Polêmica racial encobre a ruindade do longa épico ‘Deuses do Egito’

“Deuses do Egito” é mais branco que o Oscar 2016. E, nesse caso, há um agravante: o filme se passa em um país do norte da África, e não na festa da firma em Los Angeles.
no Libre Prensa

deuses do egito

O “physique du rôle” do elenco principal parece mais apropriado para lenda celta do que para Egito antigo: tem escocês (Gerard Butler), inglês (Rufus Sewel), australianos (Brenton Thwaites, Geoffrey Rush)? todos brancos.

A ideia de diversidade de Hollywood parece ser dividir papeis de africanos entre atores do Reino Unido ?abrindo exceções para o loiro dinamarquês Nikolaj Coster-Waldau e para o americano (e negro) Chadwick Boseman.

Esse branqueamento histórico foi motivo de fortes críticas nos Estados Unidos. A ponto de a produtora Lionsgate e o diretor Alex Proyas (filho de gregos nascido no Egito e radicado na Austrália) terem de vir a público pedir desculpas.

Eles estavam apenas se apoiando em uma velha tradição hollywoodiana: Elizabeth Taylor foi “Cleópatra” (1963), Charlton Heston encarnou Moisés em “Os Dez Mandamentos” (1956) e outro dia Jake Gyllenhaal se tornou o “Príncipe da Pérsia” (2010).

Ou seja: Hollywood não mudou. E não percebeu que o mundo à volta dela sim. “Deuses do Egito” e o Oscar 2016 vieram mostrar, com o perdão do trocadilho, que isso não passará mais em branco.

Para “Deuses do Egito”, a polêmica do branqueamento teve um efeito colateral positivo: tirou o foco da ruindade do filme ?que, após meses de ataques na imprensa e nas redes sociais, estreou nesta semana.

No Brasil, ele chega com outra vantagem: o fato de estrear menos de um mês depois de “Os Dez Mandamentos” ?e possibilitar a comparação com a produção brasileira? faz o filme americano parecer menos ruim do que é.

O Egito hollywoodiano está mais para mitologia grega do que para Velho Testamento, mais para o filme “300” do que para novela editada da Record.

Aqui, os deuses são gigantes que circulam entre os homens e sangram ouro fundido. De resto, são cruéis, ciumentos e vingativos como simples mortais. Prestes a se tornar rei, o deus Horus (Nikolaj Coster-Waldau, de “Game of Thrones”) tem seus olhos arrancados por seu tio, o deus da escuridão Set (Gerard Butler, de “300”), que usurpa o trono e bane o sobrinho do reino.

Para tentar recuperar a coroa, Horus contará com a ajuda de Bek (Brenton Thwaites), ladrão de bom coração dedicado a salvar sua amada, que foi mortalmente ferida e só poderá ser revivida por um rei.

Essa trama é uma desculpa para uma confusa orgia de efeitos digitais de gosto duvidoso, de lutas grandiloquentes e intermináveis, de diálogos involuntariamente cômicos, da exposição fetichista (e homoerótica) de torsos masculinos.

É um Egito que parece saído de uma viagem de ácido de Liberace, o cantor americano conhecido pela extravagãncia.

Ok, não faz sentido pedir que um filme como “Deuses do Egito” se guie pelo conceito do “menos é mais”. Mas o excesso de tudo (ação, duração, computação gráfica) torna essa suruba cinematográfica tediosa após 15 minutos.

Faltam a “Deuses do Egito” não apenas alguns respiros, mas, acima de tudo, a capacidade de rir da própria megalomania, de se assumir como um entretenimento kitsch.

Só um ator sabe brincar com a fantasia tresloucada do filme: Chadwick Boseman, que faz do sábio deus Toth uma versão egípcia da drag queen Ru Paul. Curiosamente ou não, é o único ator não-branco do elenco principal.

O diretor Alex Proyas (de “O Corvo”) já pediu desculpas pelo branqueamento de “Deuses do Egito”. Agora falta vir a público para pedir perdão pelo resto do filme.

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Procuradora aceita denúncia de partido contra Bolsonaro e direção da Hebraica do Rio

Procuradora aceita denúncia de partido contra Bolsonaro e direção...

Movimento Porta na Cara

Fonte: Circo Voador - Depois de...

Policial que descobriu ser negro aos 47 anos e sofre comentários racistas de seus colegas

Um sargento da polícia de Hastings (Michigan) pede meio...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...
-+=