Por que resistir à feminilidade deveria fazer parte de nossas lutas?

A gente, mulheres, quer acabar com o patriarcado e a opressão sobre a gente. Só que essa derrubada não virá do céu, só virá com luta. E no entanto é muito comum no feminismo evitar pressão sobre as mulheres para desconstruirem certos vícios e atitudes autodestrutivas para não ofendê-las com “culpabilização”.

por Keli Alexandre no A Margem do Feminismo

Eu particularmente estou de saco cheio de tudo ser TW entre feministas. Principalmente porque esse melindre é muito coisa de patricinha (moças classe média). Essas moças são muito fãs de uma inércia, comodismo, falta de problematização. Por isso o feminismo liberal é tão mainstream. Só que, para as que realmente se interessam pela queda do patriarcado, acho que certas coisas a gente pode fazer com muita eficácia para ajudar a enfraquecê-lo.

Uma delas é o empoderamento financeiro e político das mulheres. A gente não precisa esperar o planeta ficar comunista, ou o capitalismo ruir, para diminuirmos o poder dos homens sobre a gente. Mulheres se subjugam a homens primeiramente por pobreza. Depois pelo dever social, pelo fetiche, status. Mas a dependência financeira é um fator muito forte e derrubá-la ajuda a desconstruir muito da pseudo-dependência por um ser que pouca serventia real te tem. A outra coisa é desconstruir a feminilidade.

Feminilidade é um manto de opressão sobre a gente, um grilhão, uma etiqueta identificadora, ou insígnia, de violável e violentável. Feminilidade, fazendo um paralelo com certas opressões é o uniforme da empregada doméstica

maids-uniform

 Ou, em alguns casos, isso.

Tá, Keli, mas é difícil e culpabilizador você me cobrar que eu desconstrua a minha feminilidade, sou muito insegura

Acho que essa frase virá de primeira na cabeça das mulheres, inevitável. Mas eu realmente não estou me importando mais com as acusações de perseguidora, culpabilizadora e opressora de mulheres, porque todas elas são absurdas por si mesmas, quando não racistas. Nem rebato mais. Prefiro concluir meu ponto e auxiliar mulheres dispostas a me ouvir, já que ninguém é obrigada a me ler.

Leia também:  A cultura do estupro gritando – e ninguém ouve

 

Antes de defender sua feminilidade como algo que você precisa se apegar para se sentir bem, lembre-se que eu sou negra, e eu também preciso de cabelo liso e traços finos para me sentir bem. Na verdade, eu precisava disso para me sentir bem. Contudo, se o se sentir bem puder ser definido como algo concreto, definitivamente sentir-se bem é poder ser quem você é ao natural, se aceitar. Não só se aceitar, mas amar, valorizar essa diversidade da natureza. E é isso que sinto hoje pela minha negritude.

Mas o branqueamento, ou maquiagem da negritude, é algo que nós, negras, precisamos para sobrevivermos, para arrumarmos emprego, afetos, amigos, abertura em espaços sociais, inclusão. Então, nada foi fácil para mim, porém, defendo que meu bem-estar, o bem-estar de qualquer negra e mulher, está na liberdade dos padrões sádicos.

A feminilidade não é intrínseca a nós, fêmeas humanas, apesar do radical comum das duas palavras. Ela nos é imposta desde nosso nascimento quando a sociedade nos escolhe roupas e acessórios de semiótica de delicadeza e fragilidade. Tal como fazemos com os frangos para nosso consumo, mantemos eles em cativeiro, sem desenvolvimento de seus músculos, apenas para que sejam galinhas de carne macia, de fácil corte e mastigação, baixa resistência.

E feminilidade é isso, é o corte das nossas asas, o atrofiamento de nossos músculos, o subdesenvolvimento ou aniquilamento de nossas defesas naturais e nossa existência independente, insubordinada. É um processo longo e que dura a infância toda. As mulheres passam por isso. Beauvoir chama de mulher o próprio produto desse processo. Eu ainda prefiro chamar de mulher a fêmea humana, mas essas terminologias são relativas e não impedem a nossa discussão.

Mulherese e feministas são forçadas à feminilidade. Algumas resistem, mesmo se vendo héteros, como eu mesma resisti durante a infância. Mas, feminilidade é cerca de 80% do gênero, mas não o gênero todo. Ainda que resistamos a ela, continuamos presas à insígnia de “violável e violentável”, pelos homens. Não dá para fugir disso com ações individuais. Porém, dá para enfraquecer o patriarcado com ações conjuntas.

O único movimento que ataca a feminilidade é o feminismo radical e o movimento lésbico, porém, no feminismo isso é facultativo. Meu texto então é uma retórica em defesa da importância de se aderir à desconstrução pessoal da feminilidade, ainda que isso doa no começo.

