Passeata marca um ano da morte de George Floyd em Minneapolis, nos EUA

Enviado por / FonteDa AFP, no UOL

Familiares de George Floyd e cidadãos de Minneapolis organizaram uma passeata no domingo para marcar o primeiro aniversário da morte do afro-americano por um policial branco, um fato que desencadeou protestos históricos contra a injustiça racial nos Estados Unidos.

Quase 1.500 manifestantes ouviram discursos e se uniram aos integrantes da família Floyd e de outras pessoas que morreram em ações da polícia.

Floyd, 46 anos, foi assassinado em 25 de maio 2020 pelo agente Derek Chauvin, que se ajoelhou sobre o pescoço da vítima por mais de nove minutos. O agora ex-policial, condenado por um júri por assassinato e homicídio culposo, receberá a sentença em 25 de junho.

A passeata começou com discursos nas proximidades do Hannepin County Government Center, no centro de Minneapolis, onde Chauvin foi julgado.

“Foi um longo ano, um ano doloroso. Tem sido muito frustrante para mim e para minha família”, disse a irmã de George, Bridgett Floyd.

Ela disse que sua vida mudou “em um piscar de olhos” com a morte do irmão. “Permanecerei de pé e serei a voz dele”, disse. “Vou permanecer firme e mudarei para ele”.

A morte de Floyd provocou protestos contra a injustiça racial nos Estados Unidos e em todo o mundo.

O reverendo Al Sharpton, um veterano ativista, afirmou à multidão que o assassinato de Floyd foi “uma das maiores desgraças na história dos Estados Unidos”.

“O que aconteceu a George Floyd, assim como a muitos outros, está provocando a mudança, não apenas nos Estados Unidos, e sim no mundo”, afirmou.

“Eles pensaram que poderiam se safar, e vocês saíram às ruas, negros e brancos, jovens e velhos, em meio à pandemia, para exigir justiça”, disse Sharpton.

A frustração aumentou em Minneapolis com a crescente violência. A revolta com o aumento da taxa de homicídios e outros atos de violência com armas de fogo (em um período recente de três semanas, três crianças foram atingidas por balas perdidas) resultaram na formação de patrulhas de cidadãos.

O prefeito de Minneapolis, Jacob Frey, planeja adicionar 200 agentes às escassas unidades de polícia da cidade e pediu mais ajuda de agências de segurança externa. Frey apoia os esforços da comunidade, incluindo as patrulhas de cidadãos.

+ sobre o tema

Brasil defende aplicação mundial de seu programa de igualdade racial

O ministro da Igualdade Racial, Edson Santos, defendeu hoje...

Camisas de clubes brasileiros serão leiloadas e recursos será aplicado contra o racismo

As camisas de Bahia, Grêmio, Internacional e Juventude estão...

Haddad sanciona lei que permite excluir nomes de militares de ruas de SP

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, sancionou...

Unboxing Sincero #1 Racismo

Siga a Carol nas redes: Instagram Facebook

para lembrar

Consórcio ABC inicia formação regional sobre enfrentamento ao racismo

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC promoveu, nesta quinta-feira (8/8),...

As cotas para negros: por que mudei de opinião

por: William Douglas "Roberto Lyra, Promotor de...

Suspeitos de ofensas racistas contra casal de Muriaé já têm passagens pela polícia

O delegado responsável pelo caso já identificou 50 perfis...

Taís Araújo faz discurso forte sobre criar seus filhos no Brasil

"Se a gente quer andar com nossos carros com...
spot_imgspot_img

Da neutralidade à IA decolonial

A ciência nunca esteve isenta das influências e construções históricas e sociais do colonialismo. Enquanto a Revolução Industrial é frequentemente retratada como o catalisador...

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...
-+=