Rapper Emicida pede fim da intolerância e expõe realidade da periferia em show na Virada Cultural de SP (VÍDEO)

O rapper Emicida usou branco e passou uma série de mensagens importantes durante a sua apresentação na 11ª edição da Virada Cultural de São Paulo. Ao lado do grupo religioso As Águas de São Paulo, ele pediu o fim da intolerância que vem assolando o País.

por Thiago de Araújo no Brasil Post

“Não viemos de branco à toa. Viemos de branco porque uma menina tomou uma pedrada ao sair de um culto de candomblé (no Rio). Nós viemos de branco porque tem gente que, para falar de jovem, fala mais de cadeia do que de escola”, afirmou Emicida.

______

______

Ainda durante o show, o rapper usou a rima para passar alguns recadoscomuns às minorias e a quem vive na periferia.

“A fundação é tudo menos casa, para os internos. É mó boi odiar o diabo. Quero ver vocês viverem lá no inferno.

Não existe amor em São Paulo? Existe pra c…. Vocês acham que as Mães de Maio (grupo de mães de vítimas da violência policial em SP) choram por quê?

Ter que sobreviver ao pai que abusa, o ferro sobre a blusa, as fardas que mata ‘nóis’ e nunca fica reclusa, ao Estado que te usa, e aos ‘otário’ que quer vir falar de racismo ao contrário.

Tempo doido, a espinha gela, onde as mulheres ‘é’ estuprada e a culpa ainda é delas.

Aos bunda mole, um aviso: não é por que a gente tá sonhando que a gente tá dormindo, viu?”.

Ainda deu tempo de Emicida chamar Martinho da Vila para fazer um samba ao lado da galera do hip hop no palco. A música – e os recados – definitivamente foram passados a rigor.

+ sobre o tema

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde,...

para lembrar

Regina Casé, a Globo e a suposta denúncia da violência policial

A mãe de DG foi ao Esquenta, mas não...

Parlamento branco comprova que ‘mentira cívica’ não foi desfeita

Em 2013, somente 55 (10,7%) dos 513 deputados federais...

A favela, a polícia e a violência que se inverte

A cultura de corrupção que envolve hoje parte da...
spot_imgspot_img

Posicionamento: pela divulgação do Relatório de Monitoramento de Violações na Baixada Santista

Geledés -Instituto da Mulher Negra apoia a Comissão Arns e as organizações da sociedade civil no repúdio às execuções sumárias e com exigência de...

Entidades denunciam execuções, invasões ilegais de casas e abusos durante operação da PM na Baixada Santista

Entidades de defesa dos direitos humanos e institutos ligados à segurança pública entregaram na noite desta segunda-feira (26), ao procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, um...

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...
-+=