Uma coisa boa é que mulheres negras não se encaixam bem no padrão de feminilidade. Feminilidade, curiosamente, é um padrão mais avançado para mulheres não-negras-africanas (carece de fontes). Não sei por quê. Mas, com isso, o padrão de feminilidade seria um apagamento da nossa negritude.

Por que desconstruir a feminilidade deve ser uma meta das mulheres contra o patriarcado e uma meta séria?

  1. Porque a feminilidade é mesmo um fator que favorece os homens e enfraquece as mulheres.Ela poda nossa asas e desativa em nós as nossas defesas naturais, as nossas defesas contra o estupro. Ela é uma insígnia de violabilidade e vulnerabilidade. E ela é mais que uma insígnia, é um processo de enfraquecimento, de vulnerabilidade real. Não é mera maquiagem ou performance. Nós, mulheres, somos realmente já enfraquecidas, debilitadas, tipo os frangos criados em cativeiro que mal conseguem se mover quando as gaiolas são abertas. Ter a feminilidade como algo facultativo é ignorar que depois que o estupro ocorre, o estrago irremediável em sua vida já está feito. O patriarcado não vai cair de uma década para outra, então, devemos nos  desfazer, ao máximo, dos fatores de vulnerabilidade aos homens. Precisamos ser o mais resistentes que pudermos.
  2.  Porque a feminilidade é muito galgada na infantilização da mulher, na pedofilia mesmo.A feminilidade é um processo de infantilização ou perenidade da infância da mulher. Um atraso na formação da sua psique adulta, da força de seu corpo, na formação do seu corpo de adulta. Colaborar com um padrão pedofílico da feminilidade é validar, ainda que não intencionalmente, a sordidez dos homens de desejarem violar crianças. Pois é disso que eles gostam, meninas, os seres mais frágeis e violáveis possível para eles, pois os homens são, antes de tudo, covardes. Esse padrão pode ser percebido na performance da feminilidade: dedinho na boca, olhar perdido, inocente, olhos grandes, corpo magro e lânguido, estatura pequena, ausência de pelos, pele lisa.twiggy211twiggy9
    As mulheres adultas, para agradarem aos homens, se infantilizam e tentam mascarar até mesmo a sua autonomia. São presenteadas com ursos de pelúcia, bombons e coisas fúteis. Forçam vozes de tom mais agudo e expressões infantis (Porque a feminilidade quando não é galgada na infantilização da mulher, é galgada na escravidão, subjugação total da mulher. Quando não é para se demonstrar frágil e vulnerável como uma criança, as mulheres devem se mostrar escravas, subalternas e subjugadas aos homens.
  3. slave-open-mouth-gag-leopard-print-fetish-Mask-Muzzles-Master-Punishment-font-b-Muffle-b-fontOu meros objetos, objetos sexuais. Ela, pela femilidade, deve se mostrar sempre pronta para a penetração, na hora que ele quiser. Então, anda-se empinada e rebolando. E usa-se calçados que limitam os passos e a mantém presa fácil para eles. Para que não possamos ir e vir, ou fugir, com facilidade como eles. pes-de-lotus-760-1
  4.  Feminilidade é um atraso de vida que come seu tempo e seu dinheiro.Será que eu preciso me estender sobre o quanto o processo de manutenção da feminilidade atrasa nossas vidas e consome nosso dinheiro, nossa mão de obra? Quanto tempo uma mulher perde escolhendo a roupa adequada? Quanto tempo ela leva entre o banho e sua saída para o trabalho? Ou fazendo as unhas, indo ao salão de beleza?E pensando na análise combinatória necessariamente cheia de regras para escolher e combinar as peças de roupas? E sapato! Quanto dinheiro e tempo se perde com isso?! E o que se deixa de fazer por causa disso? Acordar alguns minutos mais tarde, ou mesmo ler um livro, ou jogar video-game. Não deve ser desprovida de causalidade a relação entre a manutenção e preocupação com a feminilidade e os “transtornos” psíquicos que as mulheres sofrem. Além de todas as preocupações com sustento e segurança, as mulheres acordam já numa rotina de se preocuparem com a manutenção da femilidade vinte e quatro horas por dia! Inclusive quando elas já estão se relacionando com as outras pessoas. “Será que estou bonita?”.

    “Ai, ele deve ter me achado feia”. “Preciso sorrir para não ficar com a cara fechada, ou fazer aquela cara de ingênua”. Pensamentos assim norteiam as mentes das mulheres em concomitância com todas as outras questões, de práxis, para os seres humanos. Minto, pensamentos assim norteiam as mentes das mulheres em concomitância com muitas outras questões que só elas têm que ter, como maternidade e o medo de ser estuprada. Tudo isso nos atrasa e nos deixa em desvantagem. É uma escravidão nossa para a sociedade, pois além de já sermos exploradas de tantas outras formas, temos que fazer isso sendo os próprios adornos dos ambientes. É um tempo roubado, que nos impede de dedicarmos a nós mesmas, ao nosso lazer e à nossa formação intelectual e profissional.

