Polêmica racial encobre a ruindade do longa épico ‘Deuses do Egito’

“Deuses do Egito” é mais branco que o Oscar 2016. E, nesse caso, há um agravante: o filme se passa em um país do norte da África, e não na festa da firma em Los Angeles.
no Libre Prensa

deuses do egito

O “physique du rôle” do elenco principal parece mais apropriado para lenda celta do que para Egito antigo: tem escocês (Gerard Butler), inglês (Rufus Sewel), australianos (Brenton Thwaites, Geoffrey Rush)? todos brancos.

A ideia de diversidade de Hollywood parece ser dividir papeis de africanos entre atores do Reino Unido ?abrindo exceções para o loiro dinamarquês Nikolaj Coster-Waldau e para o americano (e negro) Chadwick Boseman.

Esse branqueamento histórico foi motivo de fortes críticas nos Estados Unidos. A ponto de a produtora Lionsgate e o diretor Alex Proyas (filho de gregos nascido no Egito e radicado na Austrália) terem de vir a público pedir desculpas.

Eles estavam apenas se apoiando em uma velha tradição hollywoodiana: Elizabeth Taylor foi “Cleópatra” (1963), Charlton Heston encarnou Moisés em “Os Dez Mandamentos” (1956) e outro dia Jake Gyllenhaal se tornou o “Príncipe da Pérsia” (2010).

Ou seja: Hollywood não mudou. E não percebeu que o mundo à volta dela sim. “Deuses do Egito” e o Oscar 2016 vieram mostrar, com o perdão do trocadilho, que isso não passará mais em branco.

Para “Deuses do Egito”, a polêmica do branqueamento teve um efeito colateral positivo: tirou o foco da ruindade do filme ?que, após meses de ataques na imprensa e nas redes sociais, estreou nesta semana.

No Brasil, ele chega com outra vantagem: o fato de estrear menos de um mês depois de “Os Dez Mandamentos” ?e possibilitar a comparação com a produção brasileira? faz o filme americano parecer menos ruim do que é.

O Egito hollywoodiano está mais para mitologia grega do que para Velho Testamento, mais para o filme “300” do que para novela editada da Record.

Aqui, os deuses são gigantes que circulam entre os homens e sangram ouro fundido. De resto, são cruéis, ciumentos e vingativos como simples mortais. Prestes a se tornar rei, o deus Horus (Nikolaj Coster-Waldau, de “Game of Thrones”) tem seus olhos arrancados por seu tio, o deus da escuridão Set (Gerard Butler, de “300”), que usurpa o trono e bane o sobrinho do reino.

Para tentar recuperar a coroa, Horus contará com a ajuda de Bek (Brenton Thwaites), ladrão de bom coração dedicado a salvar sua amada, que foi mortalmente ferida e só poderá ser revivida por um rei.

Essa trama é uma desculpa para uma confusa orgia de efeitos digitais de gosto duvidoso, de lutas grandiloquentes e intermináveis, de diálogos involuntariamente cômicos, da exposição fetichista (e homoerótica) de torsos masculinos.

É um Egito que parece saído de uma viagem de ácido de Liberace, o cantor americano conhecido pela extravagãncia.

Ok, não faz sentido pedir que um filme como “Deuses do Egito” se guie pelo conceito do “menos é mais”. Mas o excesso de tudo (ação, duração, computação gráfica) torna essa suruba cinematográfica tediosa após 15 minutos.

Faltam a “Deuses do Egito” não apenas alguns respiros, mas, acima de tudo, a capacidade de rir da própria megalomania, de se assumir como um entretenimento kitsch.

Só um ator sabe brincar com a fantasia tresloucada do filme: Chadwick Boseman, que faz do sábio deus Toth uma versão egípcia da drag queen Ru Paul. Curiosamente ou não, é o único ator não-branco do elenco principal.

O diretor Alex Proyas (de “O Corvo”) já pediu desculpas pelo branqueamento de “Deuses do Egito”. Agora falta vir a público para pedir perdão pelo resto do filme.

+ sobre o tema

Revista Allure causa polêmica ao fazer tutorial de cabelo afro com modelo branca

A edição de agosto da revista norte-americana "Allure" causou...

Carlos Moore fala sobre agressão sofrida em seminário na UERJ

O escritor cubano Carlos Moore é uma referência internacional...

Racismo à brasileira e os Black Faces do Século XXI

Na semana do 13 de maio também acompanhamos um...

“A Internet chegou para provar que somos um dos países mais racistas do mundo”

Nascido em uma comunidade pobre de Salvador, Paulo Rogério...

para lembrar

Filho de desembargador é detido por racismo

O advogado José Luiz de Carvalho Júnior, 27, foi...

Chegou a hora dessa gente branca mostrar o seu valor – Por Atila Roque

A crise política que atinge a democracia brasileira com...

Comissão Arns exige investigação de mortes no morro do Fallet, no Rio

Grupo foi criado para denunciar violações de direitos humanos...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=