“Mostra fotos do filho para ela chorar”

Um vídeo comoveu as pessoas neste final de semana nas redes sociais.

A estrela é Maria, mãe do dançarino DG, assassinado pela polícia do Rio há alguns meses.

por :  no DCM

Num debate sobre questões dos negros, ela falou sobre a maneira como a mídia tratou a morte de seu filho.

Mais especificamente, a Globo e Regina Casé. Regina Casé comanda o Esquenta, programa da Globo no qual DG fazia algumas participações.

Não impressiona a forma como a Globo e Regina Casé exploraram a dor de Maria.

No calor da revolta da sociedade, Maria foi levada ao programa de Regina Casé, na louca e cruel cavalgada pela audiência.

Maria foi usada e abandonada ainda no palco. Terminado o programa, ela conta que Regina Casé simplesmente a largou.

“Estou esperando até agora”, disse Maria.

Ela não precisou o que esperava. Imagino que fosse algum tipo de solidariedade. Não me pareceu, pelo que vi de Maria, que ela estivesse atrás de dinheiro ou coisas materiais.

Mas nada.

O máximo que ofereceram a ela foi produzi-la para o programa em que ela falaria do filho assassinado, como se fosse uma atriz. Ela rejeitou a suprema dádiva de fazer unha e cabelo num salão global. “E eu queria lá unha e cabelo?”, diz ela no vídeo.

Se a atitude da Globo e de Regina Casé absolutamente não me surpreendem, a firmeza lúcida de Maria me impressionou.

Ela representa um novo brasileiro simples, muito distante do “bovino” na já célebre definição de Diogo Mainardi.

É lúcida, sabe o que quer, não se deixa enganar – e fala com um tipo de clareza sincera que eu gostaria de ver, por exemplo, nos juízes do STF.

É este novo brasileiro que impediu que, nas últimas eleições, as manobras da mídia para eleger seus amigos não funcionassem.

Ele sabe que, no fundo, estão tentando bater sua carteira quando fazem campanhas pseudomoralistas em épocas de eleições.

Maria é Maria e milhões de brasileiros iguais a ela, que despertaram de um longo torpor do qual a mídia e seus amigos sentem uma torrencial saudade.

Eles votam não em quem seus patrões gostariam que votassem, mas em quem melhora sua vida.

No vídeo, uma parte, especificamente, me doeu. É quando Maria conta que, para fazê-la chorar, e assim conseguir mais audiência, a instrução era mostrar a ela fotos do filho morto.

Não vou retornar a um tema que trago sempre à discussão no DCM: 600 milhões em dinheiro público vão dar, na forma de publicidade federal, na Globo todos os anos.

Para fazer este tipo de coisa.

Procurada, a Globo disse que as acusações de Maria não têm fundamento.

Mas quem acredita nisso, para usar a grande frase de Wellington, acredita em tudo.

 

Leia também: 

O “Esquenta”, de Regina Casé, é o programa mais racista da TV? por Marcos Sacramento

Clamando por Justiça, mãe de DG afirma: ‘Vou buscar força no mar’

Polícia é acusada de assassinar dançarino Douglas Rafael

Crônica de uma morte anunciada: como o dançarino Douglas filmou sua execução em 2013

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Extermínio tolerado

Waldik Gabriel Chagas, 11 anos, tinha o olhar esperto...

Vidas negras ainda não importam

Na sua essência mais absoluta, o racismo é o...

Um possível chapa, Emicida lança clipe com mulheres que tiveram filhos mortos por PMs

Leandro Roque de Oliveira, o rapper Emicida, lançou nesta...

Mães de Maio e de Secundaristas se unem para denunciar abusos policiais

Articulação ocorreu participam no lançamento de livro sobre os...
spot_imgspot_img

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria racial e ter sido esganado por uma mulher após discutir com o genro dela, em São...

Posicionamento: pela divulgação do Relatório de Monitoramento de Violações na Baixada Santista

Geledés -Instituto da Mulher Negra apoia a Comissão Arns e as organizações da sociedade civil no repúdio às execuções sumárias e com exigência de...

Entidades denunciam execuções, invasões ilegais de casas e abusos durante operação da PM na Baixada Santista

Entidades de defesa dos direitos humanos e institutos ligados à segurança pública entregaram na noite desta segunda-feira (26), ao procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, um...
-+=