero, Carreiras e Profissões: Diferenças e Desigualdades; e Vulnerabilidades e Prevenção.

O professor pode utilizar cada um desses planos de aula atrelado à sua disciplina de atuação ou combinado a projetos específicos, conforme a realidade da instituição em que atua e as necessidades de seus alunos. Trata-se de uma proposta bastante flexível, pensada especialmente para adequar-se a cenários os mais diversos.

A iniciativa tem por base o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, com o entendimento de que só é possível enfrentar e combater o machismo e os estereótipos de gênero mediante a educação de meninos e meninas desde a escola, já que muitos dos comportamentos típicos de violência e preconceito nascem e se desenvolvem desde a infância.
Machismo, preconceito e violência contra a mulher são questões que devem ser combatidas com afinco pela sociedade, porque geram mais violência e prejudicam o desenvolvimento pessoal de homens e mulheres. Muitas iniciativas vêm sendo tomadas, e não há dúvida de que muito ainda precisa ser feito, mas o essencial é começar.

Não se trata de colocar um gênero acima do outro, mas sim de lutar pela igualdade de condições em todas as esferas. Somente dessa forma haverá liberdade para cada um criar, ser e desenvolver-se como ser humano.

Se você é professor ou trabalha com crianças e jovens, não deixe de conhecer essa proposta, que está disponível no site da ONU Mulheres. Esta é uma boa maneira de começar a tratar do assunto.

+ sobre o tema

para lembrar

Curso: Fundamentos Teóricos da Abordagem Interseccional: Raça, Gênero e classe

Curso: Fundamentos Teóricos da Abordagem Interseccional Enviado para o Portal...

Oficina de Formação “A África nas escolas, uma abordagem sem estereótipos”

O Projeto Afreaka se apresenta como uma Iniciativa multidisciplinar...
spot_imgspot_img

Geledés publica boletins sobre a Primeira Infância nos estados brasileiros

Geledés Instituto da Mulher Negra está realizando as ações da segunda etapa do projeto “Primeira Infância no Centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil, uma...

PL do novo PNE apresenta avanços em equidade e dá primeiro passo em financiamento, mas precisa de melhorias estruturais e traz também retrocessos

O Projeto de Lei (PL) nº 2.614/2024, que prevê um Plano Nacional de Educação (PNE) para o período de 2024-2034, apresenta avanços relacionados à...

Jovens cientistas receberão apoio de mais de R$ 21 milhões para pesquisas   

O Instituto Serrapilheira anunciou, nesta quarta-feira (26), os 33 pesquisadores selecionados em dois editais que vão injetar mais de R$ 21 milhões em ciência no Brasil. Uma...
-+=