Polícia mata menino de 12 anos que brincava com arma de brinquedo nos EUA

Um menino de 12 anos de idade foi morto pela polícia dos Estados Unidos na cidade de Cleveland depois de apontar uma pistola de brinquedo para diversas pessoas em um parque.

Do: BBC

Segundo as autoridades locais, uma dupla de policiais disparou duas vezes no abdômen do garoto quando ele desobedeceu uma ordem para levantar as mãos.

A polícia havia recebido uma chamada telefônica de emergência na qual o denunciante relatava que o menino estava apontando uma arma e assustando pessoas em um playground. Ele afirmou que a arma parecia ser falsa mas que não era possível ter certeza.

Dois policiais foram ao local para verificar. Um deles estava em seu primeiro ano de serviço na polícia e outro tinha mais de dez anos de experiência.

Pistola de mentirinha

Autoridades do condado de Cuyoahoga identificaram o menino com Tamir Rice.

O vice-chefe de polícia de Cleveland, Ed Tomba, disse que o menino foi baleado duas vezes depois de sacar a arma falsa. Ele morreu mais tarde no hospital.

Tomba afirmou que o garoto não fez ameaças verbais nem apontou as armas para os policiais.

141124104046_gun_624x351_xx_nocredit

A polícia afirmou que o menino tinha uma pistola de airsoft – um jogo na qual os competidores se enfrentam com réplicas de armas que disparam pequenas esferas de plástico. Contudo, um anel colorido que indica que a arma não é de verdade havia sido removido.

O autor da ligação para a polícia havia dito que o menino ficava brincando de sacar a pistola. “Eu não sei se é real ou não”, afirmou.

141124073946_crime_scene_cleveland_624x351_ap

Mas Jeff Follmer, presidente da associação de policiais de Cleveland, disse que os dois guardas não tinham conhecimento desses comentários quando foram enviados ao local.

Armas de fogo

O correspondente da BBC em Washington, David Willis, disse que foi aberto um inquérito e que os dois policiais estão afastados das ruas.

O controle da venda de réplicas de armas nos Estados Unidos já foi alvo de esforços parlamentares. A deputada Alicia Reece, democrata de Ohio, disse que proporá uma legislação para fazer com que todas as armas de brinquedo vendidas no Estado sejam pintadas com cores brilhantes para facilitar sua identificação.

Nos últimos anos, a força policial de Cleveland vem sendo alvo de investigações devido ao seu uso polêmico de armas de fogo – especialmente após uma perseguição a um automóvel que resultou em mais de 130 disparos de arma de fogo e duas mortes em 2012.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos também está realizando análises sobre os métodos de perseguição e uso da força adotados pelas polícias do país.

+ sobre o tema

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com...

‘Me sinto decapitado’: por que cada vez mais homens têm o pênis amputado no Brasil?

Uma verruga no pênis fez João*, de 63 anos,...

Direito ao voto feminino no Brasil completa 92 anos

As mulheres são atualmente 52% do eleitorado brasileiro, segundo...

para lembrar

Eu nos quero vivos

Quando eu era criança minha mãe me definia como...

Cara Gente Branca (Dear White People)

Não é tarefa fácil encontramos um filme LGBTQ+ que...

EUA: duas pessoas morrem baleadas em protestos contra agressão policial a Jacob Blake

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram pessoas correndo pelas...

Mais brasileiros se declaram negros e pardos e reduzem número de brancos

A população brasileira que se autodeclara negra ou parda...
spot_imgspot_img

Entidades denunciam execuções, invasões ilegais de casas e abusos durante operação da PM na Baixada Santista

Entidades de defesa dos direitos humanos e institutos ligados à segurança pública entregaram na noite desta segunda-feira (26), ao procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, um...

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente entre as mães de vítimas da violência policial do Rio de Janeiro. Deise Silva de...
-+=