Quem tem direito ao luto?

Três anos atrás decidi voltar a atender na clínica após ouvir de muitas pessoas próximas o quão traumático havia sido a experiência de falar sobre si para o terapeuta ou analista e me questionei seriamente se não poderia tentar de alguma forma voltar e aprender a ouvir melhor. Essas pessoas que se queixavam em sua maioria são pessoas LGBTI, pretas, favelados, pessoas com dores exploradas comercialmente e que ainda assim seguem invisíveis.

Um desses casos, o de uma amiga muito querida, onde a terapeuta a questionou sobre a dificuldade de reconstituir sua árvore genealógica, frisando na necessidade desse processo para o seguimento do trabalho, mas a terapeuta não entendia que sua árvore era composta por ancestrais que ficaram na travessia, por crianças que não nasceram, por tias, tios, primos, irmãos, mães e pais que não necessariamente são familiares consanguíneos. Ela não entendia sobre configuração familiar preta, periférica e não há problema em não saber, por isso é tão importante nossa escuta.

Desde o início da pandemia, voltamos a enfrentar a lidar de forma mais direta com as desigualdades visíveis e nesse cenário onde alguns podiam ficar em casa e tantos outros precisaram ir para rua nos deparamos com as diversas formas de viver o luto.

Todos nós, de alguma fora, no último ano vivemos o luto e lidar com o luto do outro é uma das experiências humanas mais humanas, aprender a lidar, respeitar e ouvir, ouvir muito, nos leva a buscar entender o que é melhor fazer para aquela pessoa, aquele amigo, aquele familiar considerando as subjetividades do luto.

Aprendemos que cada luto é único, mas não sei se aprendemos que todos os lutos são duros, profundos e precisam ser cuidados. Recorro a Judith Butler para tratar sobre ungrievable lives – as vidas que não seriam passíveis de luto (2016), vidas de indivíduos que desde sempre são vistos socialmente como precárias, finitas e que não tendem a despertar os mesmos afetos de outras vidas, em especial quando deixam de existir e passam a fazer parte do luto de outros.

Em dezembro do ano passado no município de Belford Roxo, bem próximo ao local onde vivi, 3 garotos, Lucas Matheus (8 anos), Alexandre da Silva (10 anos) e Fernando Henrique (11 anos), é preciso falar seus nomes, desapareceram a luz do dia sem deixar rastros, ou melhor, sem que a polícia encontrasse seus rastros. Desde então vimos um silenciamento da mídia, das redes e a ausência de uma movimentação coletiva no sentido reivindicar ações para encontrar esses meninos no leva novamente a manifestar que nem todas as vidas serão consideradas, não somente no espaço clínico, mas na sociedade.

Essa semana o delegado do caso levanta uma hipótese acusatória contra as crianças em meio a investigação afim de justificar o desparecimento, curiosamente isso acontece uma semana após reportagem sore o caso passar no programa Fantástico da Rede Globo. Independente da linha investigativa, ao ler a notícia pensei nas famílias, pensei na dor dessas famílias sem saber se seus filhos estão vivos ou não e agora com essa linha que a polícia segue, seus corpos pretos que já não despertavam tanto interesse coletivo, tantos afetos positivos, passam a ser vistos como corpos desviantes ocupando o lugar que o estigma os atribui desde o nascimento.

Nesse contexto me pergunto, quem pode chorar suas dores, quais mães são escolhidas para viver seu luto, quais indivíduos são ouvidos sobre suas perdas e quais precisam lidar com suas perdas como se não tivessem acontecido, pois a pessoa que perderam era um corpo desumanizado.

Poderia citar a recente chacina do Jacarezinho, a morte de Lorena, mulher trans morta de forma desumana em uma clínica, poderia seguir falando dos milhares de pessoas que estão nas ruas trabalhando em meio a pandemia e instigar para pesarmos como e quem elas são, mas eu quero hoje falar da importância da nossa escuta.

Precisamos ouvir todas as histórias, considerarmos todas as histórias e atualizarmos nossa prática para que seja possível acolher toda as dores. Acolha a dor e olhe a cor, olhe o gênero, a origem, a deficiência, olhe a diferença, considere a diferença e se para acolher for preciso mudar a teoria é isso que vamos fazer, nós estamos aqui para isso. Não faz sentido seguirmos se não for dessa forma.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Ministra negra força a Itália a encarar o próprio racismo

Ministra da Integração Cécile Kyenge incita ódio da...

Para você, antirracista

Aos meus amigos… Um texto há tempos guardado, encorajado pelos...

“Racismo coletivo” na loja “Belíssima” no Madureira Shopping

Este é mais um caso de racismo do cotidiano...

No Paraná, letra dos Racionais MC’s ajuda na remição de pena

Uma decisão do Tribunal de Justiça do Paraná considerou...

para lembrar

Cresce crime contra negros em Teresina e movimento pede Disque Racismo

O delegado Emir Maia, titular da Delegacia de Repressão...

Cem movimentos negros se articulam para resistir à retirada de direitos

Discurso histórico de Sueli Carneiro marca evento da Coalizão...

O combate ao racismo no trabalho, por Sueli Carneiro

Uma iniciativa pioneira da sociedade civil vem resultando em...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=