Pacote anticrime de Moro é muito mais resposta política do que proposta efetiva

O pacote de medidas anticrime anunciado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, nesta segunda-feira (4), responde aos anseios de bolsonaristas mas não está direcionado à sociedade como um todo. É uma proposta populista que agrada os eleitores do presidente. Porém, pouco tem a ver com a diminuição da violência de fato.

por Maria Carolina Trevisan no Blog

Carolina Trevisan, jornalista dando entrevista para o Geledés
Carolina Trevisan – Imagem Natália Sena

“Na prática, o pacote anticrime de Moro é muito mais uma resposta política do que uma proposta efetiva”, afirma Arthur Trindade Maranhão, doutor em Sociologia, coordenador do Núcleo de Estudos sobre a Violência e a Segurança da Universidade de Brasília e conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Isso porque não traz nenhuma proposta que visa proteger jovens negros – 70% das 63.880 vítimas de homicídios no Brasil.

Flexibilização da posse de armas

Ao contrário, a proposta estimula o uso da violência letal como ferramenta de legítima defesa movida por “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”.

Mas como medir isso? Essa ideia, junto com a flexibilização da posse de armas, é pólvora para a violência letal e pode piorar casos de violência doméstica e banalizar ainda mais os homicídios contra negros e pobres. Em um país racista como o nosso, as pessoas consideradas “suspeitas” têm cor e classe social. Daí que as miras das armas, legitimadas por um suposto “medo escusável”, seguirão apontadas para esses brasileiros.

“Nesse caso, o que a lei vai fazer é estimular a ação – o que é extremamente reprovável  – passando a mão na cabeça do excesso, inclusive o doloso, estimulando um bang-bang”, explica Marcelo Semer, juiz de Direito do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Causa preocupação também o trecho que amplia a legítima defesa para “risco iminente de conflito armado”, que pode favorecer a violência policial.

“Essa medida permite ao policial agir antes, portanto, sem agressão”, diz Semer. De acordo com o Monitor da Violência, a polícia matou 5.012 pessoas em 2017. No mesmo ano, 385 policiais foram assassinados. De acordo com a OAB, a polícia brasileira já é a que mais mata no mundo.

Em hipótese alguma o pacote de Moro trabalha com a perspectiva da prevenção da violência. Não aposta em inteligência policial, na prevenção de homicídios, no fortalecimento de penas e medidas alternativas”, alerta Guilherme de Almeida, professor de Direitos Humanos da Faculdade de Direito da USP.

“Pelo contrário. É um pacote goela abaixo, que não foi discutido e não está direcionado à sociedade como um todo.”

Para o Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD), “o pacote é inócuo, panfletário e, em diversos pontos, flagrantemente inconstitucional.

Abre espaço, ainda, para o agravamento da violência estatal contra a população pobre e negra das periferias, alvo historicamente preferencial do sistema de justiça penal”.

O IDDD avalia que, se aprovada, a proposta significará o maior retrocesso em matéria penal desde a redemocratização.

Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Em nota, o conselho do Fórum Brasileiro de Segurança Pública questionou  a falta de medidas para prevenir a violência e melhorar a estrutura do sistema de segurança pública.

“O projeto ignora temas importantes para o setor, como a reorganização federativa, o funcionamento das polícias – e suas carreiras e estruturas -, governança, gestão ou sistemas de informação ou inteligência.

Também não há clareza sobre ações dos governos estaduais e da União no enfrentamento da corrupção policial, que é um dos aspectos que contribui para o surgimento de milícias.”

Do ponto de vista dos direitos individuais, o ministro Moro propõe medidas que violam os princípios da presunção de inocência e da individualização da pena, que são direitos constitucionais.

E podem, ainda, agravar as condições que alimentam as organizações criminosas e são geradoras de violência, como o colapso do sistema prisional, uma vez que propõem encarcerar mais e por mais tempo, sem melhorar a estrutura do sistema prisional.

Contatado, o Ministério da Justiça e Segurança Pública não respondeu aos questionamentos da reportagem.

Veja dados sobre a violência letal no Brasil segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública:

 

Infográfico: Anuario Brasileiro Seguranca Publica Infográfico 2018
Infográfico: Anuario Brasileiro Seguranca Publica Infográfico 2018

https://www.geledes.org.br/homicidios-no-estado-tem-alta-de-365-em-novembro/

https://www.geledes.org.br/judith-butler-matar-e-o-apice-da-desigualdade-social/

+ sobre o tema

Detenção de Mano Brown exemplifica a mensagem de Cores e Valores

Pedro Paulo Soares Pereira, 44 anos, também conhecido como...

Partidos e movimentos sociais viram alvo em SP

Repórter relata violência de nacionalistas contra manifestantes organizados por...

Diário Olímpico – Dia Quinze

Ainda dá tempo de corrigir: Nós, cariocas, perdemos tempo...

para lembrar

Justiça cassa 13 vereadores em São Paulo; advogado diz que lei não proíbe doações

Fonte:UOL - A Justiça Eleitoral de São Paulo cassou...

Contra Covid-19, IBGE antecipa dados sobre indígenas e quilombolas

O IBGE estima que no Brasil existiam 7.103 localidades...

Procon-SP alerta sobre oferta de produtos nas redes sociais

Cada vez mais usadas como ferramentas para o...

Maioria acha que Obama não mereceu Nobel

Fonte: Blog Sérgio Dávila - Pesquisa Gallup divulgada hoje confirma...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

DF teve mais feminicídios cometidos com armas legais do que ilegais

Armas de fogo legais são mais usadas em feminicídios do que armas ilegais no Distrito Federal. Os dados, levantados pelo Metrópoles, mostram que o...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...
-+=