ONU Mulheres divulga proposta de currículo para trabalhar questões de gênero nas escolas

Disponível para uso livre, o material aborda tópicos como violência contra a mulher e igualdade de gênero.

Por , do Blasting News

Profissionais e instituições de ensino que se preocupam com o trabalho das questões de gênero agora têm uma ferramenta importante para usar em seu cotidiano: trata-se do Currículo O Valente não é Violento, apresentado pela ONU Mulheres no último dia 25, como parte da campanha Una-se pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

O currículo é composto por seis planos de aula, cada um abordando um assunto: Sexo, Gênero e Poder; Violências e suas Interfaces; Estereótipos de Gênero e Esportes; Estereótipos de Gênero, Raça/Etnia e Mídias; Estereótipos de Gênero, Carreiras e Profissões: Diferenças e Desigualdades; e Vulnerabilidades e Prevenção.

O professor pode utilizar cada um desses planos de aula atrelado à sua disciplina de atuação ou combinado a projetos específicos, conforme a realidade da instituição em que atua e as necessidades de seus alunos. Trata-se de uma proposta bastante flexível, pensada especialmente para adequar-se a cenários os mais diversos.

A iniciativa tem por base o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, com o entendimento de que só é possível enfrentar e combater o machismo e os estereótipos de gênero mediante a educação de meninos e meninas desde a escola, já que muitos dos comportamentos típicos de violência e preconceito nascem e se desenvolvem desde a infância.
Machismo, preconceito e violência contra a mulher são questões que devem ser combatidas com afinco pela sociedade, porque geram mais violência e prejudicam o desenvolvimento pessoal de homens e mulheres. Muitas iniciativas vêm sendo tomadas, e não há dúvida de que muito ainda precisa ser feito, mas o essencial é começar.

Não se trata de colocar um gênero acima do outro, mas sim de lutar pela igualdade de condições em todas as esferas. Somente dessa forma haverá liberdade para cada um criar, ser e desenvolver-se como ser humano.

Se você é professor ou trabalha com crianças e jovens, não deixe de conhecer essa proposta, que está disponível no site da ONU Mulheres. Esta é uma boa maneira de começar a tratar do assunto.

+ sobre o tema

O que fala esse corpo de mulher? Sexismo, (in)correção política e Gisele Hope

Quando alguns personagens participam de determinadas discussões, inevitavelmente são...

Feio não é ser mãe solteira. Feio é ser pai quando convém

Outro dia conversava com uma amiga sobre como é...

Explicando o uso do termo ‘bastante’ e do verbo ‘haver’ no sentido de ‘existir’

Professora de português do Colégio GGE, Ana Queiroz, exemplifica...

Nota de Repudio ao Governo de Santa Catarina

NOTA DE REPUDIO AO GOVERNO DO ESTADO DE SANTA...

para lembrar

Porto Alegre: Mulheres Brasileiras

O projeto Mulheres Brasileiras chega a Porto Alegre, onde...

Ato de lesa-pátria

O governo Temer anunciou a suspensão do Programa Nacional...

Aborto: Carta Aberta aos candidatos a presidência

O fórum de entidades Jornadas pelo Direito ao Aborto...
spot_imgspot_img

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...
-+=