  5.  A feminilidade é anulação da nossa verdadeira aparência e essência psíquica e física. Não há nada mais distante da nossa verdadeira aparência do que a feminilidade. Não parecemos com bonecas. Não temos as sobrancelhas sem pelos no sobrolho, não temos os lábios vermelhos e as bochechas constantemente coradas (principalmente nós, negras), não somos débeis e lentas naturalmente, não somos privadas de potencial de desenvolvimento muscular, nem sempre temos cílios longos (principalmente nós, negras), não somos vaidosas por natureza, e nem fúteis, não mais do que os homens.Não temos alopécia dos olhos para baixo. Não temos vaginas com cheiro de tutti-frutti. E nossos cabelos são grisalhos e brancos após uma certa idade. Esta somos nós, mulheres, e não bonecas. Nos aceitarmos, nos amarmos, significa, no fim, amarmos a forma como somos ao natural, sem as intervenções de anulamento de nossas características.

opw3lcxrgf2kvrwdlzjqIsto sim é amor próprio. E só ama mulheres quem ama também essas características e não produtos sociais fetichistas. mulher negra5. Precisamos de representatividade para inspirarmos outras mulheres e viralizar a desconstrução da feminilidade.

Se você já entendeu que a feminilidade é uma arma do patriarcado contra você mesma, que facilita a dominação deles, você deve entender que desconstruir isso enquanto padrão é um grande passo para se derrubar o sistema de gênero e enfraquecer a supremacia masculina, assim como a representatividade de mulheres negras com a negritude assumida vem enfraquecendo os padrões caucasianos de beleza e tornando negras cada vez mais fortes e decididas, pela confiança da coletividade, a lutarem por espaço e voz nessa sociedade racista.

Tem inclusive muita gente que não é negra querendo ser negra, devido a essa representatividade que acaba, como efeito colateral, despertando fetichização da negritude. De forma semelhante, mulheres aderindo cada vez mais à desconstrução da feminilidade vão desconstruir o mito, que prejudica principalmente as mulheres, de que somos intrinsecamente femininas ou que somos feias ao natural, fazendo com que muitas mulheres se sintam confiantes a se livrarem das amarras da feminilidade, de seus grilhões, ficando livre.

Dá medo e insegurança no início, mas é justamente de pioneiras, heroínas, que precisamos para dar confiança às outras mulheres de que a feminilidade não só é dispensável como é perda de vida. Feminilidade é isso, é aquilo que precisamos desconstruir de forma viral para enfim nos amarmos e inspirarmos outras mulheres a se amarem também e enfraquecermos, juntas, a supremacia masculina e consequente misoginia.

E diminuirmos o fardo que nossas filhas e netas terão que ainda enfrentar daqui a vinte ou cinquenta anos.

 A supremacia masculina tem alicerce na misoginia e a feminilidade é justamente a concretização da misoginia sobre cada uma de nós, mulheres. 

Resistir a ela não deve ser facultativo, mas um dos primeiros passos das mulheres que já querem, mesmo, enfraquecer o patriarcado.

 

 


Eu também escrevo livros, e tenho dois já. Um de crônicas e outro de ficção. Deixe seu review, caso leia. E muito obrigada. Eu também escrevo livros, e tenho dois já. Um de crônicas e outro de ficção. Deixe seu review, caso leia. E muito obrigada. :)

+ sobre o tema

Caravana da Mulher chega ao Alto Dois Carneiros

A sexta edição da Caravana da Mulher, realizada no...

Mulheres do PT debatem feminismo, políticas e construção partidária

Cerca de 700 delegadas de todo o Brasil reuniram-se...

Na Rio+20, governo brasileiro e ONU Mulheres firmam cooperação Sul-Sul em igualdade de gênero

Serão investidos três milhões de dólares, doados pelo governo...

Salvador registrou 234 casos de abusos em 234 dias do ano

A Bahia lidera o ranking de denúncias de violência...

para lembrar

Após polêmica em Brasília, Letícia Sabatella participa de ‘deitaço’ no asfalto

Depois de noitada com amigos, atriz deitou no asfalto...

Exposição feminista em formato lambe-lambe vai até 30 de junho e tem entrada gratuita

O projeto “Identidade que não cabe no RG”, realizado...

O feminismo das poderosas atrapalha as mulheres comuns?

Atrizes que ganham milhões bradam por igualdade salarial com...
spot_imgspot_img

Medo de gênero afeta de conservadores a feministas, afirma Judith Butler

A primeira coisa que fiz ao ler o novo livro de Judith Butler, "Quem Tem Medo de Gênero?", foi procurar a palavra "fantasma", que aparece 41...

Robinho chega à penitenciária de Tremembé (SP) para cumprir pena de 9 anos de prisão por estupro

Robson de Souza, o Robinho, foi transferido para a Penitenciária 2 de Tremembé, no interior de São Paulo, na madrugada desta sexta-feira (22). O ex-jogador foi...

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...
-+=